Descrição de chapéu Rússia Europa Belarus

EUA mandam tropas para reforçar Leste Europeu contra a Rússia na Ucrânia

Movimentação é simbólica, mas marca escalada grave na crise; Kiev não receberá militares

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, determinou nesta quarta-feira (2) o envio de 2.000 soldados do seu país para a Polônia e a Alemanha, escalando ainda mais a crise com a Rússia em torno da Ucrânia.

Outros mil militares do país que estão na Europa serão reposicionados para a Romênia, país ex-comunista no leste do continente. "É importante que enviemos um sinal forte ao senhor [Vladimir] Putin", disse o porta-voz do Pentágono, Jack Kirby, em referência ao presidente russo.

Tanque participa de exercício conjunto entre Rússia e Belarus em região ao norte da Ucrânia
Tanque participa de exercício conjunto entre Rússia e Belarus em região ao norte da Ucrânia - Ministério da Defesa da Rússia/Reuters

Numericamente, o deslocamento significa pouco ante os cerca de 130 mil soldados russos que cercam a Ucrânia, segundo a mais recente estimativa ocidental, em uma mobilização que começou em novembro.

Politicamente, porém, a sinalização é grave. Biden havia deixado de sobreaviso 8.500 soldados, nos EUA e na Europa, para esse tipo de reforço, antes cogitado apenas no caso de os russos agirem contra a Ucrânia.

O Kremlin protestou. Na véspera, Putin acusou os EUA e a Otan, a aliança militar que Washington lidera contra Moscou desde 1949, de empurrar a Rússia para uma guerra que não deseja. A crise atual, em termos de comprometimento das grandes potências nucleares, já faz par ou até ultrapassa a de 2014.

O ano é chave para entender o que ocorre hoje. O governo pró-Rússia em Kiev foi derrubado, e Putin reagiu anexando a península de maioria russa étnica da Crimeia, além de fomentar uma guerra civil de separatistas da mesma extração no Donbass (leste da Ucrânia).

O resultado foi um conflito que, embora em cessar-fogo precário desde 2015, já matou 14 mil pessoas. Em abril do ano passado, Putin havia mobilizado forças por semanas em exercícios vistos como ameaçadores, tendo percebido uma movimentação de Kiev de tentar reocupar o Donbass.

Foi um aperitivo para novembro. A escalada de forças, na forma de exercícios militares e deslocamento de tropas e armas, parece visar dar credibilidade à ideia de que o presidente russo pode ir novamente às vias de fato.

Ao mesmo tempo, ele nega tal intenção, e com bons motivos: uma guerra seria destrutiva em termos humanos e para a sua economia, além de arriscar sair de controle e envolver países da Otan —a Ucrânia quer, mas não faz parte do clube de 30 nações.

Com a situação colocada, Putin foi além e desenhou num ultimato os termos para alcançar a estabilidade na região. O mais importante, refluir tropas colocadas pela Otan em países ex-comunistas absorvidos na expansão do pós-Guerra Fria a partir de 1999 e vetar de forma perene a entrada da Ucrânia no time.

EUA e Otan, claro, rechaçaram a ideia, mas deixaram abertas portas de negociação sugeridas pelos russos no campo de controle de armas, posicionamento de mísseis de alcance intermediário de lado a lado e monitoramento de exercícios militares.

Um detalhamento da proposta foi publicado nesta terça pelo jornal espanhol El País. O texto sugere também que EUA e Rússia prometem não colocar os referidos mísseis na Ucrânia —uma forma suavizada de dizer que ela não teria armas ofensivas se entrasse na Otan.

O chanceler ucraniano, Dmitro Kuleba, elogiou a ideia, mas acusou a Rússia de ter mísseis do tipo nas áreas rebeldes do Donbass, o que não é preciso.

Putin falou sobre diálogo possível na entrevista que concedeu na terça, mas não citou a desescalada de suas forças. Ao contrário, emergiram novas imagens em redes sociais de reforços em áreas mobilizadas.

O russo conversou nesta terça com Boris Johnson, o atribulado premiê do Reino Unido que visitou Kiev e tenta abafar a crise de seu governo agindo de forma proativa na Ucrânia. Antes do telefonema, um porta-voz do Kremlin disse que Putin falaria com todos, inclusive os "totalmente confusos", citando a "estupidez da política britânica".

A conversa ocorreu de todo modo, com o russo reiterando seus pontos e ouvindo os de Boris, de que a uma invasão seria desastrosa. Ao fim, ambos disseram, no que foram secundados pela chancelaria em Kiev, que é preciso achar uma solução pacífica.

Também na terça o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que conversaria com Biden e que poderia ir até Moscou falar com Putin.

Mas membros do governo russo são claros acerca da eventual necessidade de uma medida militar, ainda que indireta —como o já citado envolvimento com regimes aliados no quintal dos EUA, como Cuba ou Venezuela. Mas o tom beligerante do presidente seguiu alto, e Biden dobrou a aposta agora.

As forças americanas vão operar sob a bandeira da Otan. A aliança hoje já tem cerca de 5.000 tropas multinacionais em quatro países próximos das fronteiras russas: os Estados bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), que foram parte da União Soviética e margeiam as terras de Putin, e a Polônia, vizinha da Belarus que hoje abriga forças russas em exercícios.

Sozinhos, os EUA ainda têm na Polônia cerca 4.000 militares, em instalações diversas.

A questão simbólica colocada é: e se um soldado americano for morto numa escaramuça eventual numa fronteira? Se ele vale o mesmo que um estoniano, uma obviedade, politicamente o peso de um episódio desses muda de patamar, e é isso que Biden quer enfatizar.

Além disso, há a intenção de acalmar os membros orientais da Otan, já críticos da inapetência da Europa em se envolver na crise, até pelos interesses no gás natural russo. Biden e outros líderes ocidentais já deixaram claro que não enviarão tropas para a Ucrânia, mas a ideia de militarizar o entorno visa reforçar a impressão de que a segurança coletiva do bloco será prioridade.

Enquanto isso, países da aliança tentam ajudar o governo de Volodimir Zelenski em Kiev com o envio de armamentos. Os EUA e o Reino Unido, por exemplo, forneceram mísseis guiados antitanque, algo vital no caso de uma invasão blindada do país.

Por fim, Putin viaja na quinta (3) para a China, onde irá ganhar um reforço simbólico tão ou mais importante: o líder Xi Jinping apoia a demanda russa na Ucrânia, assim como recebe suporte russo nos seus interesses no Pacífico, como em Taiwan.

Se não há uma aliança militar formal entre os países, claramente um bloco contra iniciativas ocidentais vem se formando nos últimos anos entre Moscou e Pequim, o que amplia o leque de oportunidades para Putin resistir à pressão econômica de eventuais sanções caso a guerra venha na Ucrânia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.