Descrição de chapéu Seleção Brasileira

Após descanso e taça, Brasil volta a lidar com Neymar em amistoso

Camisa 10 retorna ao time do Brasil em amistoso contra a Colômbia

Marcos Guedes
São Paulo

Foi sem o talento de Neymar e os problemas que o acompanham que a seleção brasileira conquistou a Copa América, há quase dois meses. O título e as novas questões em que se envolveu o jogador não tiraram seu prestígio na equipe nacional, que volta a contar com ele em amistoso marcado para as 21h30 (de Brasília) desta sexta-feira (6).

O próximo passo da equipe nacional após o triunfo continental será em Miami, nos Estados Unidos, contra a Colômbia, na primeira partida de Neymar desde o dia 5 de junho. Há três meses, o atacante lesionou o tornozelo direito no amistoso do Brasil com o Qatar, em Brasília, na preparação para a disputa sul-americana.

Naquele momento, embora ninguém da comissão técnica admita publicamente, o jogador havia se tornado um peso. Uma acusação contra ele de estupro fez a Polícia Civil ir à concentração do time duas vezes. A CBF teve que deixar um advogado de plantão no local.

Neymar durante treino da seleção brasileira no Hard Rock Stadium, nos Estados Unidos, antes do amistoso contra a Colômbia
Neymar durante treino da seleção brasileira no Hard Rock Stadium, nos Estados Unidos, antes do amistoso contra a Colômbia - Lucas Figueiredo/CBF

Com o corte por lesão, Tite e os jogadores puderam finalmente conceder entrevistas em que o assunto era futebol. E, ainda que todos tenham reiterado a falta que fazia à equipe seu maior talento, sua ausência tornou o ambiente mais tranquilo e abriu espaço para Everton fazer um grande torneio.

Agora, Neymar está de volta, com tudo o que o acompanha. O inquérito sobre o suposto estupro foi arquivado, mas o atacante de 27 anos está em litígio com o próprio clube. Ele deixou claro que gostaria de deixar o Paris Saint-Germain, mas não teve o pedido atendido e está sem completar uma partida de 90 minutos desde 27 de abril.

Quando o convocou para os amistosos nos Estados Unidos –o Brasil enfrentará também o Peru, na próxima terça (10), em Los Angeles–, Tite disse que haveria tempo hábil para o camisa 10 resolver seu futuro e voltar a atuar. Não foi o que ocorreu, e o retorno dele aos gramados será mesmo com a camisa da seleção.

Diante da Colômbia, o paulista ocupará novamente o posto tão bem preenchido por Everton, fora da convocação porque estava envolvido com o Grêmio nas semifinais da Copa do Brasil. Do time-base campeão da Copa América, também não estão à disposição o goleiro Alisson, machucado, e o atacante Gabriel Jesus, suspenso.

Ederson e Richarlison herdaram as vagas na equipe, que inicia nova etapa no ciclo rumo à Copa do Mundo de 2022, no Qatar. Nesta fase, foram incluídos na seleção atletas que não fizeram parte dela na conquista sul-americana, casos dos goleiros Ivan e Weverton, do zagueiro Samir, do lateral esquerdo Jorge, do volante Fabinho e dos atacantes Bruno Henrique e Vinicius Júnior.

“O momento é de oportunidade para novos jogadores, pois são amistosos. Precisamos dar rodagem para atletas que estão na seleção há pouco tempo. Dou o exemplo do Juninho [Paulista, coordenador da seleção]. Quando jogou a Copa de 2002, ele já tinha 48 jogos pela seleção. Precisamos dar rodagem no time ao pessoal que ainda tem poucos jogos”, afirmou Tite.

A expectativa, portanto, é que vários dos novatos sejam observados com a camisa amarela. Alguns dos testes ficarão para o amistoso com o Peru, na terça, mas é certo que haverá chances para jogadores que buscarão seu espaço no Mundial de 2022. O primeiro passo é se firmar no time e chegar à próxima Copa América, marcada para 2020.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.