Corolla, em suas duas versões, tem o menor consumo entre carros médios

Nas provas de aceleração e retomada, Volkswagen Jetta GLI foi o melhor com gasolina e Chevrolet Cruze, com etanol

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O Toyota Corolla se destacou pela eficiência energética. As versões 2.0 Flex e 1.8 Hybrid Flex se alternaram nas primeiras posições em todas as medições de consumo entre os carros médios no Ranking Folha-Mauá 2021.

A opção híbrida —movida por etanol, gasolina e eletricidade— obteve os melhores resultados nas medições urbanas. Com álcool no tanque, o modelo que custa a partir de R$ 160,4 mil no estado de São Paulo, registrou a média de13 km/l na cidade.

Com 177 cv de potência e câmbio automático do tipo CVT (simula 10 marchas), o Corolla 2.0 flex tem preço inicial de R$ 128,2 mil. O modelo obteve as melhores marcas de consumo na estrada: a média com gasolina foi de 20,3 km/l.

O sedã Volkswagen Jetta GLI preencheu a vaga deixada pelo antecessor Golf GTI e se tornou o automóvel médio mais rápido do Ranking Folha-Mauá 2021. Sem opção flex, partiu do zero e chegou aos 100 km/h em 6,6 segundos.

O carro —que é importado do México e vendido por R$ 184,9 mil— tem motor 2.0 turbo (230 cv) e câmbio automatizado de dupla embreagem, que simula seis marchas.

A versão sedã do Chevrolet Cruze (a partir de R$ 118,3 mil) foi a mais rápida entre os carros médios abastecidos com etanol. Produzido pela GM na Argentina, precisou de 5,8 segundos para ir dos 80 km/h aos 120 km/h. O modelo é equipado com motor 1.4 turbo flex (156 cv) e câmbio automático de seis marchas.

Saiba como são feitos os testes

Para aferir o desempenho dos carros, o IMT (Instituto Mauá de Tecnologia) utiliza o V-Box, equipamento que usa sinal de GPS.

Os testes de aceleração, retomada e frenagem são feitos na pista da empresa ZF, em Limeira (interior de São Paulo).

A etapa que verifica o gasto de combustível na cidade tem 27 km. Para simular um percurso rodoviário com velocidade média de 90 km/h, os engenheiros do IMT dirigem por 31 km. Ambos os trajetos ficam em São Caetano do Sul (ABC), onde fica a sede do instituto.

Se o carro for flex, são feitas duas medições: uma com gasolina, outra com etanol.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.