Leitores criticam governo por excluir Folha de evento de Bolsonaro nos EUA

Presidente jantou com Donald Trump na Flórida neste sábado (7)

Bolsonaro x Folha

A Folha deveria acionar o STF para reivindicar seu direito de cobertura jornalística (“Planalto exclui Folha de cobertura de jantar entre Trump e Bolsonaro”, Mundo, 7/3). Deve haver alguma ação jurídica cabível num caso desses, pois não é a primeira vez. Além disso, entidades de classe também podem interpelar o governo judicialmente.
Adilson Fornazieri Maturana (Lagoa Santa, MG)

 

​Cho-ca-do!!! Jornal deve saber que o Estado é laico, mas o governo não é imbecil. Todavia, acho que não houve retaliação alguma: a Globo foi. Folha não vai porque não quer. Sentar-se à mesa são outros quinhentos: só para veículos escravos da verdade!
Plinio Góes Filho (Maceió, AL)

Privilégio para esta Folha não comparecer. Não consigo alcançar qual seria o assunto de importância a ser tratado, excetuando-se a oportunidade para o presidente referendar seu patético e não correspondido “I love you, Trump”. Emblemático o velho ditado popular: quem aos porcos se mistura, farelo come.
Carlos Alberto Bellozi (Belo Horizonte, MG)

Quando um presidente exclui de uma entrevista um jornal, no caso a Folha, um dos mais respeitado país, Jair Bolsonaro age como os ditadores, período que vive elogiando e fazendo referências. É preciso que nos indignamos para preservar nossa democracia.
Marcos Barbosa (Casa Branca, SP)


Dólar, PIB, Bolsa e piadas
Estrangeiros tiram R$ 44,8 bi da Bolsa, maior valor da história para um ano —e é só março” (Mercado, 6/3). E o presidente fazendo palhaçada na porta do Palácio da Alvorada com comediante de quinta categoria... Decoro por parte de figura pública como um presidente é imprescindível para passar aos investidores a segurança de que se trabalha com seriedade e competência.
Cecília Barbosa (Santos, SP)

Trata-se de um movimento mundial. Tem afetado todas as bolsas nos países.
Mario Sampaio (São José dos Campos, SP)

(200303) -- NUEVA YORK, 3 marzo, 2020 (Xinhua) -- Un comerciante trabaja en la Bolsa de Valores de Nueva York, en Nueva York, Estados Unidos, el 3 de marzo de 2020. Los mercados estadounidenses cayeron bruscamente en comercio volátil el martes, a pesar de que la Reserva Federal realizó un recorte de emergencia de las tasas de interés. El Promedio Industrial Dow Jones cayó 785,91 puntos, o 2,94 por ciento, para terminar en 25.917,41 unidades. El índice Standard & Poor's 500 bajó 86,86 puntos, o 2,81 por ciento, para ubicarse en 3.003,37 unidades. El índice compuesto Nasdaq perdió 268,07 puntos, o 2,99 por ciento, para cerrar en 8.684.09 unidades. (
Mercado brasileiro segue o americano, que entrou em horário de verão no domingo; abertura continua às 10h - Xinhua/Michael Nagle

Com a Bolsa caindo e o dólar subindo, acho que o jeito vai ser o presidente colocá-los também como alvos dos protestos do dia 15, juntamente com a imprensa, o Congresso e o STF. Aí tudo estará resolvido.
João Neumann (São Paulo, SP)

Isso só significa que estavam fortemente comprados... Movimento de pânico mundial, nada mais. Petróleo cai 9 % hoje em Nova York... 
Claudio Rocha (São Paulo, SP)

Dólar fecha a R$ 4,65; Guedes diz que pode ir a R$ 5 se tiver ‘muita besteira’” (Mercado, 5/3). Golpistas riem à toa, pois ganham muito com a especulação financeira e a queima de nossas reservas, e o Brasil caminha a passos rápidos para o caos. O povão não tem mais nada para dar, a última gota foi a destruição da Previdência, agora é entregar o que resta das estatais.
Claudio L. Rocha (São Paulo, SP)

O governo Bolsonaro disse que a receita mágica da prosperidade era o sucateamento da Previdência. Após aprovada a nova Previdência, vemo-nos em alta velocidade em direção à falência.
Camilo Camilo (Serra, ES)

