Análise aponta soda cáustica em água usada por polícia chilena contra manifestantes

Estudo foi feito por conta do grande número de pessoas com queimaduras e reações alérgicas

São Paulo

Uma análise encomendada pelo Movimento Saúde em Resistência (MRS) ao Colégio de Químicos Farmacêuticos e Bioquímicos do Chile revelou que a água usada pelos policiais na repressão dos protestos contém soda cáustica e elementos de gás de pimenta.

A soda cáustica é potencialmente letal e pode causar danos severos ao entrar em contato com a pele e os olhos, ou se for ingerida.

O estudo foi solicitado após a constatação do grande número de pacientes que apresentavam intensas queimaduras e reações alérgicas.

De acordo com a análise, o contato com soda cáustica presente na água pode causar inflamações nos pulmões, desmaios e queimaduras com bolhas e sangue nas fezes e em vômitos.

A substância também pode levar a cegueira —seu uso pode explicar o alto número de casos de pessoas que perderam a visão durante a onda de protestos que ocorre no país desde 18 de outubro. Estimativas recentes apontam que ao menos 350 manifestantes tiveram ferimentos nos olhos. 

A análise relatou ainda a presença de capsaicina, uma substância que compõe o gás de pimenta e que também estaria misturada à água. Segundo o relatório químico, ela pode causar irritação nos olhos e em membranas do corpo. 

As amostras testadas foram coletadas em novembro por brigadistas voluntários e apresentaram pH igual a 12 em uma escala de acidez que vai de 1 a 14, na qual 7 é neutro e 14 é o mais básico. 

O ministro da Saúde, Jaime Mañalich, discordou do resultado da análise. Numa rede social, ele afirmou que o informe recebido pela pasta sobre o líquido usado pelos canhões de água não relata "presença de soda cáustica". 

Ao jornal La Tercera, a polícia chilena negou que o uso das substâncias esteja previsto em seus protocolos. "Não existe nenhuma forma de empregar esse produto no controle da ordem pública", disse o general Jean Camus Dávila, diretor de logística.

seis retratos de homens com olhos inchados, cortados ou com tapa olhos
Centenas de manifestantes tiveram lesões oculares após participarem de atos no Chile; alguns ficaram cegos - Martin Bernetti e Pablo Hidalgo - 2 a 11.dez.2019/AFP)

Na última segunda (9), o Departamento de Direitos Humanos do Colégio Médico do Chile já havia alertado durante uma sessão da Comissão de Direitos Humanos do Senado para a possível existência de agentes químicos na água dos jatos utilizados pelos policiais para dispersar protestos.

A entidade mostrou aos senadores imagens de manifestantes com queimaduras vermelhas com bolhas, algumas em carne viva.

Os protestos começaram em 18 de outubro motivados pelo aumento da tarifa do metrô de Santiago, mas passaram a incluir outras pautas desde então. Ao menos 24 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. 

O MSR foi formado após o início das manifestações e tem entre seus membros estudantes da área de saúde, psicologia e direito de diversas universidades. Seu objetivo é "responder às violações de direitos humanos dos manifestantes, por meio da prestação de primeiros socorros e auxílio jurídico", diz um comunicado do grupo. 

A organização afirmou que o uso dessas substâncias ocorreu "em violação de todas as normas legais que regem o uso de recursos antidistúrbios". 

Na quinta-feira (12), o alto comando da polícia anunciou mudanças nas regras de atuação de seus agentes após ser alvo de uma série de críticas e alegações de abusos pela defensoria pública local e por entidades chilenas e internacionais de direitos humanos.

A corporação afirmou que planeja reconsiderar o uso de caminhões blindados de grande porte, conhecidos como "guanacos", que são usados para disparar canhões de água contra manifestantes, e também de veículos chamados de "zorrillos", que pulverizam gás lacrimogêneo. 

Um dia após o anúncio, o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos denunciou casos de estupro, tortura e abusos cometidos tanto por policiais quanto pelas Forças Armadas do Chile nos protestos dos últimos meses.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.