Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Na direita, líderes repudiam ameaça de Eduardo, que só ganha apoios isolados

Até apoiadores contumazes do bolsonarismo contestaram a proposta de 'novo AI-5' ou silenciaram diante da controvérsia

Joelmir Tavares
São Paulo

No campo da direita, líderes políticos e organizações repudiaram as declarações de Eduardo Bolsonaro em defesa de um novo AI-5 no país e o deixaram sozinho na proposta de quebra da ordem constitucional.

Ao longo desta quinta-feira (31), o deputado federal e filho do presidente Jair Bolsonaro colheu críticas desde as alas moderadas até as mais radicais.

De modo geral, até mesmo apoiadores contumazes do bolsonarismo contestaram a proposta ou silenciaram diante da controvérsia. Poucos foram a público apoiar enfaticamente o 03.

Em seu partido, o PSL —rachado desde a crise que eclodiu semanas atrás—, Eduardo foi criticado pelo atual presidente, o deputado federal Luciano Bivar (PE), e por correligionários do grupo que se opõe à família Bolsonaro.

O deputado Júnior Bozzella (PSL-SP) disse que "o filho do presidente calado é um poeta" e Joice Hasselmann (PSL-SP), outra desgarrada do clã presidencial, afirmou ser "inadmissível o flerte escancarado com o autoritarismo".

Ainda no PSL, a deputada estadual Janaina Paschoal (SP), com um histórico de posicionamentos contrários a atos de Bolsonaro e dos filhos, novamente manifestou desacordo. À BBC News Brasil ela disse que pensar em qualquer retrocesso "parece completamente descabido".

Reações semelhantes surgiram também em partidos de centro-direita e centro, como PSDB, DEM, Republicanos, MDB, PP e Podemos. Em notas oficiais, postagens de rede social e entrevistas, líderes das siglas condenaram a ameaça autoritária do filho do presidente.

O MBL (Movimento Brasil Livre) foi outro que refutou as afirmações do parlamentar, tachadas de irresponsáveis e classificadas como "o maior disparate já feito contra a democracia brasileira desde a promulgação da Constituição".

No Twitter, onde correligionários de Bolsonaro e dos filhos costumam ser rápidos para defendê-los, o que se viu desta vez foi silêncio.

Até o fim da tarde desta quinta, influenciadores como Allan dos Santos, Bernardo Küster e Ailton Benedito evitaram o assunto.

André Guedes (que é seguido, inclusive, pelo próprio Eduardo Bolsonaro) ensaiou um apoio, mas, na mesma sequência de tuítes, relativizou.

"Isoladamente, eu não veria grandes problemas na fala do Eduardo. Gera ruído, mas ele tem imunidade parlamentar [...]. O que me desagrada verdadeiramente é o contexto", escreveu em seu perfil.

"Eu também estou de saco cheio das instituições. Mas não podemos esquecer que, com todos os defeitos, foram elas que prenderam Lula, derrubaram Dilma e elegeram Bolsonaro. Sigo achando que é o melhor caminho", afirmou Guedes.

Um dos poucos endossos a Eduardo veio no meio da tarde, quando a deputada federal Alê Silva (PSL-MG) disse ser aceitável cogitar "um novo AI-5" caso o que chamou de "Estado de guerra" fosse instalado no Brasil.

A parlamentar afirmou que, quando sobreveio o Ato Institucional, o país vivia "à mercê de uma esquerda terrorista, que se encontrava infiltrada em todos os segmentos da sociedade".

"Se esse Estado de guerra voltasse, talvez realmente não iríamos ter outra alternativa."

Outro que falou em defesa do filho do presidente foi o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), que subiu à tribuna da Assembleia Legislativa de São Paulo para reivindicar "um revisionismo histórico" sobre o golpe militar.

O vídeo do discurso foi postado por ele mais tarde, declarando "todo apoio ao deputado", que, segundo Douglas, "tem sido ameaçado injustamente de cassação por parte de apologistas a ditaduras".

"Comunistas hipócritas! Respeitem a legitimidade do deputado federal mais votado do Brasil", pediu.

Na tropa bolsonarista do Congresso, o tema foi ignorado pelas principais cabeças.

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), por exemplo, deixou de lado o discurso do filho de Bolsonaro e preferiu postar no Twitter mensagens sobre a eleição nos Estados Unidos e sobre a soltura dos ex-governadores do Rio Anthony e Rosinha Garotinho.

José Medeiros (Pode-MT), que é vice-líder do governo na Câmara, até tocou no assunto, mas de maneira inusitada. Ele republicou uma mensagem do senador petista Humberto Costa (PE) sobre o governo Bolsonaro estar "com os dias contados" e emendou: "Ok, concordo plenamente. Ninguém quer um AI-5".

Em seguida, Medeiros indagou: "Uma coisa, porém, me faz refletir: por que a fala de um causa tanto alvoroço e a fala e os atos dos demais são mansamente recebidos?".

Na Esplanada, mesmo os ministros mais falantes e ativos em redes sociais se recolheram. Sergio Moro (Justiça) nada comentou.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o titular do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, disse que editar um "novo AI-5", como sugeriu o deputado, exigiria estudos, pois o regime democrático impõe que uma proposta como essa passe "em um monte de lugares".

"Não ouvi ele [Eduardo] falar isso", afirmou o ministro. "Se falou, tem de estudar como vai fazer, como vai conduzir. Acho que, se houver uma coisa no padrão do Chile, é lógico que tem de fazer alguma coisa para conter. Mas até chegar a esse ponto tem um caminho longo."

Segundo o jornal, em nenhum momento da entrevista o general repudiou a hipótese de um novo AI-5. Mais tarde, em uma rede social, Heleno disse que essa informação é mentirosa.

"Disse a ele [repórter] que o AI-5 não faz sentido em uma democracia. O jornalista tirou conclusões deturpadas, como se eu apoiasse o AI-5. Lamentável. AI-5 é coisa do passado", publicou.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.