Leitora questiona se R$ 2.800 é boa remuneração para professor em SP

Governador João Doria (PSDB) afirmou que professores da rede estadual paulista são bem pagos

Professores em São Paulo
O professor é bem remunerado com R$ 2.800 para 40 horas de trabalho (“‘SP não paga professor para ficar em casa tomando suco de laranja’, diz Doria”)? Quando eu penso no tanto de professores que votaram nele...
Viviane Freitas Santos (Feira de Santana, BA)

 

Como conseguimos, décadas depois de décadas, continuar com péssimos políticos a governar cada ente da nação?
Marcos Prado Masliaev (Macaé, RJ)

Por R$ 2.800 por mês, é melhor vender suco de laranja.
Cacilda Lopes dos Santos (São Paulo, SP)


Agressões dos Bolsonaros
Reinaldo Azevedo cada dia mais sensato (“Congresso tem de cassar Eduardo e Flávio e de convocar Heleno”). Alguma medida efetiva precisa ser tomada. Eles usam os próprios recursos democráticos para implodir a democracia. Esse tipo de inversão é uma nuance sofisticada que requisita alguma capacidade de reflexão. 
Débora Lázaro (São Paulo, SP)

Os irmãos Eduardo (esq) e Flávio Bolsonaro - Adriano Machado/Reuters


A manutenção dos descalabros promovidos pelos Bolsonaros contra a democracia é um grave risco. Infelizmente, os interessados na manutenção de seu status quo na política brasileira não agem na dimensão de seu dever constitucional e institucional.
Américo Venâncio Lopes Machado Filho (Salvador, BA)

E desde quando os integrantes do  Congresso são paladinos da democracia? Só querem muitos direitos e poucos deveres, ganham muito e pouco produzem. Em sua maioria são incompetentes e cínicos.
João Mucci (Ponte Nova, MG)


Fábrica da Tesla
Ninguém precisa gostar do governo de Jair Bolsonaro, mas, como brasileiros, devemos torcer pela industrialização do país e pela geração de emprego e renda para os trabalhadores (“Bolsonaro confirma viagem aos EUA para tentar trazer fábrica da Tesla para o Brasil”).
Paulo Rivail Andrade (Ituiutaba, MG)

A Tesla não fabrica carros para a classe média, muito menos “carros populares”. Uma eventual fábrica aqui no Brasil mudaria muito pouco nossas opções de consumo. Melhor seria trazer uma chinesa que fabrique carros elétricos por menos de R$ 30 mil.
Eduardo Luís Figueiredo de Lima 
(Campo Grande, MS)


Crescimento econômico
Com uma política voltada a tirar dos pobres e dar aos ricos é impossível o Brasil ter crescimento (“Bolsonaro cobra Guedes a entregar crescimento mínimo de 2% neste ano”). Se tivéssemos mais dinheiro nas mãos dos pobres, poderíamos garantir que o crescimento econômico estaria absolutamente assegurado. Se as aposentadorias aumentassem de valor e se mais pessoas estivessem com renda, certamente a economia estaria crescendo. Dinheiro nas mãos dos ricos fica guardado apenas rendendo juros.
Marcelo Silva Teixeira (São Paulo, SP)

Enquanto não houver forte investimento, não cresceremos vigorosamente. O investimento não cresce porque há risco, consistente, de descontrole da dívida publica, que sustenta o déficit público. Com a reforma da Previdência, um passo importante foi dado para a diminuição desse déficit, mas somente com o equilíbrio orçamentário haverá investimento grosso, em escala suficiente para fazer o país crescer. Essa é a matemática da coisa, o resto é conversa mole.
Paulo Della Vedova (Mogi das Cruzes, SP)


Lei do impeachment
Hélio Schwartsman está errado (“Um ferrabrás ferrando o Brasil”). Bolsonaro tem que ir até o fim do mandato, para mostrar o enorme erro dos eleitores avulsos, que não o conheciam, não conheciam a família dele e, mesmo assim, votaram nele. Jair Bolsonaro tem que aprontar muito até o último dia de mandato.
Camila Lopes (São Paulo, SP)

Essa lógica de que “o impeachment só costuma acontecer quando a economia se deteriora” é absurda. A economia está estagnada, com desemprego persistente de dois dígitos e queda nos rendimentos e no emprego formal. Sem perspectivas de melhoras. Mesmo que a economia estivesse melhor, não se pode vincular o entendimento de que foram ou não cometidos crimes de responsabilidade a uma circunstancial melhora nos índices econômicos.
Marcelo Goldenstein (Rio de Janeiro, RJ)

E lá vamos de golpe em golpe, sem que os atores assumam a responsabilidade por termos chegado até aqui. Lutei contra o impeachment, lutei contra Temer e luto todos os dias contra Bolsonaro, mas reconheço que ele foi eleito e que o jogo democrático deve ser respeitado. A posição do colunista é hipócrita.
Maria Gouvea (Belo Horizonte, MG)


Polícia
Fernando Haddad coloca em destaque um ponto importante, que as gerações recentes parecem desconhecer: o que, hoje, são as polícias militares, eram, originariamente o “exército” dos governadores (“Polícia). Não tinham atribuições policiais quanto à sociedade civil. Essas atribuições foram exacerbadas à aberração no regime militar e mantidas, após a redemocratização, por equívoco da Constituição de 1988.
Jesse Grimberg (Porto Alegre, RS)

A PM precisa acabar.
Camila Falcão Almeida (São Paulo, SP)


Mulheres evoluídas

A psicanalista e colunista da Folha Vera Iaconelli - Bruno Santos - 22.fev.19/Folhapress

Concordo plenamente com Tati Bernardi (“Vera Iaconelli: uma esperança”), os homens que corram atrás de dar conta das mulheres evoluídas.
Ruze Robelli Vasconcelos Oliveira 
(Contagem, MG)


Folha, 99
Vida longa para o jornalismo corajoso, criativo, ético, democrático independente e respeitoso à diversidade. Parabéns à Folha pelo trabalho constante em prol do direito à informação do cidadão. Parabéns pelos 99 anos de dedicação ao leitor. Que o olhar atento e a busca da verdade, doa a quem doer, sejam sempre os nortes existenciais inarredáveis do jornal, absolutamente essencial para a vida saudável de nossas instituições. 
Roberto Livianu, procurador de Justiça do MP-SP e presidente do Instituto Não Aceito Corrupção (São Paulo, SP)

Gostaríamos de parabenizar a Folha pelos seus 99 anos de história. São quase cem anos de transformações, produzindo jornalismo de qualidade e mantendo a sua relevância social, como um dos veículos de informação mais importantes do país.
Fábio Neves, diretor-presidente da Epson do Brasil (São Paulo, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​   ​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.