Descrição de chapéu Folha, 100 E eu? jornalismo

Série E Eu? aponta falhas do jornalismo na cobertura da diversidade brasileira

Entrevistados descrevem problemas na abordagem de questões de raça, gênero e religião

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Indígenas, negros, refugiados, pessoas com deficiência. Evangélicos, pais de santo. Homossexuais, transexuais. Moradores das muitas periferias do Brasil.

Esses são alguns dos grupos sociais sub-representados não apenas nos altos escalões de empresas e órgãos públicos como na própria imprensa, incluindo esta Folha. Na série E Eu? – O Jornalismo Precisa me Ouvir, membros dessas parcelas da sociedade comentam a relação com a mídia e expõem as barreiras que dificultam suas ações nas esferas pessoal e profissional.

Com depoimentos em vídeo e em texto, a série integra os projetos do centenário da Folha. Assista o trailer.

No total, 13 integrantes desses grupos discutem as falhas mais recorrentes que percebem na forma como a imprensa noticia —ou não noticia— assuntos que dizem respeito a eles.

Também apontam episódios de preconceito e desinformação, embora em alguns casos vejam uma lenta melhora no panorama geral, como afirma Amara Moira, escritora e ativista do transfeminismo. “Hoje você vê a palavra travesti e não tem mais certeza de que o texto fala sobre assassinato, como há 40 anos.”

Ainda assim, vozes da periferia, como a de Eduardo Lyra, fundador do instituto Gerando Falcões, seguem sendo não apenas pouco ouvidas como também pouco compreendidas pelos jornalistas. “A imprensa ainda não entende a periferia.”

Aliás, as periferias. A dificuldade de abordar a complexidade das múltiplas periferias aparece também no âmbito religioso, como diz Jackson Augusto, ativista da teologia negra, que critica a miopia daqueles que não percebem as diferenças entre as várias manifestações da fé evangélica no Brasil.

A jornalista e pesquisadora Bianca Santana, autora de “Quando Me Descobri Negra”, critica a falta de contexto do noticiário, que “contribui para a continuidade do genocídio negro no Brasil”.

É o que acontece, diz ela, quando histórias de violência contra negros, por exemplo, não aparecem articuladas às questões estruturais, como desigualdade, preconceito e as deficiências da educação e da saúde

Para o integrante do movimento Entregadores Antifascistas Paulo Roberto da Silva Lima, o Galo, o problema não é o jornalista em si, mas “como o jornalismo funciona”. Como criticar as empresas que pagam os anúncios que sustentam as Redações?, ele questiona.

Surgem também críticas à cobertura da realidade das mulheres brasileiras. "A linguagem jornalística tem preocupação com a objetividade", afirma a poeta Stephanie Borges, "mas até que ponto isso não reforça a violência? Ao usar construções como 'suposto estupro', você coloca a palavra da denunciante em dúvida quando existem agressões óbvias".

Além disso, o jornalismo não dá a devida atenção à sexualidade de mulheres mais velhas, segundo a escritora e palestrante Isabel Dias.

Ao comentar reportagens sobre pessoas com deficiência, a atriz e ativista Tabata Contri diz que as "narrativas de superação" terminam por distorcer a imagem dessa parcela da população.

Para Veronica Oliveira, ex-faxineira e influencer, a representação caricata no jornalismo também afeta trabalhadoras domésticas. "Sempre tem uma reportagem do tipo 'filho da faxineira se formou em medicina'. Qual é a importância de dizer que é o filho da faxineira?", questiona.

A questão indígena também é tema da série. "A imprensa precisa olhar mais a fundo para as irregularidades que o governo comete", afirma o ativista Thiago Karai, para quem os jornais brasileiros, afastados da realidade dos povos originários, terminam por contribuir "para a destruição".

Há ainda pautas tratadas como secundárias, como a homofobia no futebol. Para o jornalista e escritor João Abel, a imprensa deveria discutir o que acontece fora de jogo e lembrar que o esporte "não está à parte da sociedade".

"Jornalistas precisam entender que não somos todos iguais", afirma o engenheiro sírio radicado no Brasil Talal al-Tinawi, para quem a imprensa deveria saber diferenciar histórias de imigrantes de origens diferentes, como sírios, haitianos e venezuelanos.

Todos os depoimentos foram gravados no auditório da Folha, no centro de São Paulo, ao longo de janeiro de 2021.

Assista a todos.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.