Descrição de chapéu Coronavírus

Decisão de Trump deixa aéreas sob 'extrema pressão', diz Iata

Rotas alvo de proibição dos EUA fazem 550 voos por dia e faturaram mais de R$ 100 bi em 2019

Bruxelas

A decisão dos EUA de banir a entrada de não residentes e estrangeiros vindos da zona Schengen (que reúne 26 países europeus) vai provocar prejuízos bilionários e levar a falências se não houver intervenção dos governos, afirmou nesta quinta (12) a Iata, associação do setor aéreo.

Segundo o diretor-geral da Iata, Alexandre de Juniac, as companhias aéreas já estão “sob extrema pressão financeira e operacional” e a decisão do presidente Donald Trump, justificada como forma de reduzir o contágio por coronavírus, as deixa ainda mais fragilizadas.

No ano passado, houve 200 mil voos entre os EUA e os países da Schengen, levando 46 milhões de passageiros. O tráfego médio foi de 550 voos e 125 mil passageiros por dia.

Donald Trump durante encontro com o primeiro ministro da Irlanda Taoiseach Leo Varadkar na Casa Branca, Estados Unidos - Leah Millis/Reuters

O faturamento total das viagens entre EUA e os países da Schengen foi de US$ 20,6 bilhões (R$ 103 bilhões) em 2019. A Iata não fez previsões sobre qual pode ser a perda causada pela epidemia e pela proibição de viagens.

Estimativas de analistas do setor variavam, mas o impacto da restrição deve ser da ordem de 3.500 voos por semana, com de 700 mil a 900 mil passageiros afetados.

​“A pressão sobre o fluxo de caixa será enorme. Já vimos a falência da Flybe, e essa medida recente empurra todos para o mesmo caminho. As aéreas precisam de medidas de emergência para ultrapassar essa crise”, afirma Juanic, ressaltando que o setor emprega 2,7 milhões de pessoas no mundo.

Empresas que não tiverem caixa não vão sobreviver à crise do coronavírus sem ajuda do governo, afirmou à Folha o especialista em setor aéreo Michael Duff, diretor da The Airline Analyst.

Segundo ele, as grandes companhias, como Air France ou British Airlines, têm caixa e recursos operacionais para ultrapassar a tempestade, desde que ela dure no máximo seis meses.

Empresas regionais, porém, estão sob risco severo, segundo Duff. O analista diz que nenhuma das crises que ele já acompanhou —entre elas a Guerra do Golfo, o 11 de Setembro, a epidemia de Sars e a crise global de 2008— se compara à atual em termos de impacto sobre o setor aéreo.

O site da Iata registrava nesta quinta restrições a viagens em mais de cem países (as novas regras americanas e o fechamento do trânsito internacional na Eslováquia ainda não constavam na lista).

​Entre as propostas da Iata para socorro ao setor estão a extensão de linhas de crédito, a redução de custos de infraestrutura e a redução de tributos.

Ainda que os EUA reconheçam a necessidade de manter o transporte de carga, os prejuízos da proibição de viagens de passageiros será extenso, e não apenas para as companhias aéreas, diz o comunicado da Iata.

“Em tempos normais, o transporte aéreo é um catalisador de crescimento econômico e desenvolvimento. Suspender viagens em escala tão ampla terá impacto em toda a economia”, disse Juniac.

O setor já vinha sofrendo com os efeitos da pandemia, que começou no final do ano passado na China. Até 5 de março, segundo a Iata, as perdas de receita chegavam a US$ 113 bilhões (cerca de R$ 560 bilhões), estimativa que não levava em conta o banimento anunciado pelos EUA e outros países desde então.

O mercado entre EUA e Reino Unido, que continua aberto, levou 17 milhões de passageiros, cerca de um terço do atingido pela restrição americana.

Os impactos em termos absolutos devem ser mais fortes nas rotas com a Alemanha (US$ 4 bi em 2019), França (US$ 3,5 bi) e Itália (US$ 2,9 bi). A decisão de Trump pode afetar até 18 milhões de passageiros, volume nessas três rotas no ano passado.

Em termos proporcionais, os países europeus mais expostos ao banimento são a Islândia, que tem 17,1% de seu tráfego aéreo com os EUA, a Holanda (6,5%) e a França (5,2%).

A A4E, associação das maiores companhias aéreas europeias (representando 70% do tráfego aéreo), afirmou à Folha que ainda é cedo para prever prejuízos, mas que o mercado americano é um dos prinicipais para a maioria das empresas do continente.

