Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu MST

Tarcísio entrega títulos rurais em reduto do MST na semana de aniversário do movimento

Governador participará de evento no Pontal do Paranapanema nesta quarta-feira (24)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) entregará mais de mil títulos de regularização fundiária nesta quarta-feira (24) em Euclides da Cunha Paulista (702 km da capital), na região conhecida como Pontal do Paranapanema, extremo oeste de São Paulo.

Ele estará acompanhado de Guilherme Piai, secretário de Agricultura do estado, que tem se encarregado da política agrária da gestão estadual, e de Lucas Bressanin, diretor-executivo da Fundação Itesp.

Segundo a pasta, trata-se da maior entrega de títulos já realizada pelo governo paulista.

Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) durante evento de posse no cargo de governador de São Paulo
Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) durante evento de posse no cargo de governador de São Paulo - Zanone Fraissat-1º.jan.2023/Folhapress

O Pontal reúne 32 municípios e foi o epicentro do conflito agrário do país na década de 1990 devido a mais de 1 milhão de hectares de terras devolutas que ali se concentram —áreas públicas ocupadas irregularmente que nunca tiveram destinação definida pelo poder público e em nenhum momento tiveram dono particular.

A área é um reduto de movimentos de reforma agrária, especialmente do MST, que nesta semana tem realizado eventos em comemoração dos seus 40 anos de existência. Sua fundação ocorreu em encontro nacional realizado de 21 a 24 de janeiro de 1984 em Cascavel (PR).

A entrega de títulos de propriedade para os assentados é inspirada em política implementada para o campo no governo de Jair Bolsonaro (PL).

O modelo enfrenta oposição de movimentos sem-terra e partidos de esquerda, que veem esvaziamento do processo de reforma agrária.

Já os defensores da prática argumentam que ela retira os assentados da órbita do MST e movimentos similares, dando liberdade para que produzam de acordo com regras de mercado.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.