Descrição de chapéu
Ricardo Viveiros

Frágil democracia

Nada pior que desesperança para dar espaço aos radicais e aos oportunistas

Ricardo Viveiros

Jornalista, professor e escritor, é doutor em educação, arte e história da cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie; autor, entre outros, de 'A vila que descobriu o Brasil' (Geração), 'Justiça seja feita' (Sesi) e 'Educação S/A' (Pearson)

Quem assistiu a “Ópera dos Três Vinténs”, de Bertold Brecht e Kurt Weill, pode traçar um paralelo da República de Weimar, na Alemanha dos anos 1920, com a atual democracia brasileira. Ambas frágeis e dominadas por grupos rebeldes. Na Alemanha havia os monarquistas, os nacionalistas, os comunistas, os democratas e os oportunistas de plantão que, aproveitando a efervescência causada pelos demais, corrompiam o país que contrastava a miséria de muitos com a riqueza de poucos.

No Brasil temos, há décadas, uma sociedade que se frustra eleições após eleições. Nada pior que desesperança para dar espaço aos radicais, de qualquer ideologia, como também aos oportunistas. Desde a República, faz 130 anos, ironicamente o que menos tivemos foram governantes republicanos. Decepções com “salvadores da pátria” foram sucessivas: Getúlio; Jânio; Collor; Lula.

O escritor Ricardo Viveiros - Lela Beltrão - 31.mai.16/Folhapress

Quanta esperança frustrada. Reformas sempre prometidas foram sempre postergadas. Quantas justas expectativas jamais aconteceram de modo pleno. O que tivemos? Corrupção, desmando, fisiologismo, insegurança política e social. Muitos problemas que impediram o desenvolvimento.

Jair Bolsonaro foi a mais recente esperança para gerações de brasileiros que desconhecem a plena democracia. Porque quando faltam direitos básicos, mesmo com liberdade, inexiste legítimo estado democrático. Impedir a corrupção, embora relevante, não é o único dever do presidente, mesmo que seus antecessores não o tenham cumprido. E demais compromissos? Cultura, por exemplo, ainda não mereceu deste governo o cuidado que exige como garantia de liberdade e progresso.

O novo “salvador da pátria” usa slogans semelhantes aos do nazismo: “Deutschland über alles” (Alemanha acima de tudo). Ou ainda, como disse Adolf Hitler no livro “Minha Luta”: “O que a maioria quer é a vitória dos mais fortes e o aniquilamento ou a captação incondicional dos mais fracos”, que Bolsonaro repete: “Vamos fazer o Brasil para as maiorias; as minorias têm que se curvar às maiorias. As leis devem existir para defender as maiorias; as minorias se adequam ou simplesmente desaparecem”.

Não podemos deixar o Brasil cair no obscuro radicalismo, seja de qual ideologia for. O presidente parece buscar saída honrosa para se livrar de um desafio para o qual descobriu não estar preparado. Faz oposição a si mesmo, busca ser vítima de impeachment para deixar o poder como “herói”. Quem sabe tenha plano para ser o “Jânio que deu certo”? Sair para voltar nos braços do povo, realizar o sonho de ser “dono” do país. Governar sem os demais Poderes que não respeita, pois apoia manifestações contra eles ao arrepio da Constituição.

No Brasil, as consequências da Covid-19 somam-se às crises política e econômica em um país dividido: os contra, os a favor e os oportunistas. Exatamente como na frágil democracia alemã da República de Weimar que, registra a história, não acabou bem. Queremos um país com paz, união, respeito e trabalho. Como disse o saudoso publicitário Carlito Maia: “Nós não precisamos de muitas coisas, só uns dos outros. Acordem e progresso!”

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.