Compacto Hyundai HB20 muda de cara e fica mais luxuoso

Nova versão do modelo tem mais itens de segurança, mas ainda perde para seu principal concorrente

Eduardo Sodré
Comandatuba (BA)

A Hyundai foi supersticiosa ao lançar o novo HB20. Os carros foram levados para a ilha de Comandatuba, no sul da Bahia, mesmo lugar em que a primeira geração foi apresentada, há sete anos. Desde então, 1,1 milhão de unidades foram vendidas.

O local mudou pouco: continua bonito, mas com asfalto ruim. A condição das ruas foi útil para ver que o compacto da marca sul-coreana já não sofre tanto com buracos.

O carro testado tinha carroceria sedã, que adiciona um “S” à sigla. O nome completo da versão não cabe em uma só linha: Hyundai HB20S 1.0 TGDI Flex Diamond Plus. É a opção mais completa, com preço sugerido de R$ 81.290. Tem motor 1.0 turbo (120 cv), câmbio automático de seis marchas, sensores que leem as faixas no asfalto, sistema de frenagem automática e airbags laterais.

A partida é feita por meio de um botão, e os bancos são cobertos com forração clara que imita couro. No centro do painel está a tela colorida da central multimídia. O ar-condicionado tem visor digital, mas não há ajuste automático de temperatura. É apenas mais um detalhe visual entre tantos outros presentes no HB20 2020.

​Simon Loasby, vice-presidente de design da Hyundai, gastou uma hora e meia para explicar o porquê do novo desenho, com grade frontal gigantesca e faróis triangulares. Se o objetivo era causar impacto e dividir opiniões, foi plenamente atingido.

Antes de encarar a buraqueira nas ruas, a Hyundai montou uma pista para mostrar as aptidões do carro. O modelo se destacou pela facilidade em contornar cones em zigue-zague, prova de que a estabilidade é um ponto forte.

Contudo, os controles eletrônicos que ajudam a manter o Hyundai na linha em situações de risco só estão disponíveis nas versões que custam a partir de R$ 53.790 —o HB20 mais em conta é vendido por R$ 46.490. Para ter os airbags laterais, é preciso pagar, no mínimo, R$ 73.590. Todas as versões são equipadas com ar-condicionado e direção com assistência elétrica. 

Com todos os itens, o HB20S mostrou ser um carro pequeno que se parece com um veículo de luxo. Os bancos apoiam bem pernas e costas, há silêncio ao rodar e direção leve. O volante tem ajustes de altura e de profundidade, que ajudam a encontrar uma boa posição. Quem viaja no banco de trás tem mais espaço, o que resolve o maior problema da primeira geração.

Quando foi lançado, no fim de 2012, o HB20 dividiu as atenções com o Chevrolet Onix, que também era novidade na época. Em pouco tempo, se tornaram os automóveis mais vendidos do Brasil. A coincidência volta a ocorrer, com a nova versão do Onix, lançada neste mês. Agora, Hyundai terá mais trabalho para convencer o público das qualidades de seu compacto.

O Onix traz seis airbags em todas as versões, além de controles de tração e de estabilidade. É o melhor pacote de segurança entre os populares.

No HB20, o diferencial está nos sensores que detectam carros e pedestres e acionam os freios em caso de colisão iminente. O problema é que esse item só está disponível na versão Diamond Plus.

A vantagem do Hyundai aparece no acabamento mais luxuoso, que se aproxima do encontrado nos carros mais caros da marca. O Chevrolet tem cabine menos requintada, mas é superior em espaço.

O jornalista viajou a convite da Hyundai

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.