Descrição de chapéu

Moro enterra governo, dá senha para impeachment de Bolsonaro e vira candidato

Ex-ministro acusa presidente, cuja família está na mira da PF, de barrar combate à corrupção

São Paulo

Se a demissão do ministro Luiz Henrique Mandetta da Saúde indicava a exaustão de meios políticos do governo Jair Bolsonaro em meio à pandemia do novo coronavírus, a saída de Sergio Moro da Justiça e Segurança Pública enterra de vez a gestão que assumiu o país há exatos 480 dias.

Moro saiu atirando, abrindo na prática o caminho para um pedido de impeachment do seu ex-chefe.

Sergio Moro durante entrevista na qual explicou os motivos de sua saída do governo
Sergio Moro durante entrevista na qual explicou os motivos de sua saída do governo - Pedro Ladeira/Folhapress

Em seu pronunciamento, acusou diretamente Bolsonaro de interferir no combate à corrupção ao exonerar sem sua anuência o diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, prever mudanças em superintendências estaduais do órgão e pedir acesso a relatórios de investigações.

Moro apontou "interferência política na Polícia Federal", rompendo a promessa de autonomia e "carta branca" que lhe havia sido dada ao aceitar o cargo no fim de 2018.

Não é apenas uma acusação que implode uma das fundações do edifício do bolsonarismo: é a insinuação de um crime de responsabilidade que pode embasar, de forma bastante objetiva, um pedido de impeachment contra o ex-chefe.

Uma estocada dura em Bolsonaro foi a citação de Moro ao fato de que, quando era o terror do PT e aliados como juiz da Lava Jato, a PF foi mantida sem intereferência, por virtude republicana ou pressão da sociedade. Até uma piscada à esquerda o agora ex-ministro deu.

Em uma tacada, Moro subiu no caixote da Lava Jato como discurso para sua eventual candidatura a presidente em 2022 e deu munição para ser protagonista do processo de adiantar a mudança na titularidade do Planalto. De uma forma ou de outra, é candidato com discurso pronto.

"Sempre estarei à disposição do país", foi a senha final, um clichê clássico. Moro sai do governo e entra na faixa de eleitorado de Bolsonaro e de presidenciáveis como o governador paulista, João Doria (PSDB).

Sobrou até para a indiferença aos aspectos humanos da pandemia demonstrados por Bolsonaro, com a referência de Moro aos 407 mortos pela Covid-19 registrados na quinta (23) no país. O ex-ministro já havia se declarado a favor do isolamento social combatido pelo então chefe.

A demissão abre as portas para a saída de outros incomodados, como o outro antigo pilar do governo, Paulo Guedes (Economia). Desgastado pela intervenção da ala militar em sua área, com direito a plano econômico, o ex-superministro está por um fio.

Apenas o desespero explica a ação de Bolsonaro. Moro não é só uma das âncoras de popularidade do governo, ele é um imã que manteve fiel ao presidente uma parte considerável do eleitorado que não o abandonou após assumir a cadeira.

Símbolo da Operação Lava Jato, uma das responsáveis pela ascensão de Bolsonaro pela implosão da política tradicional, Moro fala diretamente aos cerca de 30% de apoio que o presidente tem.

O bolsonarismo fagocitou o lava-jatismo e o moldou aos interesses de seu líder, e tudo indica que isso falou mais alto novamente no episódio da demissão de Moro.

Nenhum ciúme pregresso ou vontade de tirar foco sobre os caixões de Manaus e do Rio justificaria mexer com o popular ministro logo agora. A resposta se volta à necessidade atávica do presidente de defender os seus interesses e os de sua família.

Que Bolsonaro se sente ameaçado por investigações acerca das relações de seu filho 01, o senador Flávio com o submundo das milícias ou do "gabinete do ódio" tocado pelo 02 Carlos com as redes de fake news e atos pró-golpe, isso é conhecido.

Dando um altamente ingênuo benefício da dúvida ao presidente, ele pode achar que é alvo de uma perseguição. Ou, como é mais provável, sente o cheiro de queimado. Como disse Moro, a Superintendência da PF no Rio, terra do clã, era um dos alvos de mudança.

Em qualquer hipótese, está procedendo uma mudança não republicana e personalista na estrutura policial do Estado. Isso é crime, mais um numa série razoável à qual Moro acrescentou o uso indevido de seu nome no ato que exonerou Valeixo. A essa altura, Bolsonaro parece não se preocupar.

O que mostra desespero, por insinuar que de fato deve algo e teme a polícia, e despreparo: um político mais experiente costuraria a permanência de Moro e depois o despacharia para a vaga de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal.

Moro não é nenhum inocente, claro. Jogou gostosamente a partida oferecida por Bolsonaro, aceitando tacitamente a acusação de ter condenado Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para tirá-lo da eleição de 2018 para se favorecer depois.

Agora, até se vitimizou com a história de ter pedido uma pensão para sua família caso morresse devido ao combate ao crime; é de se questionar a legalidade de tal promessa para conseguir o cargo.

No ministério, colecionou um grande vazio de realizações. O pacote anticrime, sua única peça de resistência, foi desfigurado e inexiste na prática. Agiu de forma questionável na greve da PM do Ceará neste ano.

Aceitou ser desautorizado sistematicamente por Bolsonaro a partir do momento em que ficou claro que tinha luz política própria, por frieza ou lassidão. A última trégua entre ambos, de janeiro, era frágil

Seja como for, sai do cargo como herdeiro natural do eleitorado lava-jatista, influente e significativo. Com um agravante: carrega consigo o conhecimento íntimo dos eventuais desmandos do clã do chefe.

Moro é um verdadeiro homem-bomba e, a considerar como operou ao longo do processo que acabou por derrubar Dilma Rousseff (PT) em 2016, sabe usar os instrumentos que possui. Seu discurso nesta sexta (24) foi apenas um aperitivo cheio de recados.

Ajuda muito a construção de sua candidatura a presidente em 2022, do ponto de vista retórico, o fato de que Bolsonaro está negociando, para evitar surpresas no caso do avanço de um pedido de impeachment, o apoio do centrão.

O grupo é recheado de egressos de escândalos como o petrolão e o mensalão. O preferido de Bolsonaro hoje para substituir um cada vez mais pressionado Rodrigo Maia (DEM-RJ) da presidência da Câmara no ano que vem é Arthur Lira (Progressistas-AL), um réu da Lava Jato.

A anomia, por óbvio, ultrapassa o caso de Moro. O presidente está isolado e sob pressão. O dólar rumando aos R$ 6, Guedes cada dia mais fora do governo, a pandemia cobrando vidas e sobrecarregando o sistema de saúde. Sem apoio contratado no Congresso ou boa vontade no Supremo, Bolsonaro deu um salto no escuro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.