Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Investigação sobre Carlos explica ingerência de Bolsonaro na PF, dizem parlamentares

Vereador é investigado sob a suspeita de agir para intimidar e ameaçar autoridades públicas na internet

Brasília

A investigação da Polícia Federal que identificou o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) como um dos articuladores de esquema criminoso de fake news explica por que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) queria trocar o comando do órgão, afirmam parlamentares.

A informação envolvendo o filho 02 de Bolsonaro está em inquérito sigiloso que corre no STF (Supremo Tribunal Federal). Conforme revelou reportagem da Folha, Carlos é investigado sob a suspeita de ser um dos líderes de grupo que monta notícias falsas e age para intimidar e ameaçar autoridades públicas na internet.

O vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente da República - Sergio Lima - 13.nov.2018/AFP

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), irmão do vereador, também é um dos alvos da PF.
O inquérito foi aberto em março do ano passado pelo presidente do STF, Dias Toffoli, para apurar o uso de notícias falsas para ameaçar e caluniar ministros do tribunal.

A notícia vem à tona um dia depois de o ex-juiz Sergio Moro pedir demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Em sua despedida, o ex-ministro acusou Bolsonaro de tentar interferir politicamente na Polícia Federal ao pressionar pela saída de Maurício Valeixo do cargo de diretor geral.

Autor de um pedido de impeachment com base nas denúncias de Moro, o senador Randolfe Rodrigues (AP), líder da oposição no Senado, afirma que a investigação sobre Carlos explica a insistência do presidente em trocar Valeixo e superintendentes regionais da PF.

“Ele quer uma Polícia Federal que chame de sua, a seu serviço, a serviço das ações criminosas dele e de sua família”, acusou.

O senador também pediu ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que dê prosseguimento a seu pedido de impeachment.

Na sexta, Rodrigues entrou com uma ação popular para tentar anular a exoneração de Valeixo. Ele também quer pedir que o vereador fluminense seja ouvido no inquérito sobre fake news que corre no STF. “Mesmo que não tenha mais condução coercitiva, é necessário ser inquirido no inquérito a partir dessa matéria”, afirmou.

Para o líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (RJ), fica cada vez mais claro “que as investigações criminais estão chegando no entorno do presidente, incluindo seus filhos, e por isso ele tenta, desesperadamente, interferir nelas”, disse.

“É lamentável que sejamos obrigados a enfrentar isso em vez de dedicar todo o nosso esforço contra esta pandemia que tira a vida de milhares de brasileiros."

Já a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-líder do governo, afirmou que a Polícia Federal provou que os dois filhos do presidente estão “ligados até a medula com a quadrilha de fake news do Brasil”.

“Todos nós que fomos mais próximos ao presidente pedimos várias vezes que ele segurasse seu filho nessa série de crimes cometidos inclusive contra pessoas de dentro do próprio governo”, afirmou a deputada. “Espero que a polícia continue fazendo seu trabalho e que esses criminosos paguem na cadeia por aquilo que fizeram.”

Relatora da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News, a deputada Lídice da Mata (PSB-BA) afirma que a conclusão da PF envolvendo o filho do presidente justifica a articulação de aliados de Bolsonaro para tentar boicotar os trabalhos do colegiado.

“Isso faz com que a gente entenda por que a bancada bolsonarista foi tão enfática e tão resistente à implantação e ao funcionamento da CPMI, o tempo todo tentando impedir os trabalhos e tentando dificultar a investigação”, afirmou. “Mostra que realmente tinham algo a esconder”.

Atualmente, a comissão está com os trabalhos suspensos por causa da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. No início de abril, parlamentares da base do governo tentaram retirar assinaturas necessárias para prorrogar o colegiado, mas fracassaram.

Presidente da CPMI, o senador Angelo Coronel (PSD-BA) afirmou que, após a prorrogação, Carlos passou a atacar e xingar os trabalhos do colegiado, “coisa que não estava fazendo antes”.

