Imposto de 0,4% deveria valer só para quem votou neste governo, diz leitora Leila de Oliveira

Para Waldir Luiz, ao ressuscitar CPMF, Bolsonaro enterra sua chance de reeleição

Imposto
“Governo planeja cobrar imposto de 0,4% para saques e depósitos em dinheiro” (Mercado, 10/9). Deveria valer só para aqueles que votaram nele.
Leila de Oliveira (Campinas, SP)

Olha a popularidade caindo pra 5% aí, gente!
Rangel Angelotti (Matinhos, PR)

A reforma tributária é extremamente necessária, pois, com o tempo, o ICMS tornou-se um enorme problema. Infelizmente, a obsessão deste governo de fanáticos pela CPMF —que não resolve o problema do ICMS e ainda cria outros— vai arruinar a reforma.
Hernandez Piras Batista (São Paulo, SP)

Bolsonaro está ressuscitando a CPMF —criada por FHC e continuada pelo PT— e enterrando a sua chance de uma possível reeleição. Vai entrar para a história como o presidente que estava mais preocupado em aumentar impostos do que arrumar as mazelas deixadas pelo PT.
Waldir Luiz (São Paulo, SP)

Censura na Bienal
Parabenizo a Folha pela capa da edição de 7/9. Além de se contrapor à censura e à homofobia e de defender a democracia e a Constituição, graficamente a página ficou muito boa com a reprodução do desenho da HQ. Acho que é graficamente a melhor capa do ano. Sugiro ao jornal contratar o desenhista dessa HQ para a seção de tirinhas.
Marcelus William Janes (São Paulo, SP)

Beijo homossexual em "Vingadores: A cruzada das crianças", quadrinho da Marvel
Beijo em "Vingadores: A cruzada das crianças", quadrinho da Marvel - Reprodução

Censura na escola
O que essas pessoas têm contra os gays? Cada um que faça com sua vida o que quiser (“Após Doria mandar recolher apostila, alunos ficam sem material de 8 disciplinas”). Vamos pensar em trabalhar e em destravar a economia.
Jose Adelino Schifino (Goiânia, GO)

Doria mais uma vez mostra o seu despreparo como governador. Não compete ao governo definir se um determinado material deve ou não ser publicado. A Justiça, sim, é que deve se pronunciar. A questão de gênero caminhava naturalmente com o avanço das prerrogativas sociais. Mas eis que o retrocesso tingiu o país.
Alexander Barbierato (São Paulo, SP)

Desfile de Sete de Setembro

Não gosto do Bolsonaro, mas ofender uma criança é de uma covardia sem justificativas (“Globo demite funcionário que chamou menino de ‘imbecil’ por desfilar com Bolsonaro”).
Elias Marinho (Brasília, DF)

A grande vítima é a criança, usada como “botton” eleitoral por Bolsonaro e desrespeitada pelas palavras do funcionário da Globo. A Globo agiu corretamente.
Alexandre Miquelino Levanteze (São Paulo, SP)

Lula
Na Roma antiga, o Senado representava a classe rica. A plebe espoliada era representada pelo tribuno. Geralmente, este era combatido pelos ricos e às vezes perseguido ou morto. Era dever da plebe proteger e defender todo tribuno. Qualquer semelhança é coincidência (“Conversas de Lula mantidas sob sigilo pela Lava Jato enfraquecem tese de Moro”).
Oswaldo Rio Branco de Oliveira  (São Paulo, SP)


Vias não democráticas

“Declarações como a de Carlos Bolsonaro merecem desprezo, diz Alcolumbre”. Desprezo não é a palavra correta. Merece uma investigação.
Hugo Falcão Silva (Olinda, PE)

“O Senado Federal, o Parlamento brasileiro, a democracia estão fortalecidos. As instituições todas estão pujantes, trabalhamos a favor do Brasil." De qual país Alcolumbre fala? Ou ele não lê todos os dias a respeito dos absurdos que jamais ocorreriam em um país verdadeiramente democrático? A “democracia” brasileira está indo para o vinagre. E quem já percebeu isso está muito assustado.
Priscilla Terhaag Merencio (Curitiba, PR)

As vidas de uma população de 200 milhões de pessoas nas mãos da estultice e da alucinação. Que aventura temerária, Brasil. Que caos! 
Evandro Luiz de Carvalho (Rio de Janeiro, RJ)

Novo caça
Brasil já vai à guerra, com seu novo avião... Lembrei-me da música do Juca Chaves quando o Brasil comprou seu porta-aviões (“Novo caça do Brasil é entregue, e programa enfrenta cortes de verba”, Poder, 10/9).
Dermival Pereira de Macedo (Barueri, SP)

Um avião desse dá quantas bolsas acadêmicas?
Davi Carvalho (Rio de Janeiro, RJ)

Um processo que se arrasta há quase 20 anos e tem gente querendo colocar na conta do governo atual.
José Benedito de Moraes (São João da Boa Vista, SP)

O primeiro caça Gripen destinado à FAB é apresentado em Linköping, na Suécia - Igor Gielow/Folhapress

Neiva do céu
Acho uma perda de tempo um jornal do quilate da Folha publicar algo tão risível, irrelevante e depreciativo contra os homens como a reportagem “Protagonista do áudio ‘Neiva do céu!’ confirma história que viralizou”. Mas, já que virou meme, deixo a pergunta: e se fosse o contrário, dois homens debochando de uma mulher que um deles conheceu? O que estaria ocorrendo no mundo agora? Uma grande comoção, protestos acusando-os de misoginia... Enfim, tristes tempos, de muita hipocrisia, este que vivemos. Mulheres e outras minorias podem fazer o que quiser que devem ser protegidas, quase que incondicionalmente. Mas, quando são homens, o mundo acaba.
Marcio Antonio Chaves Pinto, psicopedagogo (Fortaleza, CE)

Neiva (à esq.) e Ivete, na casa da Neiva, em Mogi-Guaçu (SP) - Rafael Serra/Folhapress

 

Infraestrutura
Cumprimento a Folha pela manchete do jornal de domingo passado (“Infraestrutura promete tirar 20 anos de atraso com leilões”), de Igor Gielow. A Câmara dos Deputados instituiu comissão para oferecer um novo “marco legal”, para que maior segurança jurídica e maior clareza na legislação estabeleçam o necessário clima de confiança, ampliando o instrumento das parcerias público-privadas e das concessões de serviços e obras públicas. Sou relator dessa comissão, que iniciou seu trabalho realizando audiências públicas e ouvindo o governo, o setor empreendedor e agora também órgãos de regulação e controle e outros.
Arnaldo Jardim, deputado federal pelo Cidadania-SP (Brasília, DF)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.