Descrição de chapéu família real britânica

Príncipe Charles discursa no Parlamento e dá sinal mais claro do fim da era Elizabeth 2ª

Em evento tradicional, herdeiro do trono britânico substituiu mãe, que apresentou 'problemas de mobilidade'

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Londres | AFP e Reuters

A rainha Elizabeth 2ª, 96, foi substituída nesta terça-feira (10) pelo príncipe Charles no tradicional "discurso do trono" no Parlamento. A troca, anunciada pelo Palácio de Buckingham na véspera, representa o sinal de uma transição gradual do reinado da britânica determinada a não abdicar em favor do herdeiro.

Elizabeth costuma abrir a sessão parlamentar com a leitura do programa legislativo elaborado pelo governo para os próximos 12 meses. Durante suas sete décadas de reinado, faltou ao evento em apenas duas ocasiões: em 1959 e 1963, quando estava grávida dos príncipes Andrew e Edward, respectivamente.

Mas devido a "problemas episódicos de mobilidade" e depois de consultar seus médicos, a rainha decidiu, "de modo relutante", não comparecer ao evento pela primeira vez em 59 anos, explicou a Casa Real.

O príncipe Charles, 73, sentado ao lado da coroa que simboliza o trono britânico, durante tradicional discurso ao Parlamento
O príncipe Charles, 73, sentado ao lado da coroa que simboliza o trono britânico, durante tradicional discurso ao Parlamento - Ben Stansall - 10.mai.22/Pool via AFP

Charles, 73, que cada vez mais substitui sua mãe em eventos oficiais, não chegou de carruagem, e sim em um Rolls-Royce oficial com teto transparente, acompanhado pela esposa, Camilla.

Ele também não vestiu a tradicional e pomposa capa de arminho, optando por um uniforme militar com várias condecorações, nem a pesada coroa ornada com pedras preciosas, que permaneceu sobre uma almofada diante do espaço vazio deixado pelo trono da soberana ausente —só a rainha pode usar a peça.

O príncipe de Gales se sentou ao lado da coroa, em um trono menor, que ele já havia ocupado em outras ocasiões junto à mãe. Acompanhado de Camilla e de seu filho mais velho —William, 39, número dois na linha de sucessão—, leu o discurso com a mesma voz monótona e solene da rainha diante dos deputados e dos lordes reunidos na Câmara Alta do Parlamento. O tom formal e neutro é também uma tradição para evitar qualquer demonstração de sentimento de aprovação ou reprovação das políticas da Casa.

O discurso durou menos de nove minutos. Charles detalhou a agenda legislativa elaborada pelo governo do primeiro-ministro Boris Johnson, que busca reconquistar o apoio dos britânicos para os próximos dois anos, até as eleições legislativas, quando buscará a reeleição em meio a uma crise de imagem.

Nesse contexto, o governo tentará "ajudar a aliviar o custo de vida, reduzir as desigualdades e apoiar o Banco da Inglaterra no esforço para devolver a inflação a sua meta", leu Charles. Entre os 38 projetos de nova legislação também aparecem medidas a favor da transição energética e mudanças para "aproveitar as oportunidades" oferecidas pelo brexit, como novas regras de concorrência e o controle da imigração.

O conteúdo do discurso foi ofuscado pelo simbolismo da mudança da figura que o lia. O texto, porém, seguiu os padrões ditados pela tradição britânica, exceto pela troca de sujeito em algumas passagens. Enquanto a rainha dizia "meu governo vai", o príncipe Charles disse "o governo de Sua Majestade vai".

Durante um discurso histórico de rádio em seu aniversário de 21 anos, durante uma viagem à África do Sul com sua família, em 21 de abril de 1947, a então princesa Elizabeth prometeu dedicar toda a vida a servir seu povo —o que leva os britânicos a acreditarem que a chefe da coroa dificilmente abdicará do trono.

O estado de saúde de Elizabeth, que completa 70 anos de reinado em 2022, tem despertado mais preocupação desde a noite que ela passou no hospital, oito meses atrás —sua primeira internação desde 2013. À época, ela foi orientada a cancelar a participação em atos públicos para repousar, mas mesmo assim foi vista dirigindo sozinha em torno de sua propriedade, no Castelo de Windsor, contrariando a recomendação médica.

Elizabeth retomou a agenda pública mais de três meses depois, em 5 de fevereiro, véspera do Jubileu de Platina, quando conheceu trabalhadores de caridade e cortou um bolo comemorativo.

No final daquele mesmo mês de fevereiro, o diagnóstico de Covid-19 voltou a suspender os compromissos da rainha por cerca de dez dias. Segundo o Palácio de Buckingham, ela apresentou apenas sintomas leves da doença. No anúncio do diagnóstico, a previsão era de que a chefe da coroa mantivesse uma agenda leve, mas foi preciso adiar os eventos marcados conforme os sintomas persistiam.

Dez dias antes do anúncio sobre a infecção da rainha, o príncipe Charles, 73, havia recebido o diagnóstico de Covid pela segunda vez. Sua mulher, Camilla Parker-Bowles, 74, também contraiu o vírus, de acordo com comunicado feito pela Clarence House, residência oficial do príncipe, alguns dias depois. Charles esteve com a mãe dois dias antes de saber da reinfecção.

Em junho, para celebrar os 70 anos de Elizabeth 2ª no trono, estão previstos quatro dias de comemorações nacionais. O Palácio de Buckingham anunciou na semana passada que a rainha pretende comparecer à maior parte dos eventos, mas que a presença dela só deve ser confirmada no próprio dia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.