Reportagem sobre Moro é campanha odiosa que beira a difamação, diz leitor

Ministro distorce matéria ao justificar omissão de palestra remunerada como juiz

Omissão de Moro

Se Sergio Moro doou para a caridade o que recebeu por uma palestra, é motivo para a Folha crucificá-lo ("Moro distorce reportagem ao justificar omissão de palestra remunerada como juiz")? Isso não é jornalismo isento, é uma campanha odiosa que beira a difamação.

Luis Roberto B. Nunes Ferreira (Santos, SP)

Se fizer caridade pode descumprir regra? Parabéns pela doação, mas o registro também deve ser feito. Uma coisa não justifica a outra.

Leonaldo Cristiano (São Paulo, SP)

Quem está contra Sergio Moro, a lei e a Justiça tem outros interesses inconfessáveis. É de se admirar que, em países estrangeiros com leis muito mais severas do que as nossas, também haja quem defenda o indefensável. Duvido que desvios bilionários fiquem impunes em algum país europeu, portanto tenham mais respeito aqui com quem cumpre a lei.

Melisa Chaves (Rio de Janeiro, RJ)

Talvez Sergio Moro tenha se esquecido de que é um homem público, sujeito a apurações sobre seus atos. Imprensa livre funciona assim em qualquer lugar onde haja democracia, isto é, um conjunto de leis que asseguram direitos e deveres de todo cidadão. O problema é que o ex-juiz, acuado com a publicação de diálogos privados em exercício de trabalho público, não admite críticas.

Roberto Oliveira Melo Filho (Salvador, BA)

Moro aderiu ao estilo do chefe: recorrer à mentira quando confrontado com os fatos.
Bia Martins (Rio de Janeiro, RJ)
 


Governo Bolsonaro

Até ontem o cara era um santo, só hoje a Folha, com sua perspicácia espetacular, descobriu que o cara comete infrações ("Famoso na TV, novo embaixador do ecoturismo de Bolsonaro acumula infrações ambientais"). Equilíbrio e isenção são virtudes que o pasquim não faz questão de ter. Está virando diário de fofocas.

Sidnei Anttogneto (Campinas, SP)

Richard Rasmussen pega sucuri-amarela em banhado às margens da rodovia Transpantaneira em programa de TV - Sabrine M. Rasnussen/Divulgação

O padrão de indicar alguém com problemas na Justiça, famoso e polêmico se mantém. A tática de saturar a mídia e as pessoas com insanidades para que fiquem sem parâmetros é proposital. Achar que a verborragia é acidente é tolice.

Wagner Santos (Ribeirão Preto, SP)

Quando Jair Bolsonaro foi eleito, percebemos imediatamente que havia um Brasil que desconhecíamos, em que se cultivavam ideias retrógradas, atitudes racistas e preconceituosas, desprezo à ciência e à educação, em um patamar bastante expressivo. Com esse índice tão elevado de mentores da ignorância e de mantenedores de dogmas religiosos, é muito difícil vir a ser o Brasil um país de futuro ("Cerca de 1/3 pensa como Bolsonaro em temas de frases agressivas, indicam pesquisas").

Américo Venâncio Lopes Machado Filho (Salvador, BA)


FGTS

Todos são trabalhadores e têm direito ao saque. Por que privilegiar quem é correntista da Caixa ("Saque do FGTS começa em 13 de setembro para poupadores da Caixa; veja calendário"? Essa discriminação é ilegal e, numa visão mais ampla, poderia ser interpretada como venda casada.

Alvaro Castro e Souza (Londrina, PR)


Diplomacia

No governo Lula, o Brasil transformou um acordo tarifário, o Mercosul, que poderia trazer interessantes dividendos comerciais para o Brasil, num foro exclusivamente político, de finalidades claramente espúrias e de perpetuação antidemocrática no poder de si mesmo e de seus aliados ideológicos América do Sul afora ("Réplica: Comparar diplomacias de Bolsonaro e Lula revela ignorância dos fatos").

Thiago Luiz da Silva Borges (São Paulo, SP)

A diplomacia de Celso Amorim foi no nível a que o país faz jus. Foi nesse período que o Brasil passou a ser respeitado no mundo todo e que foi alçado à condição de sexta economia mundial. Hoje somos lembrados pelas razões erradas da política, da destruição ambiental ou da entrega do patrimônio nacional e de nossas riquezas.

Cesar Schumacher (Venâncio Aires, RS)

Lula era uma figura simpática no exterior, o que Bolsonaro não é. Mas ser simpático não quer dizer defender bem seu país. Mikhail Gorbachov, por exemplo, era muito mais simpático no exterior que Vladimir Putin. Mas, para muitos russos, é o responsável por um desastre nacional.

José Cardoso (Rio de Janeiro, RJ)


Libertários e anarcocapitalistas

Pregam a autonomia do indivíduo, mas só falam de economia ("Quem são os libertários e anarcocapitalistas, que pregam o fim do Estado"). Por extensão do pensamento, devem ser ultraliberais também em relação ao direito das pessoas sobre o próprio corpo. Como são suas posições sobre aborto, uso de drogas, morte assistida etc.?

Marcio Weichert (Barueri, SP)

Ilustração Danilo Zamboni

Achei o artigo bastante esclarecedor, mas parece-me que essas ideias, embora eticamente defensáveis e bem-intencionadas, tem um quê de utopia. Parece mais fácil decairmos em autoritarismos do que nos movermos para sociedades autônomas.

Domingos dos Santos (Itabaianinha, SE)

Ideologia de quem só pensa em enriquecer e poder explorar, sem entraves ou regulamentação, o trabalho dos mais pobres.
Rildo Gomes Carvalho (João Pessoa, PB)
 


Governo Doria

À moda petista, Bebel ataca os adversários e busca confundir a opinião pública ("Sofrimento em dose dupla"). O governo Doria em sete meses já entregou 30 creches, com o "Escola + Bonita", 1.380 serão reformadas, o "Novotec" vai oferecer cursos profissionalizantes para alunos do ensino médio, 2 milhões terão maior tempo de permanência na escola pelo "Inova Educação" e 30 mil a experiência antecipada da universidade pelo "Educa SP". Ações inovadoras de um governo realizador.

Carlão Pignatari, deputado estadual (PSDB)

Pela segunda vez em oito meses, a Folha mostra que São Paulo é a unidade da Federação que menos gasta com pessoal ("Governo quer criar órgão para elevar rigidez sobre contas públicas de estados"). No entanto, o governador João Doria anuncia que somente em 31/10 encaminhará à Alesp projeto para reajustar os salários dos policiais, que estão sem aumento há cinco anos.

Jarim Lopes Roseira, presidente da seção de São Paulo da International Police Association (São Paulo, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.