Preços do petróleo despencam mais de 6% após Trump anunciar tarifas adicionais à China

Guerra comercial entre países despertou preocupação quanto a demanda do produto

Reuters

Os preços do petróleo despencavam mais de 6% nesta quinta-feira (1º), recuando pela primeira vez em seis dias, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar no Twitter que irá impor uma tarifa adicional de 10% sobre US$ 300 bilhões (R$ 1,15 trilhão) em importações chinesas a partir de 1º de setembro.

Uma prolongada guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo despertou preocupações a respeito da demanda por petróleo.

Por volta das 15h25 desta quinta-feira, os contratos futuros do petróleo Brent caíam US$ 4 (R$ 15,30), ou 6,15%, para US$ 61,05 (R$ 233,75) por barril, enquanto o petróleo dos EUA recuava US$ 4,36 (R$ 16,70), ou 7,44%, para US$ 54,22 (R$ 207,60) o barril.

“Os preços do petróleo caíram consideravelmente hoje, sofrendo dois golpes de uma só vez, com desânimo quanto ao relaxamento monetário pelo Federal Reserve e o anúncio do presidente Trump de que mais tarifas serão impostas aos produtos chineses”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital Management.

“A guerra comercial EUA-China já impactou pesadamente a perspectiva de demanda por energia e isso (o tuíte de Trump sobre as tarifas) vai apenas se somar a essas preocupações. A guerra comercial está claramente longe do fim.”

No início da sessão, os preços foram pressionados pela redução das taxas de juros norte-americanas pelo Fed, que contrariou expectativas após o chefe do banco central dos EUA afirmar que o corte na véspera pode não ser o começo de uma longa série de reduções de juros para fortalecer a economia contra a fraqueza econômica global.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.