Descrição de chapéu Coronavírus

Cidades do interior e litoral de SP pretendem testar em massa para liberar a população

Municípios buscam saber porcentagem de cidadãos que já contraíram o vírus; eficácia de testes não é 100%

São Paulo

O uso da testagem em massa para saber qual a porcentagem da população que já teve contato com o novo coronavírus –e, possivelmente, se imunizou– vem sendo considerado por prefeitos de municípios do estado de São Paulo na última semana.

Argumentando que a espera para liberação de exames pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL) é muito longa, municípios de médio e pequeno porte do interior e litoral fizeram encomendas de testes por conta própria.

A ideia é monitorar os casos de coronavírus na população de maneira independente, sem passar pela coordenação da Secretaria Estadual de Saúde.

Até a semana passada, a orientação do Ministério da Saúde era de que os testes para coronavírus fossem feitos apenas em casos graves e em profissionais de saúde.

No último domingo (19), o novo ministro da Saúde Nelson Teich defendeu a utilização de testes em massa na população. No mesmo dia, o Ministério da Saúde divulgou a orientação em boletim epidemiológico, afirmando que irá “permitir a identificação dos casos confirmados de Covid-19 com aquisição de imunidade”.

Comércio fechado em Marília (SP), uma das cidades que quer fazer testes para acelerar reabertura
Comércio fechado em Marília (SP), uma das cidades que quer fazer testes para acelerar reabertura - Jornal Regional da Manhã

As decisões das secretarias municipais de saúde, no entanto, precederam a norma da pasta.

A cidade de São José do Rio Preto, a 442 km de São Paulo, comprou kits para testes e passou a testar nesta segunda-feira (20) parcela da população que tiver sintomas de síndrome gripal.

O secretário de saúde Aldenis Borim afirma que com a testagem de até 25% da população será possível saber quantas pessoas podem precisar de leitos de enfermaria e UTI. Borim informa ainda que o município tem conseguido manter a ocupação dos hospitais em um nível controlável. A iniciativa visa ainda dar embasamento às medidas de flexibilização anunciadas pelo prefeito de São José do Rio Preto, Edinho Araújo (PSDB), na última quarta-feira (15)

Em um segundo momento, a prefeitura pretende usar testes sorológicos, também chamados de rápidos, para ter um panorama da imunização na cidade e, assim, poder retomar as atividades gradualmente.

Os testes rápidos buscam identificar anticorpos no corpo humano específicos para o vírus.

No entanto, especialistas afirmam que a imunização para o novo coronavírus ainda não é certa.

Em São José dos Campos, a prefeitura iniciou testagem de pelo menos 600 pessoas aleatoriamente na cidade na última semana, que deve reabrir o comércio a partir do dia 27. Segundo Danilo Stanzani, secretário municipal de saúde, o desenho amostral da testagem foi feito junto com a empresa de pesquisa Indsat.

Os munícipes seriam escolhidos aleatoriamente de em cada uma das regiões da cidade, e apenas um morador por residência seria testado com o teste sorológico. Alguns parâmetros, como gênero e idade, eram escolhidos previamente para o perfil do selecionado.

Segundo Stanzani, se o resultado da pesquisa for que grande parte da população teve teste positivo para os anticorpos IgG, isso significaria que a maior parte do município já teve contato com o vírus, o que permitirá flexibilizar a quarentena.

No entanto, não detalham como avaliar os dados em razão da baixa acurácia que os testes apresentam –90% para positivo e de apenas 75% para resultado negativo.

Segundo o médico do Hospital das Clínicas de Botucatu e integrante do centro de contigência do coronavírus de São Paulo Carlos Fortaleza, o uso dos testes rápidos não é indicado nem por motivos clínicos nem epidemiológicos. “Falando em um português claro, eles erram muito. Tem muito falso positivo e muito falso negativo. Não é essencial fazer testes sorológicos agora.”

