Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu São Paulo

Base de Tarcísio se divide sobre liberação de reeleição de presidente da Alesp

Parlamentares do Republicanos e outras siglas veem excesso de concentração de poder no PL

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A proposta para liberar a reeleição do atual presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, André do Prado (PL), tem gerado ainda mais fissuras na base de Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP).

Atualmente, a reeleição só é permitida em legislaturas diferentes, ou seja, emendando o último biênio de um governo e o primeiro do seguinte.

Para que a alteração seja possível e Prado possa ficar por mais dois anos no cargo quando acabar seu mandato, em março de 2025, ao menos 57 dos 94 deputados precisariam votar favoravelmente a uma emenda à Constituição estadual.

André do Prado (PL), presidente da Alesp, durante entrevista à Folha
André do Prado (PL), presidente da Alesp, durante entrevista à Folha - Zanone Fraissat-15.mar.2023/Folhapress

Parlamentares do Republicanos têm criticado a iniciativa e temem um acúmulo de derrotas durante o ano: a migração de Tarcísio para o PL (que o governador tem negado) e a possibilidade de permanência do partido no comando do Legislativo com Prado.

Os deputados do Republicanos têm dito a colegas que o partido merece ocupar mais espaços de influência por ter o governador em seus quadros e por ser uma das maiores bancadas da Alesp, com oito parlamentares.

A insatisfação com o acúmulo de influência na sigla comandada por Valdemar Costa Neto se soma a reclamações de toda a base a respeito da relação com o governo estadual.

Os deputados falam em falta de pagamento de emendas, contingenciamento de verbas, vetos de projetos, descumprimento de acordos e, especialmente, falta de atenção de secretários.

O governo fracassou em sucessivas tentativas de votar um projeto para estender o prazo para a entrega terras com desconto a fazendeiros. A base boicotou o governo e não deu quórum para que o projeto fosse votado.

A aprovação aconteceu somente na quarta-feira (24), após reiteradas reclamações públicas dos deputados.

O deputado Gil Diniz (PL), por exemplo, disse que ele e outros bolsonaristas "empurraram o caminhão na subida" e ajudaram Tarcísio desde o começo, mas que não consegue entender "secretário desmarcar reunião na véspera com deputado, uma, duas vezes ou mais".

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.