Descrição de chapéu Livros

Escritores andam por campo minado ao lidar com seus privilégios na literatura

Debate sobre vantagens de raça e classe da caneta que está escrevendo tem se incorporado aos próprios textos

mulher triste no quarto em frente ao espelho

Fotografia do holandês Erwin Olaf Divulgação

São Paulo

O forte impacto das mobilizações antirracistas e a pressão implacável das redes sociais tornaram mais visível para autores brancos e de classe média alta o fato de que eles ocupam uma posição de privilégio. Ou melhor, tornaram mais difícil se desviar desse assunto.

Essa discussão tem sido incorporada aos poucos pela literatura, que observa com mais atenção as vantagens estruturais de raça e classe da caneta que está escrevendo. Abordar diretamente o assunto, contudo, pode ser como andar por um campo minado.

A professora Lia Vainer Schucman se especializou no estudo da branquitude, uma raça que não costuma se enxergar como raça —seu livro “Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo” acaba de ganhar uma nova edição. E é frequente que ela tenha contato com autores brancos escrevendo, com tintas críticas, sobre ser branco.

É preciso cuidado, diz ela, para que essa “narrativa do privilégio” não caia na armadilha do puro narcisismo, de achar que seu interlocutor sempre ocupa o mesmo lugar social que você. “O que para o branco pode ser uma descoberta pode ser de uma violência atroz para os negros e indígenas. Porque eles já vivem isso desde sempre.”

“Há uma linha tênue entre o reconhecimento do privilégio e recolocar o branco no centro novamente”, afirma.

A escritora Giovana Madalosso acaba de lançar “Suíte Tóquio”, um livro que não quer abordar conflitos raciais, mas de classe.

A obra conta a revolta de Maju, babá responsável pela filha de Fernanda, que mora no bairro de Higienópolis, reduto da elite paulistana. A história alterna o ponto de vista, em primeira pessoa, da patroa e da empregada —que nunca tem a sua cor explicitada.

“Embora o meu ponto de vista muito mais cômodo seja o da Fernanda, porque eu sou uma mãe de classe média”, diz a autora, “eu quis manter a isonomia entre as personagens”.

“A Fernanda foi uma voz que encontrei automaticamente, mas fiquei muito tempo trabalhando a Maju antes de começar a escrever”, conta. “À medida que ela foi se tornando uma pessoa única, não mais uma babá, a linguagem foi se trabalhando de maneira menos lugar-comum e mais pessoal.”

“Não sei se diria que os autores estão problematizando esse tipo de consciência autoral, mas a questão é que o debate está posto hoje”, diz a pesquisadora Fernanda Miranda, doutora em letras pela Universidade de São Paulo. “As pessoas podem até escolher fingir que não estão vendo, mas isso é uma escolha.”

O que há, segundo o escritor Paulo Scott, é a “expansão de um debate público que antes era confortavelmente negligenciado”.

Ficou mais evidente que a eleição de o que ler ou não —por parte de editoras, da imprensa, da academia— sofria de parcialidade. “Isso acaba impactando escritores e escritoras brancos que, na condição de leitores, percebem que não estão atentos a uma pluralidade maior, a realidades que não são imediatas a eles”, afirma o autor de “Marrom e Amarelo”, saudado pela crítica como um dos romances mais sofisticados sobre o racismo brasileiro.

No campo da não ficção, surgiram na esteira do movimento Black Lives Matter livros que buscam ensinar a branquitude a não ser racista.

Publicado há dois anos pela autora branca Robin DiAngelo, que assumiu status de consultora de diversidade racial, “White Fragility” voltou às listas de livros mais vendidos e foi lançado no Brasil há pouco com o título “Não Basta Não Ser Racista: Sejamos Antirracistas”.

A obra sofreu críticas por tratar os negros com condescendência. “Não preciso que a sociedade se submeta a aulas sobre como ser extraordinariamente sensível aos meus sentimentos”, escreveu John McWhorter, professor negro da Universidade Columbia, em crítica na revista The Atlantic. “Poucos livros sobre raça infantilizaram mais as pessoas negras que esse tomo pretensamente autoritário.”

Boa intenção, como se vê, não é tudo. Mas Miranda, a pesquisadora, afirma que, no Brasil, todo debate sobre um assunto de tamanha relevância é bem-vindo.

“Quanto mais se falar sobre isso, melhor. A literatura é um lugar de construção de mundos e de pessoas, e essas construções, no Brasil, são muito restritas à experiência histórica branca”, afirma a autora de “Silêncios Prescritos”, obra sobre a autoria de mulheres negras.

“A branquitude sustenta todo o sistema literário brasileiro, inclusive no instante em que não se vê e não se nomeia enquanto literatura branca”, diz Miranda. “É um sistema que sempre ocultou isso para se realizar enquanto uma universalidade, que agora está em xeque, porque existe no país hoje uma comunidade negra leitora assegurada.”

Mesmo ressaltando essa visão crítica, a pesquisadora pondera que “literatura é sempre liberdade”, ou seja, qualquer um pode escrever sobre qualquer ponto de vista. É uma ideia com que Scott concorda. “Na literatura, tudo é possível. Não há restrições.”

Mas, segundo ele, uma tomada de consciência quanto aos próprios privilégios faz com que “considerações vindas do próprio umbigo, que eram mais normalizadas, hoje sejam reconhecidas como apenas mais uma possibilidade num universo muito maior”.

Giovana Madalosso quis pôr a babá Maju em primeiro plano em “Suíte Tóquio” devido ao seu incômodo em perceber que tantas famílias do país são carregadas por profissionais como ela, sem o devido crédito. Buscou acolher narrativas invisíveis, afirma.

“O lugar de fala é superimportante, eu sou feminista, antirracista. Existe na minha vida um trabalho de militância política. Mas existe uma outra coisa, que é literatura. E, dentro da literatura, não tem lugar de fala. O pressuposto básico é que a gente tem de se colocar em qualquer lugar. Esse poder de alteridade é extremamente libertador e não pode ser cassado.”

para acompanhar o debate

Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo 
Lia Vainer Schucman. Veneta. R$ 44,90 (216 págs.)

Marrom e Amarelo 
Paulo Scott. Companhia das Letras. R$ 49,90 (160 págs.); R$ 34,90 (ebook)

Não Basta Não Ser Racista: Sejamos Antirracistas 
Robin DiAngelo. Faro Editorial. R$ 39,90 (192 págs.)

Silêncios Prescritos: Estudo de Romances de Autoras Negras Brasileiras 
Fernanda Miranda. Malê. R$ 48 (364 págs.)

Suíte Tóquio 
Giovana Madalosso. Todavia. R$ 59,90 (208 págs.); R$ 39,90 (ebook)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.