Descrição de chapéu Ásia Rússia

Leitor diz que São Paulo deve acordar e não eleger mais Arthur do Val

Urna eletrônica e artigo de Milly Lacombe são outros temas de destaque entre os leitores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Sexismo e Arthur do Val
Vamos ver se São Paulo acorda e não elege um cara como esse novamente ("Arthur do Val diz que áudios sexistas foram erro em momento de empolgação", Política, 6/3).
Salvio Coelho (Belo Horizonte, MG)

O deputado teve falas repugnantes e total falta de respeito com as mulheres e, em especial, com as ucranianas, que vivem momento de terror pela guerra. O fato de ser áudio enviado a grupo privado em nada ameniza as sandices. Só faz mostrar a falta de ética e um pouco deste "homem do bem". Bingo para quem divulgou o áudio acelerando a queda de máscara, já que as atitudes anteriores não foram suficientes para tal.
Maria Aparecida Araujo Pinto (Campinas, SP)

Reitero: seria interessante conhecermos os interlocutores do deputado que receberam suas mensagens e como reagiram. Esse tipo de comentário exibicionista, sexista e racista só prospera quando há ouvintes interessados que compartilham ideias e comportamento. A opinião pública precisa saber quem são.
Carlos Prompt (Porto Alegre, RS)

Que homem perverso ("Namorada de Arthur do Val rompe após vazamento de áudios sobre ucranianas atribuídos a ele", Mônica Bergamo, 6/3)! Chega a ser doentio a análise que ele faz dessas mulheres. Que nojo! E diz que a vulnerabilidade social delas facilita a investida. O que é isso? E ele é o representante da extrema direita hétero branca? Esses "homens de bem" são péssimos.
Luana Costa (São Paulo, SP)


Urna inviolável
Fui fiscal de um partido numa eleição de "papel" ("‘Pai da urna eletrônica’ diz que hackers jamais vão conseguir acessá-la", Política, 5/3). Nunca assisti a tantos roubos de votos, mesmo de pessoas que eu considerava até então baluarte da cultura e do saber na cidade do interior de MG. Reclamei, ninguém me deu ouvido, elegeram as oligarquias de sempre. Acredito muito na urna eletrônica. Uma das poucas coisas da nossa caríssima justiça, mas que funciona. O resto é pura desinformação para fins espúrios.
Ivan Bastos (Nova Friburgo, RJ)

Em 1985, trabalhei na apuração das eleições para prefeito —TRE cadê minhas folgas?— e percebi que não era seguro o voto. O eleitor fazia um risco e poderia alcançar outro quadrinho. E poderia por aspas em outro candidato; votava em branco... No local que apurei, tinham fiscais, era seguro. Mas seriam assim em todas as zonas eleitorais? Recentemente trabalhei para a OAB nas eleições. Urna eletrônica! Se confiava antes, agora muito mais! Parabéns
Neli de Faria (São Paulo, SP)


Barulho e dor de cabeça
A inépcia da prefeitura em agir rápido e decisivamente dá aos barulhentos a impunidade para que continuem a perturbar pessoas do entorno ("Saiba o que fazer em casos de perturbação do sossego por vizinhos barulhentos", Cotidiano). Como quase todo serviço prestado pelas prefeituras, o Psiu é um fiasco! Para cobrar IPTU, impostos e taxas, os caras são mais eficientes!
Franco Oliveira (São Paulo, SP)


Butim
Caso a China parta para cima de Taiwan, será mais difícil impor embargo contra o país ("China espera o butim enquanto velocidade da guerra na Ucrânia agonia Rússia e Ocidente", Mundo, 6/3). É preciso lembrar que muitos dos empresários que tanto criticam o comunismo exploram mão de obra escrava em território chinês, o que fez da China essa potência. Hipocrisia e ganância dos empresários que levaram suas fábricas para pagar migalhas a trabalhadores na China deram a ela a chance de engolir a todos.
Johnson Fiorito (Goiânia, GO)


Eletrobras
A avaliação, sinalizada, da possível venda da Eletrobras, ao valor de R$ 25 bilhões, não estaria demasiadamente subavaliada ("Privatização da Eletrobras corre contra o tempo para buscar R$ 25 bi na Bolsa", Mercado)? O controlador do Chelsea quer o equivalente a R$ 27 bilhões para desfazer-se dele!
José Rubens Arantes (São Paulo, SP)


Educação
O "Desastre Educacional" (Editoriais, 6/3), com dados do Saresp, era resultado esperado e aprofundado pela pandemia. Nas áreas avaliadas, língua portuguesa e matemática, as deficiências vêm de muito tempo e pouco foi feito. O resgate é urgente, e a questão é como fazê-lo. Em matemática, existe plataforma com inteligência artificial e metodologia adaptativa desenvolvida pela McGraw Hill, que permite ao aluno avançar seu aprendizado de forma personalizada. Essa tecnologia poderá ser útil para a rede paulista. Basta vontade política!
Oscar Hipólito, professor titular da USP (São Paulo, SP)


Belonaves
Diante da crítica feita pelo jornalista Elio Gaspari ("Em 1917, o czar, não entendeu nada", 6/3), quanto ao emprego da expressão "belonaves", anoto que eu a utilizei, em minha decisão, como figura de estilo, amparado no Dicionário Etimológico de Antonio Geraldo da Cunha, para referir-me às aeronaves de caça suecas adquiridas pela Força Aérea Brasileira, conjugando as palavras latinas "bellum" e "navis", que significam, respectivamente, "guerra" e "embarcação".
Ricardo Lewandowski, ministro do Supremo Tribunal Federal (Brasília, DF)


Colunista
Querida Milly, sem palavras ("Um sentimento chamado Artur", Milly Lacombe, Folha Corrida, 6/3). Queria te abraçar e chorar no seu ombro agora e te oferecer o meu pra você chorar também, se você sentisse necessidade. Você nos ajuda a continuar tendo esperança no mundo, no outro e na vida. Obrigada!
Patricia Cypriano (São Paulo, SP)

Milly, eu chorei. E ainda estou chorando.
Herbert Luiz Braga Ferreira (Manaus, AM)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.