Compromisso com a descolonização marca história do pensamento africano, diz pesquisador

Muryatan Barbosa discute racismo e propostas de desenvolvimento autônomo nas ideias sobre a África

O convidado desta semana do Ilustríssima Conversa é Muryatan Barbosa, doutor em história social pela USP e professor da Universidade Federal do ABC.

Barbosa lançou, pela editora Todavia, o livro “A Razão Africana: Breve História do Pensamento Africano Contemporâneo”, em que discute os percursos das ideias de acadêmicos e militantes sobre a África desde meados do século 19.

Na obra, o autor defende que a origem do pensamento africano foi moldada pela reação das elites intelectuais dos países africanos e de pensadores da diáspora ao colonialismo europeu.

Na conversa com o repórter Eduardo Sombini, Barbosa discutiu a evolução dos ideais do nacionalismo africano e do pan-africanismo, que defendem a integração dos povos do continente, e da geração de líderes nacionais que emergiu nos países africanos nos anos seguintes à descolonização.

Homem com estante de livros no fundo
Retrato de Muryatan Barbosa, autor de 'A Razão Africana' - Arquivo pessoal

O autor também tratou dos impasses do pensamento africano nas últimas décadas, que combinam o pessimismo com a grave crise ecônomia e social e um novo impulso na produção intelectual e em iniciativas de desenvolvimento dos países do continente.

O Ilustríssima Conversa, realizado em parceria com o Itaú Cultural, está disponível nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

Já participaram do Ilustríssima Conversa Júlio Delmanto, que discutiu os primeiros usos do LSD e a repressão à substância; Elena Brugioni, que tratou de literaturas africanas e descolonização do imaginário; Marta Arretche, que debateu as desigualdades e as políticas sociais no Brasil; Sérgio Augusto, que discutiu os rumos do cinema em meio à pandemia de coronavírus; Sidney Chalhoub, que lembrou a politização de epidemias ao longo da história; Gilberto Nascimento, que abordou o crescimento da Igreja Universal e a ascensão política de Edir Macedo; Eliane Robert Moraes, que discutiu a censura ao sexo nas artes; Sueli Carneiro, que falou sobre a relação entre as questões de raça e gênero no Brasil; Sérgio Adorno, que tratou do surgimento do liberalismo no Brasil, entre outros.

A lista completa de episódios está disponível no índice do podcast.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.