“Fico abismado de ver ações do governo e de seus filhos para acabar com uma comissão de inquérito que visa proteger instituições, a imprensa e a sociedade brasileira do ataque desses marginais digitais”, criticou.

Ex-aliado de Bolsonaro, o deputado Júnior Bozzella (PSL-SP) acusou Carlos de ser “um vereador que não exerce o seu mandato e suga o dinheiro público”.

“A principal ocupação e especialidade dele é criar narrativas para destruir reputações e manter o plano aloprado de poder da família Bolsonaro através do gabinete do ódio”.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) afirmou que Carlos seria só o “testa de ferro”. “O cabeça do esquema criminoso de fake news, montado com dinheiro público dentro do Palácio do Planalto, é o capo do clã: Jair Bolsonaro. Ele é o dono da milícia digital”, escreveu em uma rede social.

A insatisfação com a tentativa de intervenção política na PF levou deputados federais do PSL, ex-partido do presidente, a apresentarem uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) para determinar que o diretor geral do órgão seja escolhido pelo presidente da República a partir de uma lista tríplice votada por delegados da PF em atividade.

Pelo texto, a nomeação do diretor geral dependeria de aprovação do Senado e o novo responsável pela PF teria mandato de três anos, sendo vedada a recondução.

Apurações no entorno de Bolsonaro

Inquérito das fake news

Em março de 2019, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, anunciou a abertura de um inquérito para investigar a existência de fake news que atingem a honra e a segurança dos membros da corte e de seus familiares. Paralelamente, em setembro do mesmo ano, a CPMI das Fake News foi instaurada no Congresso.

Desde então, a família Bolsonaro tem se colocado contrária ao funcionamento da comissão, que investiga perfis que fazem parte do arco de apoio do presidente da República. Tanto a apuração do STF quanto a da comissão, com a ajuda de um policial federal, envolvem a suspeita de que o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) estejam por trás do “gabinete do ódio” supostamente mantido pelo Palácio do Planalto para atacar desafetos políticos

Caso Queiroz

Em agosto do ano passado, Bolsonaro anunciou que trocaria o superintendente da Polícia Federal no Rio, Ricardo Saadi, por questões de gestão e produtividade. A corporação passava por momento delicado na ocasião, especialmente após vir à tona o caso Fabrício Queiroz, policial militar aposentado e ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia do Rio. Ele é o pivô da investigação do Ministério Público do Estado que atingiu o senador, primogênito do presidente.

A suspeita da promotoria é de que o dinheiro seja de um esquema de “rachadinha” —quando funcionários são coagidos a devolver parte de seus salários aos deputados. Esse caso específico não está com a PF, mas o órgão tocava investigações envolvendo personagens em comum

Partidos do centrão

O isolamento político de Bolsonaro o levou a começar a negociar com os partidos do centrão (PP, PL, Republicanos, PTB, Solidariedade e PSD). Vários integrantes das siglas que formam o bloco são alvos da Operação Lava Jato, que teve em Sergio Moro seu principal personagem até o final de 2018.

Alguns parlamentares suspeitam que o afastamento de Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal e o consequente enfraquecimento de Moro tenha entrado no acerto que Bolsonaro tem costurado com o bloco

Ato pró-golpe

A pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, corre uma investigação sobre os atos antidemocráticos dos quais Bolsonaro participou no domingo (19), em Brasília. O presidente pode ter cometido mais um crime de responsabilidade ao discursar na manifestação que pedia um novo AI-5 e o fechamento do Congresso.

A investigação mira empresários e ao menos dois deputados federais bolsonaristas por, possivelmente, terem organizado e financiado os eventos. Os nomes são mantidos em sigilo

Erramos: o texto foi alterado

Ao contrário do que afirmou versão anterior desta reportagem, a deputada Lídice da Mata é do PSB-BA, não do PDB. O texto foi corrigido.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.