Conheça cinco teleféricos para explorar as alturas

Há atrações com bondinhos abertos, que giram 360º ou passam sobre montanhas

Pessoas em deque aberto de teleférico, com vista para lago
Turistas no teleférico CabriO Stanserhorn, na Suíça, que tem deque aberto - Christian Hartmann/Reuters
São Paulo

Seja como meio de transporte ou apenas atração turística, teleféricos são uma forma divertida de se locomover em um destino, com o bônus de poder apreciar a vista —basta não ter medo de altura.

O Brasil tem boas opções de teleféricos para os turistas, como o bondinho do Pão de Açúçar e o teleférico do Parque Unipraias, em Balneário Camboriú (SC). Veja abaixo outros cinco teleféricos para visitar pelo mundo. 

Teleférico Santiago
(Santiago, Chile)
Localizado no parque Metropolitano, o teleférico vai até o topo do Cerro San Cristóbal e percorre quatro quilômetros, entre ida e volta. Há três estações onde o turista pode descer e passear pelo local. A atração, que estava fechada desde 2009, foi reaberta em 2016.

Mi Teleferico
(La Paz, Bolívia)
La Paz conta com uma rede de dez linhas de bondinhos, que são parte do transporte público da cidade desde 2014. As linhas ligam El Alto, onde está o aeroporto mais próximo de La Paz, com a capital boliviana.

Table Mountain
(Cidade do Cabo, África do Sul)
A cabine suspensa que leva até a montanha gira 360º, garantindo boa visão aos viajantes. O trajeto de 700 metros é percorrido em aproximadamente cinco minutos. No topo, há lanchonetes e lojas de lembrancinhas.

Cabrio Stanserhorn
(Stans, Suíça)
É um teleférico conversível, com um deque para 30 pessoas que garante vista panorâmica e ao ar livre. O bondinho sobe cerca de 1.100 metros desde sua base até o topo do monte Stanserhorn. A viagem dura seis minutos.

Tianmen Mountain
(Zhangjiajie, China)
A atração no Parque Nacional Tianmen Mountain percorre 7,4 quilômetros de extensão em 30 minutos. No passeio, que chega a 1.279 metros de altura e tem inclinação de até 37º, é possível enxergar as montanhas do parque em meio a costumeira neblina.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.