Ciro culpa Bolsonaro por ataque ao irmão e diz que não se enfrenta 'fascismo com flores'

Em entrevista à Folha, ex-candidato diz que PMs escolheram cidade por provocação a seu grupo político

Brasília

Terceiro colocado na última disputa presidencial, Ciro Gomes (PDT-CE), 62, defendeu que seu irmão, o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE), 56, não se exaltou ao ter usado uma retroescavadeira para tentar acabar com um motim de policiais militares grevistas na cidade de Sobral (CE).

Em entrevista à Folha, o ex-governador do Ceará responsabilizou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo ataque a tiros sofrido por Cid e pela situação no município cearense ter chegado a um estado de violência.

Ele afirmou que não se enfrenta o fascismo com flores ou "lacração da internet" e disse que o movimento de PMs amotinados escolheu Sobral, cidade natal da família Gomes, com uma intenção política de provocação.

O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT)
O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) - Pedro Ladeira - 9.out.19/Folhapress

"O episódio se deve a uma impotência dos Poderes constituídos em fazer a Constituição Federal ser respeitada no Brasil e a um canalha que transformou a República do Brasil em uma república de canalhas que se chama Jair Messias Bolsonaro", disse.

Como está o senador Cid Gomes?
Foi um susto grande, mas ele está bem. Chegou a Fortaleza e está sob observação com dreno, porque uma das balas bateu e saiu, e a outra está alojada na base do pulmão.

Nasceu de novo. Os dois tiros foram no peito esquerdo, e essa que está alojada quebrou uma costela dele, desviou na direção da axila e se alojou na base do pulmão.

Ele deve passar por uma nova cirurgia?
Não, nada. Ele está em observação porque querem ver se o projétil fica estável. Mas, para a nossa gratidão a Deus, não atingiu nenhum órgão vital, nenhuma artéria e não teve hemorragia. Ele tem um dreno e está tomando antibiótico.

O irmão do sr. agiu de maneira correta?
Eu acho, dadas as circunstâncias que eu conheço e que nem a imprensa nem os críticos elegantes do Brasil conhecem ou querem conhecer. Porque, quando um canalha como o Bolsonaro faz a canalhice que faz com uma jornalista [Patrícia Campos Mello, da Folha], a indignação fica muito aflorada.

Então, como foi que ocorreu o episódio?
O Cid estava em Fortaleza, e nós somos de Sobral. O Ceará tem 184 municípios, e Sobral foi o único local onde houve um grupo de policiais à paisana, todos mascarados, circulando de armas na mão e determinando o fechamento de comércios, aterrorizando todo mundo e mandando para a casa.
As pessoas apavoradas ligaram para o Cid, e ele [Cid] prometeu que iria para lá.

A greve estava declarada ilegal?
A greve está declarada ilegal pelo Tribunal de Justiça e pelo Ministério Público. O governador fez uma negociação com as entidades que assinaram o acordo. Todas as entidades dos policiais militares assinaram o acordo e há gravações dos pseudolíderes comemorando a vitória. E aí uma minoria resolveu se insurgir com violência e escolheu Sobral, evidentemente, porque é a nossa cidade, a intenção é claramente política de provocação.

E o Cid foi para lá, reuniu a população, circulou pelas ruas, restaurando a normalidade. E foi em direção ao piquete que eles estavam impedindo os policiais de saírem do quartel, que é uma via pública.

Chegando lá, desceu, pegou o megafone, pediu para eles saírem, insistiu, levou um soco no rosto e, quando levou o soco, voltou a conversar, dizendo que estava em paz e que não ia aceitar. Então, subiu na retroescavadeira, avançou até derrubar o portão parou e recuou. Quando ele parou e recuou, quatro tiros foram disparados em direção ao peito esquerdo dele e três pegaram [dois foram confirmados no hospital]. 

O chefe da guarda municipal levou um tiro no pulso. E aí fica uma certa imprensa e esquerda elegantes no Brasil dizendo que o camarada perdeu a calma, que avançou com retroescavadeira. A minha pergunta: se enfrenta fascismo com flores ou com lacração de internet? Não foi a omissão dos políticos e a sua irresponsabilidade que permitiram o avanço da facção criminosa?

Mas não seria papel das forças policiais impedirem o protesto?
Meu amigo, olha a pergunta que você está me fazendo. Claro que seria papel das forças policiais. Onde elas estavam? E a cidade inteira feita refém. 

Não é possível que você tenha uma folha de alface no coração. Imagina, você no lugar deles, passando um policial de camiseta, com máscara, com arma na mão, dizendo: "Fecha o comércio, fecha o comércio, que o bicho vai pegar".

Então, na opinião do sr., o senador não se exaltou?
Não houve nada de exaltação, nada de exaltação. Ele disse que tinha ido em paz e queria restaurar a ordem em Sobral. Tanto é que, na hora em que ele chegou, eles se retiraram dessa maluquice na rua e foram para o quartel.

Veja lá, irmão, veja se aquilo é um movimento legítimo. Não é possível que vocês tenham ficado com essa insensibilidade. Vocês, jornalistas, vão ser os primeiros. As primeiras vítimas do fascismo vão ser vocês.

A quem o sr. atribui a ter chegado a essa situação?
À absoluta impotência dos poderes constituídos em fazer a Constituição Federal e a lei serem respeitadas no Brasil e a um canalha que transformou a República brasileira em uma república de canalhas que se chama Jair Messias Bolsonaro.

O sr. acha que Jair Bolsonaro tem culpa pelo que aconteceu com o Cid?
Evidentemente. Ou você acha que um garoto de 20 e poucos anos teria coragem de atirar em uma pessoa assim se não achasse que estava a serviço do poder maior no Brasil? Quem estava na linha de frente lá era um vereador do Bolsonaro.

A crise deve acabar nos próximos dias?
Depende da reação das autoridades. O que está acontecendo no Ceará é responsabilidade remota do próprio Cid, que lá atrás deixou essa cobra nascer, e agora do governador Camilo Santana, em face de sua tolerância e vocação ao diálogo, o que não deixam de ser virtudes.

O governador é um grande e querido aliado. Eu apenas discordo da forma como o Cid e ele administram esse tipo de assunto. Porque governar não é um ato de simpatia, governar é uma obrigação determinada pelas Constituições Federal e Estadual, às quais ambos prestaram juramento.

A Força Nacional poderá ajudar a contornar o quadro?
Depende apenas de uma coisa [para acabar o movimento]: se o governador tiver, ele publica o nome de 50 pessoas hoje, na internet, e a greve acaba amanhã.

Quem seriam essas pessoas?
Seriam os líderes dos amotinados.

Ciro Gomes, 62
Ex-governador do Ceará, foi candidato a presidente três vezes (1998, 2002 e 2018) e ocupou os cargos de ministro da Fazenda e da Integração. Em 2006, teve a maior votação proporcional para o cargo de deputado federal. É professor de direito   

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.