Descrição de chapéu Velocidade

Perto do sexto título, Hamilton segue os passos de Schumacher

Inglês tem chance de confirmar conquista do hexa no GP do México, neste domingo

São Paulo

Quando a Mercedes escolheu Lewis Hamilton para substituir Michael Schumacher, em 2012, ano em que o alemão se aposentou definitivamente da F-1, o inglês se esquivou de todas as comparações com o heptacampeão mundial. "Ele é uma lenda. Inalcançável", disse à época.

Sete anos mais tarde, o inalcançável parece ter se tornado uma questão de tempo.

Neste domingo (27), no GP do México, às 16h10 (de Brasília), Hamilton tem a chance de alcançar o seu sexto título na principal categoria do automobilismo (precisa fazer 12 pontos a mais do que o companheiro Valtteri Bottas), deixando para trás o argentino Juan Manuel Fangio (1911-1995), com cinco conquistas.

 

O inglês só ficará atrás daquele que considera lenda. Assim como Schumacher , o piloto da Mercedes deverá ser hexacampeão aos 34 anos, idade do alemão em 2003, quando estava na Ferrari.

Superar marcas era uma obsessão do ex-piloto. Além dos sete títulos e do recorde de vitórias (91), ele também tinha o maior número de poles quando se aposentou —largou em primeiro 68 vezes. 

Essa barreira Hamilton já superou há tempos. Foi em 2017, quando fez a volta mais rápida do treino classificatório do GP de Monza, na Itália.

Schumacher não estava lá para presenciar o feito. Desde 2013, ele se recupera de um grave acidente sofrido enquanto esquivava esquivava nos Alpes Franceses. Atualmente com 50 anos, o ex-piloto vive recluso com sua família, que não dá detalhes sobre o estado de saúde dele .

Os familiares, contudo, reverenciaram Hamilton quando o inglês igualou o número de poles do alemão. “É realmente impressionante. Como Michael costumava dizer quando ainda estava guiando: recordes servem para serem quebrados”, afirmaram.

A mensagem foi entregue ao piloto por Ross Brawn, ex-diretor da Benetton e da Ferrari , amigo de Schumacher e atualmente diretor esportivo da F-1. Para Brawn, Hamilton está “reescrevendo a história do esporte de uma maneira totalmente própria”.

Lewis Hamilton no carro da McLaren (à esq.) em disputa com Michael Schumacher, da Mercedes, no GP de Monza de 2011
Lewis Hamilton no carro da McLaren (à esq.) em disputa com Michael Schumacher, da Mercedes, no GP de Monza de 2011 - Giuseppe Cacace/AFP

O inglês também está cada vez mais próximo do que é considerado por muitos o recorde mais expressivo de Schumacher. Até o momento, o inglês venceu 82 provas, nove a menos do que o alemão.

Ele ainda terá outras três corridas nesta temporada depois do GP do México (EUA, Brasil e Abu Dhabi) e mais um ano de contrato com a Mercedes —equipe com a qual já negocia a renovação do vínculo. O calendário da F-1 para 2020 não está fechado, mas são previstas, ao menos, 22 corridas.

“Com o campeonato inchado, o recorde de vitórias deve cair logo. Sobretudo porque o regulamento do ano que vem é o mesmo, e a Mercedes deve lutar por vitórias com frequência. A chance de igualar os títulos de Schumacher aumenta pelo mesmo motivo”, diz o jornalista Flavio Gomes, comentarista da Fox Sports e criador do site Grande Prêmio.

Emerson Fittipaldi, bicampeão mundial de F-1 (1972 e 1974), também aposta que Hamilton vai avançar as marcas do alemão. "Ele tem todas as chances de superar os recordes do Schumacher", diz, à Folha.

O ex-piloto brasileiro, porém, prevê anos mais difíceis para ele. "Em 2021, vamos ter uma mudança no regulamento, os próximos anos não vão ser tão fáceis [para Hamilton], mas isso não tira o talento especial que ele tem. Ele ganhando o sexto título, que ele vai ganhar, a imagem dele vai transcender a F-1."

Desde que chegou à equipe alemã, o inglês acumula 61 vitórias, uma média de oito por temporada. Esse desempenho lhe rendeu 4 de seus 5 títulos na categoria, desempenho quase igual ao do alemão, que venceu por cinco anos seguidos na Ferrari (2000 a 2004).

O primeiro de Hamilton foi com a equipe McLaren, em 2008, seu segundo ano na F-1.

Ele tinha 23 anos e 301 dias quando terminou o GP Brasil em quinto, resultado suficiente para se tornar o campeão mais jovem da história e impedir o brasileiro Felipe Massa de triunfar por uma diferença de apenas um ponto. 

O recorde do inglês poderia ter sido ainda maior. No ano anterior, sua estreia na F-1, ele ficou com o vice-campeonato também por uma diferença de somente um ponto para o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari.

Schumacher também conquistou seu primeiro título depois de uma acirrada —e no caso dele polêmica— disputa. Na última etapa de 1994, ele jogou seu carro contra o do inglês Damon Hill para tirá-lo da prova e impedir que o alcançasse na classificação.

As controvérsias perseguiram Schumacher ao longo de toda a sua carreira. Mesmo quando seus adversários não o ameaçavam diretamente. Em 2002, a temporada do seu quinto título acabaria marcada pelo explícito jogo de equipe praticado pela Ferrari para favorecer o alemão em detrimento do brasileiro Rubens Barrichello.

Hamilton, cuja trajetória na F-1 têm bem menos polêmicas que a do rival, não nega que tenha no seu radar as marcas históricas do alemão. 

“Ainda há um longo caminho a percorrer, mas estou aqui por mais alguns anos, então espero, pelo menos, chegar perto [dos recordes de Schumacher]”, disse após ser pentacampeão, em 2018.

Michael Schumacher (à esq.) conversa com Lewis Hamilton antes do GP de Monaco de 2012
Michael Schumacher (à esq.) conversa com Lewis Hamilton antes do GP de Monaco de 2012 - 28.set.12/Reuters

A matemática para Hamilton conquistar o hexa no México

O inglês, antes de mais nada, precisa terminar a corrida entre os três primeiros colocados e ainda somar, ao menos, 12 pontos a mais do que Valtteri Bottas, seu companheiro de Mercedes. Veja algumas combinações possíveis para que Hamilton fique com o título:

1 - Vencer a prova, fazer a volta mais rápida e Bottas terminar em quarto ou abaixo
2 - Vencer a prova e Bottas terminar em quinto ou abaixo
3 - Ser o segundo colocado e Bottas terminar em oitavo ou abaixo
4 - Ser o terceiro colocado, fazer a volta mais rápida e Bottas terminar em nono ou abaixo
5 - Ser o terceiro colocado e Bottas conquistar apenas um ponto ou não pontuar

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.