Hoje pelo menos já se debate a proposta de renda básica, diz leitor

Leitor elogia entrevista com ministro Luís Barroso, do STF

Renda básica
Antes de março de 2020, isso era algo impossível de se pensar no Brasil. Hoje pelo menos já se debate o assunto. Só que para ser renda básica universal deveria ser de no mínimo R$ 2.000, menos que isso é auxílio. Se considerarmos o PIB per capita, pode ser até mais (“‘Tudo indica que vou viver para ver a renda básica implementada’, diz Eduardo Suplicy”, Entrevista da 2ª, 13/4).
Cristina Machado (Curitiba, PR)

Barroso
Excelente a entrevista com o ministro do STF Luís Roberto Barroso, que presidirá o TSE a partir de 26 de maio (“Aglomeração em convenções e testes das urnas são obstáculos para eleições, diz Barroso, Poder, 12/4). Parabéns aos repórteres Leandro Colon e Matheus Teixeira. No Brasil, não tivemos juízo, até agora, por isso considero muito acertada a agenda pós-pandemia proposta pelo ministro: solidariedade, igualdade, competência, educação básica, ciência e tecnologia.
Júlio César Passos, professor da UFSC (Florianópolis,SC)

Ir e vir
A essa altura, reclamar do governo por nos tolher o direito de ir e vir é como criticar o bombeiro por não nos deixar entrar em um prédio em chamas. Precisamos nos conscientizar de que estamos numa situação de calamidade pública.
Rubens Sayegh (São Paulo, SP)

Bruno Covas não deveria perder tempo/dinheiro com praças como a do Pôr do Sol (“Covas se irrita com lotação de praça em Pinheiros, e Prefeitura de SP estuda fechar as mais movimentadas”, Painel, 12/4). Deve concentrar esforços nas comunidades e nos sem-teto, pois esses não têm convênio. E, mudando de assunto: quer época melhor para a manutenção de vias, viadutos e pontes, caindo aos pedaços? Não há trânsito, e a mão de obra envolvida vai agradecer a iniciativa.
Flávio Madureira Padula (São Paulo, SP)


O que será
Bolsonaro destrói tudo: diplomacia, saúde, educação, relações sociais, moral, costumes, dignidade, o país no exterior, a economia, a moral que distingue a verdade da mentira. O que será do país se esse indivíduo não for interditado?
Nicola Granato (Santos, SP)



Reino Unido
Boris Johnson agradeceu toda a equipe médica e, em especial, dois enfermeiros que vivem na Inglaterra, Jenny, da Nova Zelândia, e Luís, de Portugal. Vale lembrar que o Brexit se deu, sobretudo, para proteger o mercado de trabalho inglês, contra estrangeiros. Como é o destino...
Jaime Pereira da Silva (São Paulo, SP)

Exemplo
Segundo Albert Schweitzer, Prêmio Nobel da Paz de 1952, “dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. É a única.” Daí eu pergunto: o que pretende nosso presidente com as suas aparições, provocando aglomerações, embora breves, quando a OMS, o seu próprio Ministério da Saúde, líderes mundiais e infectologistas insistem na importância do isolamento social como meio de diminuir a transmissão da Covid-19? Tem em conta se conseguiremos enterrar todos os nossos mortos?
Ivan Chaves de Sousa (Ribeirão Preto, SP)


Capitalismo
A crise provocada pelo coronavírus coloca em xeque todo o sistema capitalista, mostrando a importância da presença do Estado nas questões sociais e econômicas. Em tempo, parabéns aos profissionais da saúde e ao SUS, exemplo brasileiro para o mundo.
Erivan Santana (Teixeira de Freitas, BA)


O rei
Quando a imprensa gritará “O rei está nu!”? Quantas vidas o presidente ceifará antes que o responsabilizemos criminalmente? Até quando a imprensa tolerará isso? Sugiro que não cubram mais seus atos insanos e o coloquem no devido lugar: o ostracismo.
Teotônio Negrão Filho, médico (Ribeirão Preto, SP)


Populistas
“Coronavírus leva Nova York a abrir valas comuns para enterrar mortos” (Mundo, 11/4). A imagem desta reportagem é a imagem da gripezinha dos reacionários e negacionistas Bolsonaro, Trump e Obrador. Quando o mundo ficará livre de populistas como esses? Com Biden, os EUA têm agora a oportunidade de se verem livres de populistas. Um duelo Trump x Bernie Sanders apenas repetiria a polarização populistas de direita versus populistas de esquerda.
Adonay Anthony Evans (Marília, SP)

Foto feita com drone mostra funcionários abrindo covas em Hart Island, em Nova York - Lucas Jackson/Reuters

Onyx e Terra
Onyx foi demitido da Casa Civil por incompetência. Como ele tem o perfil que o presidente gosta (bajulador), conseguiu substituir outro incompetente na Cidadania, ministério considerado pelo governo como de menor importância, já que “cuida de pobre”. Como não está dando conta, uniu-se ao incompetente anterior e estão fazendo o que gostam e sabem: intrigas palacianas. Sem se dar conta de que estão antecipando o fim deste governo. Que, na prática, já acabou.
Delane José de Souza (Belo Horizonte, MG)


Bálsamo
Loyola, você não é vidente. Você é um gênio (“‘A reação já começou com a desobediência civil’, diz Ignácio de Loyola Brandão, autor de distopia política”, (Poder, 11/4)!
José Bezerra Pessoa Filho (São José dos Campos, SP)

Em tempos de reflexão existencial, agradeço imensamente a Ignácio de Loyola por sua lucidez. Um elixir de coragem. Um remédio balsâmico para os nossos pensamentos.
Antônio Mattar (Rio de Janeiro, RJ)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.