Descrição de chapéu
Antonio Risério

Ideologia identitária agride base da democracia liberal, diz Antonio Risério

Para autor de "As Sinhás Pretas da Bahia", obsessão por diversidade pode levar a uma ditadura de representação herdeira do fascismo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Antonio Risério

Poeta, romancista e antropólogo, autor de "A Utopia Brasileira e os Movimentos Negros", "Sobre o Relativismo Pós-Moderno e a Fantasia Fascista da Esquerda Identitária" e "As Sinhás Pretas da Bahia"

[resumo] Transformação da ideia de diversidade em dogma nas últimas décadas levou a uma compreensão fraudulenta da história ocidental e a uma tentativa de reger a sociedade por meio de lógica de representação estatística, com cotas sexuais ou raciais. Esse projeto de Estado identitário, herdeiro da organização corporativa do fascismo italiano, ameaça o modelo de democracia liberal.

O cardápio contestador dos “sixties” foi variadíssimo. Havia tanta coisa em jogo, que a única definição possível era falar da contracultura e do Maio de 1968 como espaços da manifestação do múltiplo e do diverso.

E foi justamente por aí que veio a palavrinha mágica, diversidade, emergindo “a posteriore” como denominador comum do repertório do final daquela década —porém não mais como definição ou classificação ocasionais, e sim como ideologia.

Desenhou-se um novo campo magnético, com a “diversidade” no centro, articulando na esfera política, como disse o sociólogo Mathieu Bock-Côté, todo um leque de manifestações e reivindicações.

Sob o conceito (e, depois, dogma) da diversidade, a multiplicidade ganhava uma suposta unidade. Aqui, a partir da década de 1980, já não se tratava mais de reconhecer a existência da diversidade no mundo, mas de defendê-la programaticamente, impondo-a ao conjunto da sociedade.

Esse eixo político esbarraria num inimigo comum —o “homem branco”, e numa inimiga comum, a “civilização ocidental”. Tratava-se da incorporação do legado contracultural, que se expressara no slogan “Western Civilization Is Over”.

Monotipia da artista Mira Schendel - Reprodução

A estratégia, desde então, é tirar proveito máximo do “masoquismo ocidental”, para lembrar a expressão cara ao filósofo Pascal Bruckner, o autor do livro “A Tirania da Penitência: Ensaio Sobre o Masoquismo Ocidental”.

Defende-se agora que a história do mundo ocidental não passa de um filme de terror. A história brasileira, inclusive. Quase tudo com base em leituras fraudulentas, dualismos primários e ignorância, muita ignorância, por parte de militantes que pouco se importam com a exatidão histórica. Curiosamente, são intransigentes com as democracias que temos, mas complacentes com ditaduras extraocidentais.

Os ataques ao Ocidente, lugar por excelência da culpa, caem sempre em solo propício. Nada mais ocidental do que criticar, arrasadoramente, o Ocidente. Nossos grandes pensadores sempre fizeram isso.

Agora, é a vez dos identitários multiculturalistas, todos ocidentalíssimos, embora fingindo que não, repetirem que o Ocidente não fez mais do que humilhar, escravizar, assassinar os outros povos, todos invariável e rigorosamente angelicais e oprimidos.

Estudantes enfrentam a polícia durante protesto em Paris, França, em 7 de maio de 1968 - AFP- France Presse

A história do Brasil, para eles, resume-se à chacina de índios, à opressão das mulheres e à tortura de negros, perpetradas por uma elite branca racista e patriarcal. Só. E agora as vítimas exigem sua indenização, compensação retrospectiva de vantagens perdidas.

É a partir daí que se projeta a sonhada transformação político-social da sociedade e do mundo. Para chegar lá, no entanto, teremos de passar por um intervalo autoritário, que se responsabilizará pela submissão compulsória de todos aos dogmas sagrados do multicultural-identitarismo.

É a velha conversa da “ditadura do proletariado” em nova roupagem, ditadura diversitária, com apoio da universidade, da mídia e de boa parte do empresariado (veja-se “The Dictatorship of Woke Capital”, de Stephen Soukup).

A ideologia diversitária se revela, de fato, adversária plena da democracia liberal. Nessa visão, é a “diversidade” que deve reger o mundo —e o princípio de sua regência está na estatística. Sim: entra em cena uma outra concepção de representação ou representatividade social, rigorosamente numérica.

A conversa pode então ser resumida nos seguintes termos: se os pretos representam x% da população brasileira, então eles têm de ser x% nas cátedras universitárias, no Poder Judiciário, na produção cinematográfica, na mídia, no Congresso Nacional e assim por diante. Um princípio que, eventualmente, pode vir a ser irônico, mas será sempre revelador.

Irônico como no caso recente do Chile, que programou eleições para uma Assembleia Constituinte que deveria ser rigorosamente paritária, em matéria de gênero. As mulheres queriam evitar que homens controlassem a feitura da nova carta constitucional do país. Acontece que os resultados das urnas surpreenderam: as mulheres foram mais votadas que os homens.

Logo, para obedecer ao princípio paritário previamente acordado, 11 mulheres se viram obrigadas a abrir mão de seus mandatos em favor de homens menos votados.

