Não temos uma ditadura, diz Glenn após Bolsonaro falar sobre sua eventual prisão

'Talvez pegue uma cana aqui no Brasil', disse o presidente sobre fundador do site The Intercept Brasil

Marina Gama Cubas
São Paulo

O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, afirmou neste sábado (27) que a declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre sua eventual prisão não faz nenhum sentido. 

Após evento no Rio de Janeiro, em entrevista na manhã deste sábado, Bolsonaro disse que o jornalista “talvez pegue uma cana aqui no Brasil'. O Intercept tem publicado desde 9 de junho reportagens com base em diálogos vazados do ministro Sergio Moro e de procuradores da força-tarefa da Lava Jato.

“Ao contrário do que Bolsonaro deseja, não temos uma ditadura, temos uma democracia e para prender alguém é preciso mostrar evidencia de que a pessoa que você quer prender cometeu algum crime”, disse  Glenn à Folha.

“O Bolsonaro não tem o poder para mandar pessoas serem presas por motivos políticos sem evidência de que a pessoa tenha cometido um crime. Ele quer ter, mas não tem”, completou o jornalista.

O jornalista Gleen Greenwald, do site The Intercept Brasil, durante audiência na CCJ do senado
O jornalista Gleen Greenwald, do site The Intercept Brasil, durante audiência na CCJ do senado - Pedro Ladeira/Folhapress, 11.jun.2019

Glenn é cidadão dos Estados Unidos e mora no Rio de Janeiro. Ele é casado com um brasileiro, o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ), com quem tem dois filhos adotivos, também nascidos no país.

Bolsonaro, no mesmo evento no Rio de Janeiro, chamou o jornalista e seu marido de malandros por terem se casado e adotado duas crianças no país.

“Isso é totalmente maluco porque o David e eu estamos casados há quase 15 anos. Peguei meu visto de permanência, baseado em nosso casamento, entre 2006 e 2007”, disse Glenn.

Presidente Jair Bolsonaro durante evento no RIo neste sábado (27) - Marcos Corrêa/Presidência da República

Ao chamar os dois de "malandro", Bolsonaro fazia referência a uma portaria publicada por Moro, nesta sexta-feira (26), que estabelece um rito sumário de deportação de estrangeiros considerados "perigosos" ou que tenham praticado ato "contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal".

“Evidentemente Bolsonaro acha que tenho poder para prever o futuro, que depois de mais de dez anos eu precisaria dessa proteção para não ser deportado. É quase insana essa teoria.”

Segundo Glenn, em 2005, ano em que se casou, ele trabalhava como advogado e não atuava como jornalista. “Pensar que o motivo de eu casar com o David é que 15 anos depois eu me tornaria jornalista e precisaria dessa proteção é algo que só quem é totalmente maluco falaria.”

Ele ainda comentou a adoção de seus filhos. “É totalmente ridícula [essa teoria]. Ninguém adotaria dois filhos, que é preciso cuidar em todos os aspectos, para ter uma vantagem sobre a lei”.

O jornalista e o Intercept têm dito que não fazem comentários sobre suas fontes. Sobre sigilo da fonte, o artigo quinto da Constituição afirma: "É assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional".

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) repudiou a fala de Bolsonaro e, em uma rede social, afirmou ver risco à liberdade de expressão.

"Ao ameaçar de prisão um jornalista que publica informações que o desagradam, o presidente Bolsonaro promove e instiga graves agressões à liberdade de expressão", declarou a entidade.

"Sem jornalismo livre, as outras liberdades também morrerão. Chega de perseguição", acrescentou a Abraji, promovendo a hashtag #defendaojornalismo.

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) também se manifestou em defesa de Glenn após a fala de Bolsonaro e endossou a resposta do jornalista ao presidente. Em nota, a entidade disse que ele é alvo de intimidação e criticou a portaria assinada pelo ministro da Justiça.

"A ABI está acompanhando o caso e tomará medidas, no campo judicial, caso a portaria seja usada para atingir Greenwald, em mais um caso de arbítrio e de atentado à liberdade de imprensa", afirmou a organização.

Época de exceção

Em conversas privadas neste sábado, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) criticaram as declarações de Bolsonaro e disseram que ela remete aos tempos da ditadura militar (1964-1985), época da história brasileira frequentemente exaltada pelo presidente da República.

Eles lembraram que, embora um presidente tenha muitos poderes, segundo a Constituição, não há nenhum lastro que o permita influenciar ou determinar a prisão de alguém, o que é uma atribuição do Poder Judiciário, respeitada a legislação vigente.

Avançar além disso, na visão desses ministros, representa um cenário que se assemelharia ao da época de exceção, situação inimaginável no atual ordenamento jurídico.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.