Descrição de chapéu Coronavírus

Lucro com propósito e pesquisa colaborativa devem sair fortalecidos da pandemia

Para professor, plantas medicinais brasileiras ganharão espaço na busca por tratamento da Covid-19

Rodrigo Tavares

[RESUMO] Professor afirma que haverá uma revalorização do passado depois da pandemia de coronavírus —atividades sociais se enraizarão nos lugares, mercado incentivará empresas sustentáveis e haverá domínio da área médica. Riquezas brasileiras, como a biodiversidade da Amazônia, poderão contribuir em um mundo ameaçado por novas epidemias.

Todos passaram a estar de acordo. Ao presidente e ao ex-ministro, juntam-se os orixás e os terminais da Bloomberg, terraplanistas e instruídos. Todos formam um novo caudal de unanimidade em torno de uma certeza: a Covid-19 promoverá uma transformação na forma como trabalhamos, socializamos e nos comportamos.

Antecipar a mudança virou uma banalidade, própria de quem prevê um terramoto com a terra a sacudir debaixo dos pés. A recorrência de novos vírus acabará por perpetuar muitos dos corretivos que fomos obrigados a imprimir nos últimos meses.

E se o mundo do futuro, no entanto, for feito de passado? E se ao enfrentarmos, titubeantes, o que há de vir tivéssemos que dar, corajosamente, passos para trás?

A maior transformação que nos espera está relacionada com a municipalização e a domesticação das nossas atividades sociais e profissionais. A casa, o bairro, a cidade passarão a ser o nosso epicentro, a partir do qual nos relacionaremos remotamente com o mundo. Cada quarto será o aeroporto de Guarulhos, cada sala um escritório em Manhattan, cada cozinha um restaurante em Saint-Tropez.

Ferramentas como Zoom, Skype ou Teams são analógicas perante as soluções que se popularizarão de "holoportation", realidade virtual 4D ou realidade aumentada, potenciadas por 5G e IoT (internet das coisas). Trabalhar remotamente em casa será uma atividade cada vez mais produtiva e eficiente. Trabalhos fabris, repetitivos e mecânicos, serão feitos por robôs, desobrigando os mais pobres de imitar Moisés com travessias laboriosas.

O pacto federativo de 1988 talvez tenha que ser adaptado a uma nova realidade municipal, na qual os prefeitos terão poder presidencial e as cidades representarão os interesses das suas comunidades perante o mundo. Continuaremos a manter todo o tipo de etiquetagem social, adicionaremos à pobreza os tecnoexcluídos, mas passaremos a ter consciência da proximidade física do outro. Milhões de brasileiros periféricos já sabem o que significa viver em comunidade, mas vários outros milhões quiçá comecem a aprender o nome do vizinho.

Nesse quesito, talvez voltemos ao Brasil pré-industrial. Só nas últimas gerações é que os brasileiros se tornaram leais à imensidão brasileira e começaram a dissociar o significado de longe do alcance dos seus olhos. Até lá a sua identidade era municipal ou regional, e a sua vida se condensava em comunidades locais.

As famílias brasileiras descendentes de colonos eram mais extensas que as famílias nucleares contemporâneas. Cada célula familiar não terminava no limite da consanguinidade, estendendo-se para trabalhadores livres, comerciantes locais e vizinhos. Essa é uma realidade descrita por Gilberto Freyre, em alusão às estruturas familiares da lavoura pernambucana.

Mesmo nos polos urbanos, como São Paulo, povoados por famílias desmembradas pelo oceano Atlântico, o número de "famílias aumentadas" chegava a 25%, de acordo com o Censo de 1836.

As empresas terão também que se adaptar à hiperlocalização, customizando produtos e serviços às necessidades de cada micromercado e acelerando o seu caminho em direção ao propósito social. Tanto o mercado financeiro quanto a economia real continuarão a ser mobilizados pela maximização do lucro, mas enveredarão por novas artérias para atingi-lo.

O fluxo global de capitais e a análise de risco e de lucro de ativos financeiros incorporará, cada vez mais, informações relacionadas ao perfil social, ambiental e de boa governança (ESG, na sigla em inglês) desses ativos. Não é romantismo, é realidade. Atualmente, dos US$ 85 trilhões (R$ 470 trilhões) geridos pelo mercado financeiro, cerca de US$ 30 trilhões (R$ 166 trilhões) já são investidos com algum tipo de consideração a riscos e oportunidades ESG.

