Descrição de chapéu Coronavírus

Sobe para 19 número de pessoas que encontraram Bolsonaro e estão com o novo coronavírus

Dois ministros, Augusto Heleno (GSI) e Bento Albuquerque (Minas e Energia), receberam teste positivo para a Covid-19

Brasília e São Paulo

O presidente da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações), Sergio Segovia, recebeu teste positivo para o novo coronavírus, informou sua assessoria nesta quinta-feira (19).

Com isso, sobe para 19 o número de pessoas que estiveram com o presidente Bolsonaro nos Estados Unidos e agora tem a Covid-19.

Segovia realizou um primeiro exame no último dia 13, que não detectou o vírus. Seguindo o protocolo, fez uma segunda análise nesta quarta (18), que confirmou a infecção. Apesar de ter feito parte da comitiva que acompanhou Bolsonaro aos EUA, Segovia não viajou com o mandatário no avião presidencial.

Dois ministros do governo já receberam teste positivo para o novo coronavírus: o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Bento Albuquerque (Minas e Energia).

Albuquerque já havia feito um primeiro exame, que deu negativo, mas todos que estiveram na missão seguem protocolo médico e estão realizando novas análises durante o período de incubação do vírus. O anúncio do seu diagnóstico foi feito por Bolsonaro durante entrevista coletiva nesta quarta-feira (18).

Heleno é um dos ministros mais próximos do presidente. Por causa da idade, 72 anos, ele faz parte do grupo de risco para a doença.

A assessoria do deputado federal Daniel Freitas (PSL-SC) confirmou o diagnóstico do parlamentar nesta terça-feira (17). Freitas começou a apresentar sintomas no último fim de semana e permanecerá em quarentena em Brasília.

Na segunda-feira (16) já haviam sido diagnosticados o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Flávio Roscoe, e o secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo.

Roscoe diz ter conversado com Bolsonaro em Miami e almoçado com ele, mas não na mesma mesa.

Troyjo não apresentava sintomas e trabalhava de casa em isolamento, segundo nota do Ministério da Economia.

Outro integrante da comitiva, o presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Braga de Andrade, teve o diagnóstico confirmado na segunda-feira.

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência havia informado no domingo (15) que quatro membros da equipe que serviu de apoio à viagem de Bolsonaro a Miami estão infectadas com o novo coronavírus.

Também no domingo, o publicitário Sérgio Lima, responsável pela comunicação da Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro quer criar, informou que está com o coronavírus. A Folha confirmou que ele esteve com a comitiva do presidente nos Estados Unidos, na semana passada.

Além de Lima, ao menos outras seis pessoas que estiveram próximas a Bolsonaro durante viagem aos EUA, na semana passada, estão infectadas com o novo coronavírus.

Um deles é o de um empresário que estava no grupo que acompanhou a visita do presidente aos EUA. Ele preferiu não se identificar.

Três outros casos são de integrantes da comitiva oficial de Bolsonaro na viagem à Flórida. Anunciaram que contraíram a doença o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), Fabio Wajngarten, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e o diplomata Nestor Forster, indicado para o cargo de embaixador do Brasil em Washington.

A advogada Karina Kufa, tesoureira do Aliança pelo Brasil, disse que seu exame deu positivo. Ela está em isolamento e, pelas redes sociais, tem atualizado seu estado de saúde. "Hoje acordei bem melhor, os sintomas praticamente sumiriam. Até agora não tive febre e falta de ar, que são os fatores de alerta", escreveu a advogada neste sábado (14).

Entre os anfitriões, o prefeito de Miami, Francis Suarez, anunciou, na sexta (13), ter recebido o diagnóstico positivo para o novo coronavírus. Ele participou de evento com Bolsonaro e sua comitiva na segunda-feira (9), na Flórida.​

A Folha também confirmou que o número 2 da Secom, Samy Liberman, teve resultado positivo para o novo coronavírus. Ele compareceu ao Palácio do Planalto na última semana, ao regressar da viagem, o que gerou reclamação e desconforto de funcionários da Presidência. Questionada formalmente, a Secom não quis comentar o resultado do exame de Liberman.

A confirmação de que pessoas que viajaram com o presidente estão infectadas levou à dispensa de diversos funcionários do Planalto na última sexta, Segundo relatos feitos à Folha, os militares que trabalham na Presidência estão incomodados com o comportamento de Wajngarten, considerado irresponsável, por ele ter dito em transmissão ao vivo neste sábado que já estava doente quando embarcou no voo de volta ao Brasil.

O GSI não divulgou os nomes dos integrantes da comitiva que estão infectados, mas afirmou que tratam-se de novos casos, cujos resultados foram divulgados neste domingo.

"Os integrantes da equipe de apoio ao recente voo presidencial aos Estados Unidos da América foram submetidos ao teste do novo coronavírus e, desde a chegada ao Brasil, preventivamente optaram por um regime de autoisolamento. Dentro desse grupo, quatro indivíduos apresentaram resultado positivo, porém todos eles estão com um quadro de saúde ainda assintomático. Dessa forma, cumprirão em suas residências o isolamento recomendado de 14 dias", diz a nota.

O gabinete informou ainda que os demais integrantes, mesmo nos casos de resultados negativos, seguirão isolados para cumprir o protocolo determinado pelas autoridades sanitárias.

​Após ter resultado negativo para a Covid-19 no dia 13, Bolsonaro interrompeu o isolamento e deixou o Palácio da Alvorada ao menos duas vezes. No dia 15, ele foi ao Planalto e cumprimentou apoiadores com aperto de mão, além de ter tirado fotos com manifestantes.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.