Descrição de chapéu Coronavírus

Didático, documentário sobre coronavírus da Netflix mostra Brasil como mau exemplo

Obra usa ciência e história para desmontar discurso de líderes que minimizaram a pandemia

São Paulo

Bastam 45 segundos para o Brasil aparecer no documentário "Explicando... o coronavírus", feito pela Netflix em parceria com a Vox Media e que estreou no domingo (26). Ao lado de presidentes que minimizaram a pandemia, como o americano Donald Trump e o iraniano Hassan Rohani, além do premiê britânico Boris Johnson (antes de ele próprio ficar doente), Jair Bolsonaro diz que o novo coronavírus é uma fantasia.

O país volta a figurar em uma cena de manifestação a favor de Bolsonaro em 15 de março, quando manifestantes de camisas verde e amarelo ignoraram o cancelamento oficial dos atos por causa da pandemia, que já tinha dado as caras aqui e castigava fortemente outros países.

É para grupos como esses, que questionam o isolamento social, que a série parece querer pregar. Passo a passo o episódio vai desconstruindo o discurso dos líderes negacionistas com ciência, história e cenas chocantes em UTIs da Itália até chegar aos bons exemplos: Canadá, Coreia do Sul, Nova Zelândia.

Para quem acompanha de perto o noticiário e a divulgação científica acerca do tema, porém, boa parte do episódio tem cara de déjà vu.

A voz poderosa do ator J. K. Simmons explica, didaticamente e com ajuda de bons infográficos, que o novo vírus pertence à família dos coronavírus, foi batizado de Sars-CoV-2, causa uma doença chamada Covid-19, teria saltado de bichos para humanos em um mercado de animais vivos na China e é menos letal que o ebola e menos infeccioso que o sarampo.

O filme também bate em teclas já repetidas à exaustão, mas importantes: quais são os sintomas mais comuns da infecção e quem tem maior risco de ter complicações (homens, idosos, doentes crônicos). Fala ainda da já consagrada expressão "achatar a curva", sobre a necessidade de espalhar os casos ao longo do tempo para evitar picos de doentes e sobrecarregar os hospitais.

Contra a expectativa de medicamentos milagrosos, o documentário lembra que antivirais são difíceis de serem desenvolvidos e que a melhor forma de derrotar um vírus é tornando-se imune a ele. O problema é que 1) apostar na chamada imunidade de rebanho, como tentou fazer o Reino Unido, pode custar milhões de vidas, 2) uma vacina segura e eficaz pode levar uns anos e 3) os outros coronavírus não dão imunidade vitalícia e é provável que o novo se comporte assim também, como apontaram casos de reinfecção na Ásia --para a tristeza de quem já foi infectado e promove festas apostando numa suposta proteção.

Até a sonhada vacina chegar, será preciso se defender com a arma "old school" da quarentena, que surgiu na época da Peste Negra medieval e foi usada com sucesso por algumas cidades americanas durante a gripe espanhola, em 1918.

Acertadamente, o documentário se vangloria de trechos de entrevistas premonitórias com Bill Gates de "Explicando... A próxima pandemia", também da Netflix e lançado em 2019, e critica a China pela demora em agir e por ter tentado esconder a gravidade do surto.

Também lembra que a própria OMS (Organização Mundial da Saúde) disse, em setembro do ano passado, que o mundo não estava preparado para uma pandemia e afirma que ela não surgiu do nada: ações humanas como desmatamento, convívio com animais isolados e o confinamento de bichos prepararam o solo para o que vivemos e podem causar novos pesadelos.

Mas, para tentar terminar num tom otimista, lembra que até agora nenhum vírus nos derrotou —o que é óbvio, já que estamos aqui para contar esta história. Para vencer essa batalha, porém, será preciso apostar mais em ciência do que em achismos, remédios sem eficácia comprovada e desinfetante.

Explicando... o Coronavírus
Estados Unidos, 2020, 26 min. Disponível na Netflix

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.