Descrição de chapéu The New York Times Velocidade

Lewis Hamilton corre melhor após adotar dieta à base de vegetais

Piloto afirma que mudança alimentar é o grande motivo de sua evolução nas pistas

Luke Smith
Nova York | The New York Times

As estatísticas demonstram que Lewis Hamilton, da equipe Mercedes, está pilotando melhor que nunca.
Ele está a ponto de conquistar seu sexto título entre os pilotos de F-1, depois do melhor começo de temporada em sua carreira, vencendo 8 dos 12 primeiros grandes prêmios e chegando duas vezes em segundo lugar.

Hamilton é um grande piloto, é claro, e conta com o apoio de uma equipe formidável, mas foi sua adoção de uma dieta à base de vegetais, em 2018, que ele definiu como o grande motivo de seu avanço.

"Não gosto de falar muito disso, porque não quero revelar muita coisa", disse Hamilton sobre sua dieta. "Mas envolve mudar sua mente. Somos ensinados muitas coisas desde pequenos sobre o que se deve e o que não se deve comer."

"Acho que o importante é se educar e ser aberto ao novo. Era algo que eu realmente queria fazer. Com certeza não foi fácil tentar coisas novas, métodos novos, mas estou me sentindo muito bem há um ano e meio. Foi uma decisão excelente."

Lewis Hamilton em Singapura para o GP de F-1
Lewis Hamilton em Singapura para o GP de F-1 - Thomas Peter /Reuters

É uma dieta de frutas, verduras, legumes e grãos, que envolve minimizar o consumo de produtos animais e comida industrializada. A tendência vem crescendo entre os atletas de elite, entre os quais os astros do tênis Novak Djokovic, Venus e Serena Williams, e Kyrie Irving, da NBA.

Desde que mudou de dieta, Hamilton venceu 19 corridas e na temporada passada se tornou o terceiro piloto na história da Fórmula 1 a conquistar cinco títulos mundiais. Ele está a 10 vitórias de igualar o recorde de 91 vitórias detido por Michael Schumacher.

Hamilton trabalha sob estreita orientação de sua treinadora de desempenho Angela Cullen, e a transição em sua dieta mudou a maneira pela qual ele compreende a comida e a nutrição.

"Estou vendo minha comida como combustível para o atleta, agora, em lugar de simplesmente comer porque estou com fome", ele disse. "Trabalho constantemente com Angela, que está comigo o tempo todo. Estudamos os ingredientes das diversas coisas que como".

"Às vezes, peço comida no hotel e não sei o que comer, e assim preciso consultar alguém ou pesquisar online. Talvez haja um restaurante delivery por perto, ou eu talvez consiga convencer o chefe de cozinha a preparar algo diferente do que eles costumam fazer", disse Hamilton.

O desafio de cuidar da nutrição de um piloto no final de semana de uma corrida tipicamente cabe aos seus preparadores físicos. Rupert Manwaring, treinador de desempenho, cumpre esse papel para o piloto Carlos Sainz, da McLaren.

"Você precisa garantir que eles recebam o combustível correto, com a quantidade certa de energia nas horas necessárias", disse Manwaring. "Não é só o elemento da energia, mas também os micronutrientes, e vitaminas que ajudem seu sistema imunológico."

"Eles sofrem muito estresse, não só físico, mas também por conta das viagens constantes. Tentamos garantir que recebam todos os nutrientes bons e necessários para um bom desempenho e para manter a saúde."

Manwaring disse que trabalhar com um atleta vegano requereria mais planejamento para evitar deficiências em macronutrientes. Gorduras e carboidratos são importantes para a produção de energia pelo atleta, e a proteína ajuda a criar a massa muscular necessária a dirigir carros e a enfrentar as pesadas forças gravitacionais causadas pela alta velocidade.

"Eles precisam se cuidar um pouco mais e de um pouco mais de planejamento do que costumam seguir", disse Manwaring. "Pode-se usar suplementos de proteína, mas também uma combinação de grãos, cereais e diferentes legumes, que contêm proteínas e diversos aminoácidos".

"Seria preciso combinar um ao outro para garantir que o atleta tenha o conjunto completo de nutrientes, que são importantes para o que um atleta precisa em base diária", ele disse.

Uma dieta de base vegetal também traz outras vantagens nutritivas para os atletas.

"É provável que isso ofereça mais fibras", ele disse. "É provável que a carne seja substituída por frutas e legumes, o que significará mais vitamina C e vitamina E", o que ajuda a manter a saúde".

Romain Grosjean, da equipe Haas de F-1, conhecido por seu amor à comida e autor de um livro de receitas publicado no ano passado, é cético quanto a uma dieta de base vegetal.

Lewis Hamilton e Romain Grosjean durante entrevista em Singapura
Lewis Hamilton e Romain Grosjean durante entrevista em Singapura - Then Chih Wey/Xinhua

"Se você é atleta, acho que ser vegano pode ser negativo", disse o francês Grosjean. "Pelo que sei, alguns atletas de provas de longa duração que se tornaram veganos tiveram de abandonar a dieta vegana porque não obtinham nutrição suficiente para exercícios de alta demanda."

"Não é segredo que eu amo o triatlo. Amo ciclismo e sessões longas. Preciso comer o máximo que puder, e uma boa variedade de comida. Respeito o veganismo e alguns de seus aspectos, mas não é algo que eu pretenda fazer", ele disse.

Manwaring discorda, afirmando que uma dieta vegana não seria um problema desde que os nutrientes requeridos sejam obtidos em cada área.

"O consenso é de que isso funciona", disse Manwaring. "Um atleta não se verá comprometido se adotar uma dieta de base vegetal ou vegana. Isso só significa que precisará tomar um pouco mais de cuidado".

"No momento, não existe uma resposta curta, completa e definitiva para o que seria a dieta perfeita. A solução correta pode ser encontrada de diversas maneiras, e atletas que seguem dietas veganas vêm conseguindo competir em nível muito alto", ele afirmou.

Segundo Manwaring, a melhor dieta pode depender das preferências do atleta, que deve determinar a maneira pela qual sua nutrição é administrada.

"É importante que o atleta tenha liberdade de escolha", ele disse. "Creio que um atleta possa ganhar um pouco de confiança ao escolher uma direção. A digestão também está estreitamente ligada ao estado de espírito."

"Se o atleta encontrar algo que funciona e o faça se sentir bem, em um situação competitiva, isso é que realmente importa", acrescentou.

O interesse de Hamilton por sua nova dieta o levou a se tornar sócio de um restaurante de comida vegetal em Londres, o Neat Burger, neste mês.

"Estou morrendo de vontade de ir lá", ele disse. "Lembro de ir a uma sessão de prova. Sou bem exigente com a comida, e o sabor era ótimo."

Hamilton disse que sua dieta estava funcionando nas pistas e fora delas.

"Vou continuar a melhorar, à medida que meu corpo se acostumar a esse regime, e que eu compreender a dieta melhor", ele disse.

"Posso melhorar a quantidade do que como, e o horário de comer. Planejo continuar nesse caminho. E definitivamente acredito que isso tenha um impacto bom e positivo em minha vida cotidiana, em termos da energia disponível e do que sinto quanto estou trabalhando. Raramente me sinto cansado", disse Hamilton. "Minha vida mudou."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.