A entidade encaminhou à Comissão Europeia (Poder Executivo do bloco) uma lista de medidas que considera indispensáveis para aliviar a crise no setor. Entre elas estão o adiamento da nova taxa de aviação da UE, regras claras sobre direitos dos passageiros em casos de cancelamento e a aprovação imediata de novas regras sobre a ocupação de slots.

A regra atual, que a UE afirmou que vai suspender, exige que as aéreas usem 80% dos intervalos de tempo atribuídos, a fim de mantê-los na temporada seguinte. Isso estava obrigando as companhias a realizer "voos fantasmas", sem passageiros, para não perder os slots.

​Nesta quinta, a empresa de baixo custo Norwegian Air Shuttle afirmou que deixará em solo 40% de seus voos e colocará 50% da equipe em lay-off (trabalho suspenso com rendimentos reduzidos) por causa da medida americana.

A Iata afirma ainda que a Organização Mundial do Comércio condena a restrição de viagens durante surtos de doença.

As ações das grandes companhias europeias e americanas despencaram nesta quinta, com quedas que variaram de 8%, no caso da American Airlines, para 16%, no caso da United Airlines.

Segundo a US Travel Association, viajantes que chegam da Europa representam 29% de todas as chegadas internacionais em aeroportos americanos.

A associação diz que empregos de 15,7 milhões de americanos dependem do setor, que será prejudicado pelo impacto da medida.

Também devem ser afetadas as receitas dos aeroportos. Antes da restrição americana, a previsão da Airports Council International era de queda de ao menos 12% no trânsito de passageiros no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o que era esperado, e de 6,5% sobre o mesmo período de 2019.

Eram esperados 2,1 bilhões de passageiros antes da epidemia, número que havia sido reduzido para 1,9 bilhão, e pode ter nova queda nas semanas finais do trimestre.


VEJA O IMPACTO NAS AÉREAS


AIR FRANCE - KLM

corte de metade dos voos para a Itália

Corte de 3.600 voos no mês de março

AMERICAN AIRLINES

antes da restrição americana, retirou previsões para 2020 e anunciou redução de capacidade internacional em 10%

corte de 55% dos voos transpacíficos

corte de 7,5% dos voos nacionais

AIR CHINA

corte de voos e licença não remunerada de pilotos

AIR LINGUS

corte dos voos para a Itália

ALITALIA

corte de voos internacionais

AZUL

corte de até 30% nos voos internacionais

suspensão da previsão de lucro

redução no crescimento de voos domésticos

suspensão de entregas de aviões

BRITISH AIRWAYS

corte de todos os voos para a Itália

não há estimativa de impacto da restrição americana, mas 30% dos voos entre Europa e EUA passam pelo Reino Unido e 26% dos passageiros que partem do país para os EUA saiu de um país da zona Schengen

CHINA EASTERN

corte de voos e licença não remunerada de pilotos

CHINA SOUTHERN

corte de voos e licença não remunerada de pilotos

DELTA AIRLINES

antes da restrição americana, retirou previsões para 2020 e anunciou redução de capacidade

corte de investimentos de US$ 500 milhões

atraso em repasse de US$ 500 milhões para fundo de pensão

congelamento de vagas e programa de demissão volumnt[aria

EASYJET

corte dos voos para a Itália

FLYBE

faliu

HAINAN AIRLINES (CHINA)

corte de voos e licença não remunerada de pilotos

IBERIA

corte de voos para a Italia

KOREAN AIR

corte de 80% da capacidade internacional

A direção da empresa afirma que ela pode falir se a epidemia se prolongar

LATAM

corte de voos internacionais (Europa e EUA) de 1º.abr a 30.mai

interrupção de voos entre São Paulo e Milão até meados de abril

LUFTHANSA

suspensão de 3.000 voos e redução de 50% da capacidade

corte de voos para os EUA, com exceção dos destinos Nova York, Chicago e Washington, a partir de 14 de março

NORWEGiAN AIR

corte de 40% dos voos de longa distância e 25% dos de curta distância até o final de maio

suspensão temporária (layoff) de metade dos 1.200 funcionários

QANTAS

corte de 25% dos voos internacionais

redução de salários da diretoria em 30%.

licenças não remuneradas

O principal executivo renunciou a seu salário deste ano.

SAS

corte de voos, layoffs e congelamento de vagas

SWISSPORT (logística de bagagem)

corte de 40% da força de trabalhot

RYANAIR

corte dos voos para a Itália

UNITED ARILINES

antes da restrição americana, anunciou queda de receita de até 70% em abril e maio

WIZZ AIR

corte de voos para Itália e Israel

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.