Descrição de chapéu Obituário Vincenzo Ondei (1929 - 2020)

Morre Vincenzo Ondei, pioneiro da grande cozinha francesa no Brasil

Restaurateur do extinto Le Coq Hardy foi responsável pela vinda do chef Érick Jacquin ao país

São Paulo

Até os anos 1970 imperava em São Paulo um modelo de restaurante francês baseado no dos bistrôs parisienses —com destaque para os mais antigos, como Freddy, La Casserole e Marcel. Até que nasceu, em 1977, o Le Coq Hardy.

Apesar de servir cozinha francesa, ele foi criado por um italiano da Brescia: Vincenzo Ondei, que viveu dez anos na França e no Brasil por seis décadas, até dia 15 passado, quando morreu do coração aos 91 anos, em casa, nos braços da mulher, Margarida.

Seu restaurante já não existia mais —fechara as portas em 2009. Mas marcara época no país. Diferente dos predecessores na cidade, o Le Coq Hardy mirava mais na imagem de grande restaurante gastronômico, elegante e formal, e com uma cozinha abastecida por ingredientes então difíceis de encontrar —como os graúdos escargots importados, e servidos à la bourguignonne.

O que ele tinha em comum com os bistrôs paulistanos era que ali brilhava a figura do restaurateur —o proprietário, a alma da empresa— mais do que a do chef. Era ele que escolhia quem chefiaria tanto salão quanto a cozinha —e como na maioria dos demais, os chefs eram brasileiros, como os cearenses José Pereira de Souza, nos primórdios da casa, e numa fase posterior, em 2003, seu irmão Elizeu Pereira.

Anteriormente sócio do paulistano La Maison Basque, Ondei instalou o Le Coq Hardy em uma grande residência adaptada em Santo Amaro, perto da estátua de Borba Gato. Era um programa pitoresco deslocar-se até lá, quando a maioria dos outros franceses ficava no centro.

Mas pelo final dos anos 1980 o cenário da gastronomia em São Paulo começava a mudar. Chefs de cozinha ganhavam destaque, e no caso dos franceses, foi um marco a abertura do Roanne em 1986, fundado pelo chef Claude Troisgros (que fazia sucesso no Rio) e que logo depois passou para outro chef, Emmanuel Bassoleil. Além disso, o centro da gastronomia da cidade deslocava-se para o eixo Jardins-Itaim Bibi.

Ondei —que era um empresário do comércio de automóveis, mas um apaixonado pela gastronomia— resolveu atualizar seu restaurante. Em 1994 mudou-o para a rua Jerônimo da Veiga, no Itaim Bibi. E resolveu descobrir em Paris um chef para reforçar o rosto francês da casa. Foi quando trouxe Érick Jacquin para o Brasil (ele chefiou a casa entre 1995 e 1999).

Érick Jacquin e Vincenzo Ondei, para quem o chef trabalhou no Le Coq Hardy, quando chegou ao país, durante o programa Masterchef Brasil
Érick Jacquin e Vincenzo Ondei, para quem o chef trabalhou no Le Coq Hardy, quando chegou ao país, durante o programa Masterchef Brasil - Reprodução

Mais tarde, em 2007, Ondei procurou novamente renovar o Le Coq Hardy. Fez uma reforma radical, modernizando o visual clássico do lugar, e chamou outro chef francês, Pascal Valéro, que à época trabalhava no Grand Hyatt.

Mas o custo da operação era alto, e o movimento não acompanhava. Em 2009 fechou o restaurante, estimando que era grande demais para a gastronomia refinada e serviço impecável que pretendia oferecer. Aproveitou uma oferta para vender o ponto, e passou a pensar em, no futuro, abrir algo menor, com no máximo 40 lugares (menos da metade do que tinha o Le Coq Hardy).

Não chegou a realizar este sonho. Mas este italiano que, segundo Jacquin, era mais francês que qualquer um (ou, segundo Bassoleil, mais francês do que ele e Jacquin juntos), deixou uma marca inesquecível.

Em seu perfil no Instagram, Jacquin deixou uma mensagem curta, mas que mostrava o carinho e o respeito que nutria por Ondei. "Até logo meu grande amigo, meu segundo pai. Muita saudade de você. Família, contem comigo. Te amo, sr. Ondei."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.