No racha do PSL com clã Bolsonaro, deputado Bozzella vira homem-forte de Bivar

Deputado ganhou a confiança do presidente da legenda e articula redirecionamento da bancada

Brasília

Entre a série de reuniões que tomaram a sede nacional do PSL nos últimos dias, um pedido expresso foi feito pelo presidente do partido, Luciano Bivar (PE): a autorização para que o deputado Júnior Bozzella (PSL-SP) tivesse livre trânsito para ocupar sua sala.

Ao deixar seu gabinete à disposição do aliado, Bivar fez um claro gesto político de demonstração de confiança. Dias antes, o dirigente já havia dado carta-branca a Bozzella para conduzir as tratativas da ala da legenda que se descolou do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O deputado estadual Júnior Bozzella durante evento do PSL - Ricardo Matsukawa - 17.ago.2019/Folhapress

Bozzella chegou ao PSL a convite de Bivar em 2017 —antes, portanto, da filiação do clã Bolsonaro ao partido. Para além da afinidade política, os dois compartilham a relação com o futebol. Bivar é ligado ao Sport. Bozzella é conselheiro do Santos e já comandou o Meninos da Vila, a categoria de base.

Ao oferecer a sala do 9º andar de um prédio na região central de Brasília, Bivar indicou que pretende submergir.

O dirigente ganhou evidência pelo racha na legenda ao mesmo tempo em que foi alvo de operação recente da Polícia Federal por suspeita de envolvimento no esquema de candidaturas de laranjas, caso revelado pela Folha.

Embora Bozzella já exercesse o papel de porta-voz do grupo de Bivar na guerra do PSL, o sinal e o aval do dirigente lhe deram segurança para conduzir o processo à sua maneira.

Aos 39 anos, o deputado assumiu, ainda que não oficialmente, o comando do maior partido de direita do país em seu momento de maior crise desde as eleições.

É nesse cenário que Bozzella tem defendido o que chama de redirecionamento do PSL. "Precisamos separar o joio do trigo para atuar como uma direita responsável e transparente", disse à Folha.

Ele quer higienizar o partido, tirando das fileiras da sigla "os que são do Olavo de Carvalho, da milícia digital e da rachadinha do Queiroz e do Gil Diniz" —referências a Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), ao deputado estadual aliado de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e à prática de cobrar de funcionários de gabinetes a devolução de parte dos salários. 

O movimento, no entanto, tem de ser calculado, ele admite. Na semana passada, por exemplo, o grupo ligado a Bolsonaro saiu vitorioso ao emplacar Eduardo na liderança do PSL na Câmara.

Bozzella decidiu que era o momento de suspender a guerra de listas para a escolha da liderança. Colocou a bola no meio de campo para ter tempo hábil de reorganizar seu time.

Segundo avaliação que tem feito aos aliados, sua ala só deve investir em uma nova tentativa de tirar Eduardo do posto se tiver certeza de que vai ganhar.

Agora, seu principal desafio é tornar a ala de Bivar muito bem afinada e unida. A bancada do PSL é a segunda maior da Câmara, com 53 deputados, mas é composta por um grupo pouco coeso.

No esforço pela unidade, Bozzella tem se dedicado a conversas individuais com os integrantes que estão incomodados com a interferência de Bolsonaro nos rumos da legenda no Congresso.

A ideia é mapear o sentimento dos colegas para dar passos seguros na disputa pelo controle do partido. Bozzella tem defendido uma ofensiva interna e na Justiça para asfixiar o grupo adversário e forçá-lo a deixar o PSL.

Foi por sua iniciativa, por exemplo, que foi oficializado na quarta (23) à Executiva Nacional o pedido de expulsão de Eduardo. Bozzella conseguiu o apoio de colegas da bancada paulista do partido na Câmara, Abou Anni, Coronel Tadeu e Joice Hasselmann, e do líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP).

Eles acusam Eduardo de abuso de poder, ao "colocar seus interesses pessoais à frente dos interesses do partido", e pedem que seja destituída a direção estadual, hoje sob o comando do 03.

Desde o acirramento da crise, Bozzella, que é natural de Santos (SP), não volta ao estado. Nesta segunda-feira (28), entrará em sua quarta semana direto em Brasília.

O homem-forte de Bivar tem tido, em média, 20 conversas por dia —entre congressistas, advogados e jornalistas.

Aliados do deputado disseram à Folha que a tendência é a de que a saída de cena de Bivar possa se alongar e dar a Bozzella ainda mais força no partido, que hoje tem a maior fatia do fundo partidário —o valor, no fim de 2019, pode chegar a R$ 110 milhões.

As articulações, admitem pessoas próximas ao deputado, já vislumbram a disputa presidencial de 2022 e o lançamento de um nome que possa fazer frente a Bolsonaro.

É nesse contexto que surgem os acenos ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, hoje no PSC. Bozzella é um dos principais entusiastas da filiação do ex-juiz ao PSL. Recém-destituída do posto de líder do governo no Congresso, Joice também aparece como opção.

Diferentemente da maior parte da bancada do PSL na Câmara, que está em seu primeiro mandato, Bozzella já foi filiado a partidos tradicionais como PSDB e PSD.

Bacharel em direito, foi vereador em São Vicente (SP), de 2013 a 2016, pelo PSDB. Em 2014, disputou sem sucesso uma cadeira na Assembleia de São Paulo pelo PSD.

Na gestão Michel Temer (MDB), ocupou a Superintendência da Funasa em São Paulo, mas disse ter sido exonerado em 2017 após defender que o agora ex-presidente esclarecesse acusações feitas na delação da J&F.

No ano passado, elegeu-se deputado federal pela primeira vez pelo PSL, com 78.712 votos. À Justiça Eleitoral ele declara ter R$ 500 mil em dinheiro vivo, além de quatro veículos e aplicações financeiras.

Ao Tribunal Superior Eleitoral, diz ter gasto R$ 392,5 mil na campanha, sendo 57,3% do montante (R$ 225 mil) bancados por recursos próprios.

RAIO-X DO PSL

271.195 filiados (em ago.19)

3 governadores (SC, RO e RR), de um total de 27 estados

53 deputados federais, de 513; 2ª maior bancada, atrás da do PT (54)

3 senadores, de 81; a maior bancada, do MDB, tem 13

R$ 110 mi - repasses do fundo partidário em 2019 (estimativa)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.