'Nem na reclusão Lula é capaz de reflexão', afirma leitor

Ex-presidente publicou texto em Tendências / Debates

Seria muito fácil rebater ponto a ponto toda a empáfia megalomaníaca do ex-presidente Lula ("Por que têm tanto medo de Lula livre?"), mas seria pura perda de tempo, já que para Lula e seus seguidores só existe uma verdade. A verdade messiânica do próprio Lula. Nem na reclusão ele é capaz de reflexão.

Luis Coelho do Nascimento Junior (Ribeirão Preto, SP)

Todo o processo foi muito mais midiático do que jurídico. Valeram-se de diversas anomalias para prender Lula e destroçar um símbolo. Não sei se ele sairá dessa, mas seu ideal e sua dignidade permanecem. E isso não é para qualquer um.

João Carlos Albuquerque (Belo Horizonte, MG)

A Folha é um jornal plural, pois abre espaço a todos, de pessoas éticas a rematados facínoras e crápulas. Lula vive em um mundo próprio, onírico, descolado da realidade. Ele e seu discurso demagógico não enganam mais ninguém, exceto seus seguidores mais fiéis.

José Cretella Neto (São Paulo, SP)

Meu repúdio ao meu jornal por ceder espaço a um preso condenado. Como ex-petista, tenho o direito e o dever de protestar. Lula não!

Sandra Regina Rizzo dos Santos (São Paulo, SP)

Tanto a direita quanto a esquerda manipulam a história. A primeira dizendo que 1964 não foi golpe, e o texto de Lula falando que o impeachment de Dilma foi golpe.

Jorge Alberto Quadros de Carvalho Silva (São Paulo, SP)


Colunistas

A deputada federal Tabata Amaral - Greg Salibian/Folhapress

A deputada Tabata Amaral é uma das poucas vozes no real problema do Brasil: a educação. Ótimo o jornal ampliar o espectro para a deputada expressar seus pontos de vista e, talvez, ações. Parabéns a ambos ("Deputada federal Tabata Amaral estreia coluna na Folha nesta segunda (8)").

João Cadamuro Neto (Brasília, DF)

Sugiro que Fernanda Torres dedique seu conhecimento para falar de corte de orçamento da cultura que Doria promete ou da paralisação da atividade audiovisual. É melhor do que defender uma reforma da Previdência que ela desconhece, ou não chamaria o "suicídio dos velhinhos chilenos de novela barata" nem se somaria a eleitores de Bolsonaro pedindo "deixe o homem trabalhar", no caso o inescrupuloso Guedes ("Tchutchuca e Tigrão"). Até tu, Fernanda?

Flávia Aidar (São Paulo, SP)

Fernanda Torres é inteligente e deve ser ouvida, mas é incompreensível e lastimável dispensar a coluna de um escritor do quilate de Cristovão Tezza ("Coluna de Fernanda Torres passa a ser publicada aos domingos"). Fará muita falta sua voz crítica, justa e elegante em textos impecáveis. Entra a bossa carioca. Sai o equilíbrio que veio do sul.

Ana Maria Beghetto Pacheco (Curitiba, PR)

Ilustração
Adams Carvalho/Folhapress

Conciliando delicadeza e contundência, Antonio Prata expõe em "Friagem" o ódio, a intolerância e a estupidez inadmissíveis que grassam atualmente no país, em uma crônica antológica que alinha o escritor à grande e rica tradição brasileira desse gênero.

Paulo Roberto Kiyoto Matsushita (Jundiaí, SP)


100 dias de Bolsonaro

É perfeitamente normal as pessoas adiarem o julgamento por alguns meses, e toda mudança traz certo otimismo para quem não é muito bom em ler sinais. Só isso explica o porquê da avaliação do pior presidente da história ainda estar tão boa ("Após 3 meses, Bolsonaro tem a pior avaliação entre presidentes de 1º mandato").

Nicole Abud (São Paulo, SP)

A Folha mais uma vez confunde e embaralha números para distorcer a manchete ("Aos 100 dias, Bolsonaro tem a pior avaliação de um presidente eleito"). Bolsonaro tem 65% entre ótimo, bom e regular mesmo reformando a Previdência. FHC, que inventou a própria reeleição, Collor e Dilma foram cassados, e Lula, preso, estavam melhores? Como terminaram, o que fizeram, qual foi o lucro do país? Bolsonaro já fez: tirou o Brasil do socialismo e do saqueamento. É o melhor.

Vilnei Herbstrith (Porto Alegre, RS)

A estratégia de Bolsonaro continua, desacreditar a tudo e a todos ("'Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha', diz Bolsonaro"). Somente os seus seguidores acreditam. Consegue ser pior do que a Dilma, incrível.

Luciano Amorim (Penedo, AL)

Está certo o Bolsonaro, a pesquisa é sem credibilidade nenhuma. O presidente está fazendo um ótimo governo, pelo menos para os brasileiros de bem.

Geraldo Pires de Castilho (São Paulo, SP)


Mourão

Se Mourão está com medo de que os problemas sobrem para os militares, por que não renuncia ("Se fosse presidente, escolheria 'outras pessoas' para trabalhar comigo, diz Mourão"? O general se esquece de que foi agregado de última hora, foi eleito de lambuja. Agora, mordeu a isca da esquerda, que fomenta a cisão no governo e diz que ele é bola da vez.

Samuel Gueiros Jr (Santarém, PA)


Pedágio urbano

Redirecionar o "sistema de arrecadação de multas do rodízio" para o "pedágio urbano" faz todo sentido ("Menos carro, mais metrô"). Toda a infraestrutura já está pronta: é só definir que é para acionar "cartões" da atual zona azul toda vez que for circular por ruas do centro expandido. Teremos assim a desejada inibição do trânsito e a consequente redução da poluição.

Joel Fernando Antunes de Siqueira (São Paulo, SP)


Jornada de trabalho

Sobre "Morador de rua ganha R$ 50 por 12h de trabalho para montar palco do Lollapalooza" , é a reforma trabalhista: vale o combinado e só vai quem quer. O fim dos sindicatos e das negociações coletivas, a terceirização etc. vão só ratificar a tendência escravocrata da elite brasileira.

Almir José Vieira da Silva (Itápolis, SP)


Charge

0
Jaguar/Folhapress

Jaguar continua genial (e "infernal"). Tenho 59 anos e conheci o Pasquim na década de 70, pois o pai de um grande amigo meu comprava sempre o hebdomadário nas bancas. Nós pegávamos o jornal à tarde e víamos todos os cartuns: do Jaguar, do Ziraldo, do Henfil, do Millôr, do Fortuna etc. A charge de sexta-feira diz tudo sobre esse exótico assunto de "nazismo de esquerda".

Francisco José Bedê e Castro (São Paulo, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.