Se, em meio a esta pandemia, compararmos a performance dos principais índices de ações de companhias com alto perfil de sustentabilidade com empresas com baixas credenciais ambientais, concluímos que os primeiros têm resultados superiores entre 0,5% e 2%.

Essa revolução silenciosa no capitalismo, em movimento há cerca de uma década e acelerada com a Covid-19, representa outro regresso ao passado. Nesse caso, longínquo. A primeira empresa se chamava Kongō Gumi e foi fundada no Japão em 578. Na Europa, as primeiras companhias privadas foram os primeiros restaurantes, pubs e casas de vinho, estabelecidas na Áustria, Irlanda e Alemanha nos séculos 9 e 10.

Mais tarde vieram as guildas medievais que representavam associações de profissionais (carpinteiros, ferreiros ou marceneiros). Essas empresas tinham que ser autorizadas por um decreto real, emitido seletivamente a atividades econômicas que pudessem contribuir para o desenvolvimento social. Até a sua decadência no século 16, as guildas faziam trabalho filantrópico e ocupavam-se da construção de habitação popular, escolas, estradas e igrejas.

No Brasil, o alvará de criação do Banco do Brasil, assinado pelo príncipe regente Dom João em 1808, apresentou a incipiente instituição financeira, e uma das primeiras empresas no país, como “um estabelecimento tão útil e necessário ao bem comum”. Em um mundo pós-Covid-19, só deverão sobreviver as empresas que consigam combinar lucro com propósito, ordenando todo o valor gerado pela economia, pela sociedade e pelo meio ambiente.

Muitas dessas empresas operarão na área da saúde. Se a pandemia expôs a nudez dos sistemas de cooperação global entre governos e revelou a ausência de estadistas globais, evidenciou também a capacidade de cientistas e empresas na área da saúde de cooperar. Em poucos meses abriram-se avenidas de diálogo entre comunidades científicas internacionais, onde antes só havia ilhas nacionalistas e territorialismo catedrático.

Pela calada do dia, romperam-se protocolos, burocracias e segredos comerciais em nome da cura. A rivalidade doentia de Koch e Pasteur no século 19 deu lugar à microbiologia cooperativa de 2020. Em breve, muitos alvéolos científicos acabarão por reemergir, mas o mundo pós-Covid-19 será marcado pelo domínio da área médica. Nanotecnologia, biotecnologia ou engenheira genética, todas aplicadas à medicina, serão os instrumentos que acionaremos para enxotarmos o nosso medo primal da morte.

Se no Brasil as gerações mais velhas cresceram com a insegurança da moeda e da inflação, e as gerações mais novas com a insegurança ligada ao crime e às drogas, as próximas gerações poderão ter que viver com a insegurança de surtos pandêmicos. Estaremos sempre correndo atrás da descoberta de novas curas para novos vírus, e muitos dos ingredientes para essas curas brotarão da própria natureza.

Um estudo publicado no mês passado no Journal of Pharmaceutical Analysis demonstra que nove plantas usadas na medicina tradicional chinesa têm capacidade de inibir a replicação do Sars-CoV-2 (o vírus que causa a Covid-19). Outros estudos têm se debruçado no potencial curativo da quercetina, um flavonoide natural presente em cebolas vermelhas e couve-de-folhas.

Se a busca de uma solução clínica para a Covid-19 passar por elementos naturais, então faremos mais uma viagem ao passado. Centenas de anos de medicina tradicional brasileira, indígena e não indígena, nos apresentaram milhares de plantas com propriedades médicas. Mais de 70% das plantas identificadas pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos como tendo características anticancerígenas são nativas de florestas tropicais.

A quinina, um alcaloide usado no tratamento da malária, é extraído da casca da quina, uma árvore popular na mata atlântica e na Amazônia. Vários cientistas brasileiros, com laboratórios no Brasil ou nos EUA, como André Kalil ou Kleber Franchini, também estão no pelotão da frente na busca de uma solução para a Covid-19.

Se algum ingrediente natural ou acadêmico brasileiro der alguma contribuição significativa para a prevenção ou tratamento global dos novos coronavírus, o presidente tudo fará para se aproveitar politicamente da descoberta, mesmo que tenha que amar o que odeia: a ciência e a Amazônia.

Nesse caso, fará um pacto com o cientista Lavoisier: não só na natureza, mas também na política, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.


Rodrigo Tavares, fundador e presidente do Granito Group, é professor de finanças sustentáveis na Nova School of Business and Economics, em Portugal. Foi nomeado jovem líder global pelo Fórum Econômico Mundial.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.