Samuel Wainer foi atacado por desafiar pilares da imprensa, diz biógrafa

Karla Monteiro discute papel do jornalista na modernização do setor e sua ligação com Getúlio e Jango

No episódio desta semana, o Ilustríssima Conversa, podcast da Folha em parceria com o Itaú Cultural, recebe a jornalista Karla Monteiro, autora de “Samuel Wainer, o Homem que Estava Lá”.

A biografia, publicada pela Companhia das Letras, apresenta um retrato minucioso da trajetória de um dos nomes mais importantes da imprensa brasileira no século 20.

Fundador da Última Hora, que revolucionou o jornalismo na década de 1950, Samuel Wainer levantou a bandeira de que os jornais deveriam ter lado —e nunca tentou esconder o seu, enraizado nos ideais do trabalhismo e do nacionalismo que Getúlio Vargas encarnava.

Na conversa com o repórter Eduardo Sombini, a autora tratou das origens do jornalista, nascido no Leste Europeu, e da intimidade que construiu com o poder —a criação da Última Hora só foi possível devido a Getúlio, que proporcionou empréstimos públicos e investimentos de empresários que o apoiavam, e Wainer foi um personagem importante nas articulações para preservar o governo João Goulart antes do golpe de 1964.

Karla Monteiro sentada em uma cadeira
Retrato de Karla Monteiro, autora de 'Samuel Wainer: O Homem que Estava Lá' - Acervo pessoal

Karla Monteiro também discutiu as críticas que Wainer sofreu ao longo da vida. Para ela, o jornalista sofreu a maior campanha de desmoralização que já se viu na imprensa brasileira por ser um outsider no meio e desafiar, com um veículo à esquerda, a história única que se via nos jornais da época.

O Ilustríssima Conversa está disponível nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

Já participaram do Ilustríssima Conversa Muryatan Barbosa, autor de livro sobre a história do pensamento africano; Júlio Delmanto, que discutiu os primeiros usos do LSD e a repressão à substância; Elena Brugioni, que tratou de literaturas africanas e descolonização do imaginário; Marta Arretche, que debateu as desigualdades e as políticas sociais no Brasil; Sérgio Augusto, que discutiu os rumos do cinema em meio à pandemia de coronavírus; Sidney Chalhoub, que lembrou a politização de epidemias ao longo da história; Gilberto Nascimento, que abordou o crescimento da Igreja Universal e a ascensão política de Edir Macedo; Eliane Robert Moraes, que discutiu a censura ao sexo nas artes; Sueli Carneiro, que falou sobre a relação entre as questões de raça e gênero no Brasil; Sérgio Adorno, que tratou do surgimento do liberalismo no Brasil, entre outros.

A lista completa de episódios está disponível no índice do podcast. O feed RSS é https://folha.libsyn.com/rss.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.