Descrição de chapéu Eleições EUA 2020

Aos 80 anos, superdelegado personifica articulação democrata contra Sanders

Ex-senador Harry Reid, que passou 30 anos no Congresso, organizou a ala centrista em torno de Joe Biden

Washington

Pete Buttigieg recebeu em 1º de março o telefonema que mudou o rumo de sua campanha.

Do outro lado da linha, uma voz deu ao ex-prefeito de South Bend um receituário pragmático: era preciso abandonar a corrida pela Casa Branca e anunciar apoio à candidatura de Joe Biden.

Impulsionado pelo voto dos negros, o ex-vice de Barack Obama havia conseguido um resultado excelente nas primárias de Carolina do Sul e despontava entre os moderados como a opção para conter o avanço do progressista Bernie Sanders, que liderava as pesquisas democratas até então.

O autor da ligação tão assertiva era Harry Reid, ex-senador por Nevada, que decidiu entrar em campo para convencer o primeiro candidato abertamente gay a concorrer à Presidência dos EUA de que era hora de abrir mão da empreitada.

harry reid de boina
Harry Reid, ex-senador por Nevada e um dos principais nomes da ala centrista do Partido Democrata dos EUA - Ethan Miller/Getty Images/AFP

​Buttigieg não titubeou. Naquela mesma noite, foi a público dizer que desistia da disputa e endossava Biden.

A decisão resultou em um efeito cascata. Os ex-candidatos Amy Klobuchar e Beto O’Rourke também anunciaram apoio ao ex-vice-presidente, ambos convencidos pelo mesmo homem que abordou Buttigieg.

Aos 80 anos, 30 deles no Congresso americano, Reid decidiu organizar a ala centrista dos democratas em torno de Biden e personificou a intervenção do establishment do partido contra Sanders.

O comando da legenda nunca foi receptivo ao senador independente, sob argumento de que sua agenda de justiça social e igualdade econômica pode afastar os eleitores moderados que, em 2018, ajudaram os democratas a recuperar a maioria na Câmara.

Sem os americanos do meio, avaliam, derrotar Trump fica mais difícil, então Reid decidiu colocar um freio no senador por Vermont.

Sua investida final naquele fim de semana foi Kamala Harris, mas a senadora resistiu em apoiar Biden às vésperas da Super Terça. A Califórnia, estado pelo qual foi eleita, indicava que daria a vitória a Sanders, e ela, que já tinha desistido de disputar as prévias democratas em dezembro, queria preservar capital político.

Cinco dias depois da vitória do senador em seu estado, Harris anunciou o embarque na campanha de Biden e ganhou com isso o posto de uma das favoritas para compor com ele a chapa contra Trump.

A habilidade na articulação não é novidade na vida pública de Reid. Líder da maioria no Senado de 2007 a 2015, ele foi peça fundamental para a aprovação do Obamacare, o sistema de saúde criado como grande legado de Barack Obama.

Reconhecido por transitar entre a direita e a esquerda americana, Reid chegou ao Congresso como deputado em 1983 e atravessou para os salões do Senado em 1987 —de onde saiu somente três décadas depois.

Considerado bom estrategista e profundo conhecedor do regimento do Legislativo, Reid logo ganhou o respeito dos figurões democratas e começou a atuar com peso nos bastidores da sigla.

Assessor do ex-senador por seis anos, Jim Manley diz que Reid não queria interferir na disputa democrata até as primárias de Nevada, realizadas em 22 de fevereiro e vencidas por Sanders.

Mas, depois disso, afirma acreditar que o ex-chefe resolveu se mexer.

“Vou começar com uma piada: Reid gosta de se intrometer nas coisas. Portanto, não me surpreenderia que ele tenha telefonado para essas pessoas parar tentar unir o partido em torno de Biden”, afirma à Folha.

“É importante para ele fazer algo pelo partido. Ele pensa que é preciso ajudar como pode para unir os democratas em torno do melhor candidato. Seu principal objetivo é vencer Trump.”

A campanha democrata é travada desde o início entre os campos progressista e moderado da sigla, e a fragmentação do centro —que tinha vários candidatos até a intervenção de Reid— favorecia Sanders.

Apoiado pelos jovens e latinos, o senador por Vermont teve bom desempenho nas primeiras prévias e chegou à Super Terça, em 3 de março, como líder em números de delegados e na média das pesquisas nacionais, mas a articulação dos adversários o surpreendeu.

Sanders perdeu fôlego em prévias de estados importantes, como Michigan, Flórida e Arizona, e nesta semana somava 884 delegados, enquanto Biden chegava a 1.180, abrindo uma vantagem que parece irreversível.

A forma mais simples de ganhar a indicação democrata é conseguir 1.991 dos 3.979 delegados que estão em disputa durante as primárias até julho.

Mas, além deles, outros 771 superdelegados —que não são eleitos nas prévias— podem entrar em ação caso nenhum candidato atinja o número mínimo e seja necessário realizar um segundo turno.

Reid é justamente um desses superdelegados e, assim como vários de seus colegas, já mostrou que vai atuar diretamente para bloquear Sanders caso o senador chegue à convenção do partido disposto a brigar com Biden pela nomeação.

Filho de um mineiro e de uma lavadeira, ele nasceu em Searchlight, cidade com menos de 600 habitantes em Nevada.

Passou a infância sem água quente, telefone ou banheiro dentro de casa e, quando se mudou para cursar o colegial, começou a treinar boxe, uma de suas grandes paixões e sua porta de entrada para a política.

Seu ex-treinador Mike O’Callaghan se candidatou a governador por Nevada e fez de Reid seu vice, vencendo a eleição no início da década de 1970.

Depois de quatro anos de mandato, Reid se arriscou em carreira solo, mas perdeu a disputa ao Senado e também à prefeitura de Las Vegas, conseguindo chegar ao Congresso como deputado só em 1983.

Formado em história e ciência política pela Universidade Estadual de Utah e em direito pela George Washington, Reid oscila entre posições conservadoras e progressistas, o que lhe rende críticas por parte da esquerda do partido.

Afirma que o aborto só deve acontecer em caso de incesto, estupro ou quando a vida da mulher está em risco, mas mudou de opinião sobre o casamento gay, por exemplo, e passou a defendê-lo em 2012.

Reid anunciou em 2015 que se aposentaria em 2017 e, há quase dois anos, luta contra um câncer no pâncreas.

Aliados afirmam que a doença fez com que o ex-senador ficasse menos ativo do que queria na disputa presidencial deste ano, mas ninguém minimizava seu poder de atuação.

O movimento iniciado por ele no primeiro dia de março pode ter sedimentado o caminho de Biden rumo à nomeação democrata. O ex-vice-presidente tem mantido apoio forte entre os negros e ampliado sua base para mulheres e eleitores de zonas rurais e suburbanas.

Após o resultado decepcionante na Super Terça e a sequência de derrotas nas prévias das últimas semanas, Sanders perdeu fôlego e decidiu reavaliar sua campanha.

A pressão para que ele desista da candidatura e unifique o partido em torno de Biden só aumenta.

Sem eventos públicos para arrecadação de fundos, comícios e até primárias canceladas em razão da pandemia do coronavírus, Sanders foi para as cordas e sabe que dali um certo ex-lutador de boxe não vai deixá-lo sair.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.