Planalto exclui Folha de cobertura de jantar entre Trump e Bolsonaro

Grupo de 13 jornalistas brasileiros foi selecionado para acompanhar encontro entre os líderes

Miami

O governo brasileiro excluiu a Folha da cobertura do jantar entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, na noite deste sábado (7), na Flórida.

Um grupo de 15 jornalistas foi selecionado pelo Planalto para ir a Mar-a-Lago, resort de Trump em Palm Beach, perto de Miami, local do encontro.

 
Trump recebe o presidente Jair Bolsonaro para jantar no resort de Mar-a-Lago, nos arredores de Miami
Trump recebe o presidente Jair Bolsonaro para jantar no resort de Mar-a-Lago, nos arredores de Miami - Tom Brenner/Reuters

O governo americano, porém, havia previsto 13 credenciais. Entre os veículos escolhidos pela equipe de Bolsonaro estavam as emissoras de TV Globo, Record, Band, EBC e SBT, as agências de notícia Bloomberg, Reuters e AFP, a rádio Jovem Pan, os portais BBC Brasil e Metrópoles e os jornais O Globo e O Estado de S. Paulo.

Tanto a Record quanto a EBC puderam levar dois profissionais —o que excedia o número de jornalistas esperado pelo governo americano. O Planalto havia informado inicialmente que somente uma pessoa de cada veículo poderia entrar no resort.

Os profissionais escolhidos para acompanhar o encontro deixaram Miami às 16h08 locais (18h08 no horário de Brasília) em direção a Mar-a-lago divididos em duas vans. A Folha não pôde embarcar.    

Dos veículos brasileiros que possuem correspondentes nos EUA, somente a Folha ficou de fora do grupo.

A Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República) afirmou que o critério utilizado para a formação da lista dos profissionais que iriam a Mar-a-Lago era o veículo fazer a cobertura diária do Planalto.

A Folha tem dois ou mais repórteres responsáveis por cobrir o Planalto todos os dias. A BBC Brasil e a AFP, por sua vez, não possuem jornalistas em tempo integral na cobertura da Presidência.

De início, outras explicações haviam sido dadas à reportagem da Folha: segundo uma integrante da Secom, o governo americano havia pedido a lista de profissionais muito em cima da hora, e o Planalto enviara os dados que chegaram primeiro.

Nesta sexta-feira (6), os jornalistas que iriam participar do grupo designado a cobrir o jantar receberam ligações de integrantes do Itamaraty, que requisitavam informações como data de nascimento e país de residência de cada um.

Os jornalistas passavam os dados pedidos individualmente, à medida em que eram requisitados por telefone, e a Folha não foi contatada em nenhum momento.

O governo brasileiro foi informado oficialmente há dias de que a Folha estaria na Flórida para fazer a cobertura da viagem presidencial.

Durante briefing à imprensa brasileira, na manhã deste sábado (7), o Itamaraty disse que o Planalto havia feito a seleção dos veículos e que não tinha autorização para divulgá-los.

A integrante da Secom afirmou ainda que a Folha deveria estar no grupo e que tentaria reverter a situação —o que não aconteceu.

A correspondente da BBC Brasil em Washington também não havia sido contatada pelo Itamaraty, porém, neste caso, foi incluída na lista após solicitar a participação no grupo.

O presidente Jair Bolsonaro postou, por volta das 21h deste sábado (7), em sua página no Facebook, uma imagem reproduzindo o título da reportagem na qual a Folha noticiou ter sido excluída da cobertura de seu jantar  Donald Trump.

A Folha divulgou a seguinte nota sobre o episódio: “A Presidência mais uma vez discrimina a Folha, o que já se tornou um método de perseguição. O jornal continuará cobrindo esta administração de acordo com os padrões do jornalismo crítico e apartidário que o caracteriza e que praticou em relação a todos os governos.”

O presidente da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Marcelo Träsel afirmou que "uma retaliação nesse formato é inadmissível" e que "não condiz com um governo democrático".

Träsel disse ainda que "faz parte da democracia prestar contas à sociedade. O jornalismo sempre é fiscal de qualquer governo, seja qual for sua orientação".

O presidente da ANJ (Associação Nacional de Jornais), Marcelo Rech, também se manifestou dizendo que o órgão “lamenta e condena a discriminação do Palácio do Planalto contra a Folha de S.Paulo. A Presidência da República deveria se pautar pela atuação de forma impessoal, como exige a Constituição brasileira, sem favorecimentos ou perseguições a veículos de comunicação e jornalistas”.

A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo repudiaram a exclusão da Folha da cobertura do jantar. 

"A Fenaj e o Sindicato consideram que mais uma vez o presidente viola a impessoalidade e a transparência que devem reger a administração pública. Fica explícita a perseguição e a discriminação contra um determinado órgão de imprensa, a Folha. O presidente Bolsonaro persegue a imprensa por querer impedir a divulgação de fatos e notícias que simplesmente desagradam o seu governo", diz Paulo Zocchi, presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo e vice-presidente da Fenaj.

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) também se manifestou. Segundo o presidente do órgão,  Paulo Jeronimo de Sousa, "mais uma vez o Presidente Bolsonaro mostra não ter a dimensão do cargo que ocupa. Age como se a Presidência da República fosse um brinquedo privado seu. Esse tipo de discriminação contra um veículo da dimensão da Folha de S.Paulo é inaceitável".  

No fim de 2018, o governo Trump foi alvo de críticas após ordenar a retirada das credenciais de um jornalista da CNN, Jim Acosta, impedindo que ele entrasse na Casa Branca.

A decisão foi tomada após um bate-boca entre o repórter e o presidente americano durante uma entrevista coletiva. A Justiça, porém, barrou a medida e obrigou o governo americano a manter as credenciais.

Em entrevista para a Folha no ano passado, Acosta afirmou que líderes ao redor do mundo tem imitado Trump ao realizar ataques à imprensa.    

Colaborou Marília Miragaia 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.