Povo sem renda é país sem arrecadação, indústria ociosa, multinacional fugindo para outras nações, empresas sem ter para quem vender. Essa fórmula não leva o país adiante. Pena que o povo e seus representantes estejam demorando para perceber isso.
Kleber Carlos Ribeiro Pinto (Uberlândia, MG)

É necessário que o presidente e o ministro informem como pretendem agir com essa alta do dólar, pois os devedores de contratos firmados em dólar e os setores importadores não sabem mais o que fazer. A responsabilidade do coronavírus é insignificante diante da crescente falta de confiança nas ações do governo.
Nilberto Rafael Vanzo (Cascavel, PR)


Piada mundial
Secretário da Cultura afrodescendente racista, ministro do Meio Ambiente que não acredita em aquecimento global e ministra da Mulher machista (“Ministra da Mulher, Damares diz que ataques de Bolsonaro a mulheres jornalistas são uma reação”, Poder, 6/3). Não é a toa que nós viramos piada mundial.
Denise Fabretti (São Paulo, SP)

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, em entrevista ao programa "Poder em Foco", do SBT.
A ministra Damares Alves em entrevista ao programa "Poder em Foco", do SBT - Sérgio Lima/Divulgação

O ministro da Justiça defende policiais amotinados para não irritar o patrão. A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos defende o machismo para não irritar o patrão. O ministro da Economia defende a desvalorização da própria moeda para não irritar o patrão. Belo governo esse aí.
Vinícius Garcia de Rezende (São Paulo, SP)


Atos anti-Congresso
“Sócio de Huck e apoiador de Bolsonaro, dono do Madero adere a atos anti-Congresso” (Poder, 5/3). Fiquei ainda mais fã desse empresário. Concordo 100% com Luiz Durski Júnior. Estamos juntos com Bolsonaro e com o Brasil. Esse Congresso, com raras exceções, só tem interesseiros e sanguessugas.
João Luiz Carvalho (Brasília, DF)

Aqui no Brasil, já tivemos os anões do Orçamento, mensalão e petrolão. O que agora estará por vir nesta situação em que deputados e senadores estão se apoderando da administração do Orçamento federal?
Amadeu Guerreiro Neto (Jardinópolis, SP)


Bolsonaro e os homens ocos
Reinaldo Azevedo (“Como Bolsonaro e os homens ocos estão matando a democracia”, Poder, 6/3) mais uma vez escreve com extrema lucidez. Uma pena que tenha contribuído, com o restante da imprensa, para achincalhar a esquerda, não apenas o PT. Hoje os homens e mulheres dotados de razão e civilidade só podem lamentar, pois foram destituídos de credibilidade e de legitimidade.
Ana Ferraz (Vitória, ES)


Proteção de agressores
“Testemunhas de Jeová são investigadas sob suspeita de ocultar crimes sexuais” (Cotidiano, 6/3). Existem alguns crimes imprescritíveis, e esse deveria estar nesse rol. Mas não está! Depois falam que é necessário mais mulheres no Congresso Nacional. Mas para que ter mulheres se elas não olham para as outras mulheres? Solidarizo-me com as vítimas. E meu menoscabo para as mulheres políticas. Todas, sem exceção.
Neli Faria (São Paulo, SP)

Mãos de mulheres que denunciaram abusos e assédios - Rubens Cavallari/Folhapress

O Judiciário tem, sim, que investigar essas testemunhas de Jeová que estão sendo acusadas de cometer esses horrendos abusos —e também devem ser investigados os fiéis de qualquer outra religião quando um fato como esse ocorre. Ninguém está isento de investigação se comete um crime dessa maneira. Não pode o fanatismo de uma religião encobrir o diabólico abuso contra indefesas crianças. Não pode haver perdão.
João de Jesus Pinto (São Paulo, SP)


Polícia Militar
“Comandante-geral da PM de SP entrega o cargo e impõe a Doria baixa estratégica na Segurança” (Cotidiano, 6/3). Quem desvaloriza a Polícia Militar não é o governador, nem a imprensa, nem a sociedade e muito menos as organizações de direitos humanos. Quem desvaloriza a PM são alguns policiais covardes que se utilizam da farda para pôr em prática o seu sadismo, fornecendo-nos imagens repugnantes de violência gratuita e desnecessária. Os bons e bravos policiais deveriam ser os primeiros a repudiar esses covardes, pois esses maus elementos mancham a honra da corporação.
Wilson Souza (Mauá, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.