Chefs Bel Coelho e Alex Atala lançam campanha pela 'help hour'

Brincando com a expressão happy hour, ação incentiva consumo em horários menos movimentados

São Paulo

Com o endurecimento da quarentena no estado de São Paulo e a redução do horário de funcionamento de restaurantes e bares, um grupo de chefs renomados lança hoje uma campanha para estimular a visita do público a esses locais durante a pandemia.

Chamada de #HelpHour (hora de ajudar), a ação convida o público a consumir nos restaurantes em horários não convencionais durante a semana, entre 16h e 20h —mesmo quando o funcionamento retornar à fase verde. Nesse período, nomes como Maní, Charco e Jiquitaia vão oferecer um menu especial, a partir desta terça (2).

A campanha, que brinca com o termo happy hour (hora feliz), é uma forma de lidar com as normas mais restritivas na capital e de manter aquecido o movimento, explica Bel Coelho, chef que idealizou a ação ao lado de Alex Atala, do Grupo D.O.M.

A chef Bel Coelho, que ajudou a idealizar o help hour - Keiny Andrade/Folhapress

“Tem esse horário que é mais morto, com um consumo menor. Pensei em estimular as pessoas a adiantar o jantar e fazer um happy hour, com petiscos e bebidas”, diz a chef, que fechou as portas de seu Clandestino, na Vila Madalena, por conta da pandemia. Em dezembro, abriu o Cuia, café e restaurante dentro da livraria Megafauna, no Copan.

Entre os outros chefs que fazem parte do movimento estão Helena Rizzo (Maní e Manioca), Janaína Rueda (Bar da Dona Onça), Rodrigo Oliveira (Mocotó), Paola Carosella (Arturito), Marcelo Corrêa Bastos (Jiquitaia), Renata Vanzetto (Ema, Muquifo), Luiz Filipe Souza (Evvai) e Bruno Fischetti (Ramona).

O chef Alex Atala, que ajudou a pensar no projeto da help hour - Eduardo Knapp/Folhapress

Desde o último dia 22, quando o governador João Doria (PSDB) decretou o retorno à fase vermelha de todas as cidades paulistas no plano de quarentena, os restaurantes só podem funcionar por oito horas durante a semana e até às 20h. Aos sábados e domingos, devem fechar.

Nesta segunda (1º), porém, Doria afirmou que pode flexibilizar as restrições impostas à abertura dos estabelecimentos a partir de quinta, dia 4, caso o número de internações continue em queda.

“Alguns setores sofrem muito, as restrições podiam ser repensadas”, pondera Coelho. “É óbvio que a gente tira a máscara dentro do restaurante, sempre tem o risco, mas ele é menor. Uma festa aglomera muito mais.”

Segundo a chef, todos os estabelecimentos que fazem parte do movimento seguem à risca os protocolos sanitários, como o distanciamento entre as mesas e o uso obrigatório de máscaras.

“Sou a favor das normas de segurança, mas sem auxílio fica difícil. A chance de muitos estabelecimentos quebrarem é grande”, diz Coelho.

A Abrasel, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, prevê cerca de 20 mil desempregados no setor apenas com as novas restrições em vigor. Segundo estimativa, 12 mil estabelecimentos já encerraram as atividades na capital paulista na pandemia.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.