Como voltar para o mercado de trabalho durante a pandemia

Profissional deve se manter produtivo e focar áreas com mais oportunidades

São Paulo

A crise econômica causada pela Covid-19 extinguiu 7,8 milhões de postos de trabalho de março a maio deste ano, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mesmo nesse cenário adverso, em que empresas suspenderam ou congelaram processos seletivos, especialistas dizem que é possível conseguir um emprego. Para ter sucesso na busca, porém, é preciso considerar novas exigências e procurar no lugar certo.

A administradora Izabel Cristina Goulart Pimentel, 43, em sua casa, em Santo André 
A administradora Izabel Cristina Goulart Pimentel, 43, em sua casa, em Santo André  - Adriano Vizoni/Folhapress

“As áreas em que há vagas são as relacionadas com o que o consumidor está usando mais agora, como compras pela internet”, diz Milton Beck, diretor-geral do Linkedin.

“Há oportunidades na pandemia. A economia está girando melhor em alguns setores. Fiquei até surpresa ao procurar emprego”, diz Izabel Cristina Goulart Pimentel, 43, administradora especializada em comércio exterior que procura recolocação. Ela fez quatro entrevistas de emprego em três semanas.

Quem buscar trabalho agora verá que o processo de seleção mudou —e, para muitas empresas, a transformação pode permanecer mesmo depois da quarentena.

“Tudo se tornou virtual. Entrevista, exame admissional com telemedicina e até ambientação do novo profissional à cultura da empresa”, diz Luciana Lima, professora de estratégia de pessoas do Insper.

Durante uma videochamada, entrevistadores vão avaliar não apenas o repertório do candidato mas também prestar atenção se a conexão tem qualidade, a câmera está limpa, e o microfone, funcionando.

“Se isso não estiver bem ajustado, o candidato pode não se sair bem porque acaba ficando preocupado”, diz Camila Marion, sócia da Exec, consultoria especializada em seleção.

Veja outras dicas para buscar oportunidades em tempos de pandemia.

Crie uma rotina
A pandemia trouxe imprevisibilidade ao mercado, o que pode causar mais ansiedade, diz Luciana Lima, do Insper. “Como eu lido com a crise? Eu crio uma rotina que me mantenha saudável e produtiva. O que mata quem está desempregado é a sensação de falta de produtividade”, diz. A atividade pode ser, por exemplo, escrever um texto para o Linkedin. “Neurologicamente, você produz uma sensação semelhante àquela de quando estava no trabalho”, diz.

Faça cursos online
Além de enviar currículos e procurar vagas, também é recomendável reservar um tempo para se reciclar, adquirir novas habilidades ou se aprofundar em um assunto. “Aproveitei e fiz cursos que eu já tinha interesse e que agora estão com desconto ou até gratuitos.

Também há muitos eventos online na minha área, de tecnologia”, diz Flávio Antônio Severino, 38, que é analista de sistema e encontrou um emprego nesta semana depois de três meses de procura. ​Fazer cursos e participar de webinars também é uma forma de trocar experiências e conseguir ampliar a rede de contatos, que é primordial para quem procura empregos, diz Marion.

Não atire para todos os lados
O candidato deve fazer uma busca ativa de vagas nos segmentos que têm mais chances, diz Milton Beck.
“Não saia atirando para todos os lados, concentre-se onde você tem mais interesse e é melhor. Muitas vezes as pessoas se comportam como se estivessem jogando sementes no campo para ver se pegam, mas normalmente não pegam”, afirma Beck.

Ative sua rede de contatos
Muitas vezes as pessoas se esquecem da rede de contato que têm”, diz Marion, da Exec. Use-a para se conectar com pessoas que conhecem seu trabalho e, se possível, tente marcar conversas. “Estou falando com muita gente e faço networking. Como sou da área de compras, tenho muitos contatos que podem me ajudar com indicações”, diz a administradora Izabel Pimentel.

Outra forma de usar essa rede é descobrir se você conhece alguém dentro de uma empresa em que tem interesse. É possível acionar esse contato, mas com cuidados: envie uma mensagem objetiva, apresentando sua expertise e indicando quais pontos em comum você tem com a companhia. “Por isso, é importante entender, durante a procura de vagas, se a empresa tem propósitos parecidos com o seu”, afirma Marion.

O analista de sistemas Flávio Antônio Severino, 38, em sua casa, na Vila Prudente, zona leste de São Paulo
O analista de sistemas Flávio Antônio Severino, 38, em sua casa, na Vila Prudente, zona leste de São Paulo - Adriano Vizoni/Folhapress


Esteja preparado para entrevistas online
Quem é selecionado para uma entrevista e vai fazer o processo pela internet precisa estar atento a elementos como a qualidade da conexão, a iluminação do ambiente e a limpeza da câmera —problemas técnicos que podem ser considerados falta de preparo. Caso possa existir um imprevisto, como o filho aparecer durante a conversa, é melhor que o entrevistado comunique antes, diz Marion.

“Não é uma gafe. As pessoas estão mais empáticas e isso pode deixar o candidato relaxado”, afirma.
Entrevistas online permitem um guarda-roupa menos formal. “Você deve estar confortável, mas vestido como se fosse trabalhar em um dia mais casual”, completa.

Luciana Lima, do Insper, sugere gravar vídeos de si mesmo e, depois, assisti-los.
“Assim você consegue ver seus vícios de linguagem e garantir que está passando uma boa imagem”, diz.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.