O epidemiologista diz que em sua cidade, a 235 km da capital, a prefeitura e o Hemocentro do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) firmaram parceria para realizar testes RT-PCR. Com investimento de R$ 530 mil, foram comprados 20 mil kits para testes.

Como parte da parceria, pesquisadores da universidade estadual padronizaram o protocolo para realização dos testes no Hospital das Clínicas, evitando assim a necessidade de enviar as amostras, que são coletadas de todos os pacientes que procurarem o atendimento médico no hospital, para o IAL da capital.

O hospital público atende todo o pólo Cuesta e região de Avaré –cerca de 30 municípios.

Com isso, os pacientes com síndrome gripal terão amostras de swab coletadas e enviadas para análise, com laudo liberado em até 24 horas. A demora pela liberação dos resultados pelo IAL pode chegar a até 20 dias, devido à alta demanda.

Segundo o secretário de saúde de Botucatu André Gasparini Spadaro, a prefeitura comprou 15 mil kits adicionais para começar, a partir de sábado (18), a testagem em massa da população residente do município. O intuito, disse, não é a flexibilização de medidas de isolamento, mas sim “poder avaliar como está a curva de evolução da Covid-19 na cidade”.

"O teste rápido, além de ter baixa disponibilidade no mercado, só pode ser usado após o oitavo dia de contágio, o que dificultaria a decisão de isolamento do paciente e monitoramento dos casos", diz.

Fortaleza disse que o objetivo não deve ser difícil de ser alcançado, pois a cidade já realizava testes do tipo RT-PCR. "Estamos hoje com a fila zerada. Toda amostra que recebemos, conseguimos tratar no mesmo dia. Queremos fazer de Botucatu uma pequena Coreia do Sul", afirma.

André Spadaro completa ainda que além dos problemas relacionados à alta taxa de falsos negativos, diversos países que compraram kits de testes rápidos da China tiveram que devolver, como foi o caso da Espanha.

Outros municípios, entretanto, também apostam nos testes rápidos para guiar medidas de reabertura parcial e afrouxar a quarentena.

São alguns exemplos a cidade de Paulínia, a 119 km de São Paulo, que adquiriu 20 mil testes rápidos, e Jundiaí, que adquiriu 10 mil testes rápidos. Nesta última, decreto publicado na última sexta-feira (17) determina a flexibilização da quarentena, com o uso de “distanciamento social controlado”.

Franca (396 km da capital) fez a compra de 5.000 testes rápidos, que devem ser entregues até o final de abril, e estarão disponíveis na Unidade de Pronto-Socorro Álvaro Azzuz.

Marília, a 434 km de São Paulo, fez uma compra em massa de 14.500 testes através de laboratório particular, sendo 6.000 testes rápidos para Covid-19, 4.500 testes RT-PCR e outros 4.000 testes rápidos para H1N1.

Em reunião na última sexta-feira (17), a Associação Comercial e Industrial de Marília e os Profissionais da Beleza de Marília solicitaram a flexibilização do decreto estadual para reabertura parcial do comércio.

O Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb), que engloba os municípios de Santos, Cubatão, Guarujá, Bertioga, São Vicente, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe definiu no último sábado (18) que irá testar em massa 10 mil munícipes para a Covid-19.

Segundo nota divulgada pelo órgão, “o objetivo é rastrear o vírus e avaliar sua circulação na Baixada Santista para saber o nível de contaminação e aqueles que já tiveram e estão imunes”. A nota afirma ainda que usará os resultados da testagem para “nortear e direcionar as próximas decisões”.

Por outro lado, ganha força a busca de prefeituras de cidades do interior paulista em realizar testes do tipo RT-PCR para testar sua população em parceria com universidades estaduais e hospitais universitários.

Além do exemplo de Botucatu, em Bauru, a 328 km de São Paulo, a parceria com a Faculdade de Odontologia de Bauru da Unesp permitirá a realização de pelo menos 800 testes moleculares.

Os municípios de Presidente Prudente (556 km da capital) e Taubaté também buscam o credenciamento das unidades regionais do IAL para realização dos testes nos municípios.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.