Leitores cobram governo e pedem soluções para os problemas da Amazônia

Caso do fotógrafo vítima de racismo, Chico Buarque e funcionalismo público também foram temas de comentários

Amazônia
O Brasil não tem condições de sustentar sozinho a incomensurável extensão territorial da Amazônia (“Desmatamento na Amazônia cresce 96% em setembro, indicam alertas do Inpe”, Ambiente, 11/10). Os problemas de grande escala exigem outras soluções que certamente não são os remendos malfeitos de todos os governos, sem exceção.
Regina Ulhoa Cintra (São Paulo, SP)

Área desmatada na região de Altamira, no estado do Pará
Área desmatada na região de Altamira, no estado do Pará - João Laet - 28.ago.19/AFP


O Bolsonaro vai dizer que é fake news e vai fechar o Inpe de forma definitiva.
Wagner Nobuo Hanaoka (São Paulo, SP)

E o Mourão na Itália contando lorotas sobre o desmatamento para representantes do papa. Como se os representantes do papa não soubessem ler jornais.
Joaquim Salomão (Curitiba, PR)

Alguém tem ideia do que sejam 1.500 quilômetros quadrados de devastação florestal? É muito sério esse problema, e Bolsonaro faz de conta que não ouve o clamor no mundo inteiro. O pior de tudo é que essa negligência provoca o efeito cascata sobre outras florestas brasileiras, igualmente devastadas.
Humberto Navarro de Mesquita (São Paulo, SP)


Petróleo
Dá até medo de quando começar a exploração do pré-sal e em outras área de reserva marinhas (“Mancha de óleo de 21 quilômetros quadrados se aproxima da Bahia”, Ambiente, 11/10). As mineradoras também nos deram toda a garantia de segurança de suas barragens, né?
Bruno Silva (Cândido Mota, SP)

Não vejo como proposital, mas como acidental o derramamento de óleo que atingiu (e continua atingindo) praias do Nordeste (“Simulações apontam que origem do óleo está em alto-mar”, Ambiente, 12/10). Como ninguém viu, não sabemos hoje e talvez não saibamos nunca quem foram os responsáveis. Como não temos controle ou vigilância, isto pode se repetir.
Carlos Guimarães (Curitiba, PR)


Direita
Não precisamos de partidos ou de ideologias, mas de emprego pleno, segurança, saneamento básico, saúde e educação pública de qualidade (“Em meio a racha no PSL, Eduardo Bolsonaro vê como normal depuração na direita”, Poder, 11/10). Certamente, não conseguiremos nada disso neste governo austero. Ideologia é para os ricaços e para os funcionários públicos da classe média; o povo precisa urgentemente de atenção e cuidados.
Jarbas Vasconcelos (Fortaleza, CE)


Funcionalismo
O problema não é o funcionário concursado (“Banco Mundial recomenda que Brasil limite salário de servidor e reduza contratações”, Mercado, 9/10). O maior problema são os políticos e seus indicados, que custam uma fortuna e não produzem nada.
João Leite (Osasco, SP)

Nem precisava do Banco Mundial para chegar a essa conclusão. Sabemos que os servidores dos altos escalões são um sumidouro de dinheiro público. Eles são de outra casta. Nem os países ricos se dão a esse luxo.
Graça Almeida (Belo Horizonte, MG)

Não é preciso ser gênio para perceber que precisamos de um serviço público eficiente e menos oneroso, mas o lobby e privilégios a serem derrubados são muitos.
João Schneider (Novo Hamburgo, RS)


Chico Buarque
É triste para o artista brasileiro Chico Buarque ter que ser governado por um presidente tosco e casca grossa, como ele mesmo se proclama (“‘Até 31 de dezembro de 2026, eu assino’, diz Bolsonaro sobre prêmio a Chico Buarque”, Ilustrada, 8/10). Mas, Chico, você já cantou “vai passar...”. Paciência, pois ele também passará.
Ruy Campos Leal (Salvador, BA)

A obra de Chico Buarque é genial e fala por si só. Não precisa do aval de ninguém, muito menos de um aculturado como Bolsonaro.
Mario Donizete Pelissaro (Atibaia, SP)

Enzo
Muito bom (“Com próteses e tênis que brilha, garoto deixa de andar de joelhos em plena semana da criança”, Cotidiano, 11/10)! Parabéns a todos os envolvidos, e principalmente à Rede Lucy Montoro pelo excelente trabalho, que deveria ser mais divulgado.
Felício Antonio Siqueira Filho (São José do Rio Preto, SP)

Parabéns ao garoto, ao pai e aos demais envolvidos. Excelente matéria para aquecer o coração nessa comemoração do Dia das Crianças.
Edvaldo de Souza Almeida Júnior (Rancharia, SP)

Fotógrafo negro
Será que isso teria acontecido comigo, um branquelo, que já foi fotógrafo profissional e hoje é um ávido fotógrafo amador digital? É preconceito puro desses moradores de Jundiaí. Nossa sociedade é racista e preconceituosa (“Jovem negro sai para praticar fotografia e é perseguido como suspeito por moradores” (Cotidiano, 10/10).
José Cláudio Davies da Silva (Rio de Janeiro, RJ)

O fotógrafo Gabriel Souza, 17
O fotógrafo Gabriel Souza, 17 - Arquivo Pessoal

Creio que esse caso tão deprimente só não teve um desfecho pior por causa do morador que identificou Gabriel e tratou de alertar seu pai a tempo de evitar consequências desastrosas.
Valéria Vieira (Rio de Janeiro, RJ)

Sou fotografa há 20 anos e sou ruiva. Já fotografei casas em bairros nobres a torto e a direito e jamais me trataram como suspeita. Se Gabriel não fosse negro, jamais o teriam tratado como suspeito.
Karina Santiago (Brasília, DF)


Brasil na OCDE
De que foi mesmo que Bolsonaro abriu mão para tentar receber apoio dos EUA para a OCDE? O Brasil tinha uma condição especial na OMC, que Bolsonaro entregou a troco de nada. Ridículo!
Arnaldo Luiz Ryngelblum (São Paulo, SP)


Reabilitação
Se o mundo entrar em uma nova crise econômica, o Brasil vai junto. Se já está duro sair do buraco, mesmo com o mundo ter crescido, em média, 3%, imagine uma crise mundial (“Guedes diz que Brasil sai da clínica de reabilitação enquanto mundo desacelera”, Mercado, 10/10).
Ricardo José Piccolo (Jundiaí, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.