A verdadeira soberania democrática teve de dar lugar a um democratismo estabelecido de antemão, com bases em cotas. A regra básica da democracia ocidental —uma cabeça, um voto— foi arquivada, substituída por um modelo extraído, em última análise, do repertório mussolinista.

Modelo que neste momento, no sentido da construção de um Estado multicultural-identitário, traz também, ao lado da divisão sexual, o critério de raça e cultura, designando uma fatia de cadeiras da Constituinte chilena para os agora chamados “povos originários” (todos imigrantes, como bem sabem historiadores e antropólogos).

Ou seja: temos a recusa da democracia liberal, com sua disposição representativa já secular, fundada no valor individual.

Não há como conciliar o sistema eleitoral de “uma cabeça, um voto” e um Congresso com assentos predeterminados, com segmentos representacionais previamente loteados.

Claro: se a ocupação do Congresso Nacional, de assembleias estaduais etc., vai se pautar por um sistema de cotas, repartindo cadeiras em função de raça e sexo, o princípio democrático tradicional perde automaticamente a validade.

Estamos nesse caminho no Brasil. O primeiro grande passo foi estabelecer o regime de cotas no âmbito inicial das candidaturas: cada partido é obrigado a apresentar x% de candidatas mulheres ou de candidatos pretos, por exemplo.

O passo seguinte, logicamente, e agora no rastro da experiência chilena, será fixar números de cadeiras por raça, sexo e orientação sexual, tornando as casas legislativas receptáculos pré-compartimentados a serem preenchidos segundo a natureza e a extensão de seus cômodos.

Sim: o Congresso se transformará numa casa de cômodos —alguns raciais, outros sexuais. E penso que uma nova eleição de Lula irá desembocar nisso, na promulgação de separatrizes congressionais, de acordo com a base estatística de cada grupo social.

Para quem protelava a iniciativa de qualquer reforma política, o que se anuncia no horizonte é uma tempestade e tanto —e para azar da democracia. É o fantasma do Estado fascista retornando ao palco. O corporativismo fascista se desdobra no corporativismo identitário.

Com isso, pode ocorrer o seguinte: uma sociedade votar em peso na social-democracia, mas, em consequência de um acordo censitário, ter de aceitar 50% de candidatos homens, em sua maioria de centro-direita, por exemplo. Bem, isso não é democracia, é representacionismo estatístico —ditadura diversitária.

O corporativismo fascista foi um sistema de representação de classes e grupos de interesse, com o objetivo de transcender tanto o individualismo quanto a luta interclassista. A finalidade última, como se sabe, seria consolidar instituições permanentes que abrigassem representantes das diversas classes, no caminho da realização da harmonia social.

O corporativismo diversitário é uma retomada do corporativismo fascista em novas bases, com os antigos agrupamentos profissionais do projeto de Mussolini substituídos por segmentos raciais e sexuais, superando o individualismo da democracia liberal pelo grupocentrismo identitário.

Teríamos um redimensionamento das instituições a partir de partilhas censitárias. A estatística reinará acima de tudo, como o grande princípio organizador do sistema político. Alarga-se assim, sempre mais, o arco de ataques à democracia representativa.

É claro que alguma discussão poderá ser até enriquecedora. De minha parte, não vejo como ameaça o debate que teremos de encarar acerca da democracia liberal e do neomandarinato meritocrático chinês, por exemplo.

A China coloca um tremendo problema em nosso caminho —e não devemos tentar contorná-lo. Em “When China Rules the World”, Martin Jacques sublinha que o Estado chinês mantém uma relação com a sociedade muito diferente da nossa. “Desfruta de muito maior autoridade natural, legitimidade e respeito, muito embora nem um só voto tenha sido dado ao governo.”

A cultura política chinesa é de base milenar. Como diz o cientista político Zhang Weiwei, em “The China Wave”, é inimaginável que a maioria dos chineses aceite um sistema democrático multipartidário, com troca de governo a cada quatro anos. “A democracia é um valor universal —o sistema democrático ocidental, não”, escreve Weiwei.

Roberto Mangabeira Unger concordaria, mas ninguém pode afirmar categoricamente que a democracia ocidental não é exportável, ou que seja impossível promover sua imposição em países extraocidentais.

O Japão nega isso. É modelo muito bem-sucedido de democracia imposta pelas armas, em seguida à Segunda Guerra Mundial. Com a retomada de Cabul pelo Talibã, o fato foi negritado por Giovanni Sartori, em artigo no jornal italiano Corriere della Sera: “...o caso do Japão demonstra mais e melhor que qualquer outro que a democracia não é necessariamente vinculada ao sistema de crenças e valores da civilização ocidental. Os japoneses continuam culturalmente japoneses, mas prezam, ao mesmo tempo, o método ocidental de governo”.

Talvez mais significativo ainda seja o caso da Índia, país que, com toda a sua heterogeneidade cultural, assimilou e adaptou o constitucionalismo britânico.

No polo oposto ao do multicultural-identitarismo, o pensador indiano Amartya Sen vai bem além disso. No livro “Identidade e Violência”, critica a insistência em compartimentar os povos do mundo em “boxes of civilizations”.

É a grande ilusão da singularidade, diz. Povos e culturas têm suas especificidades, claro, mas não irredutibilidades fechadas em configurações definitivas, uniformes e segregadas.

A visão que pretende fixar separatrizes insuperáveis entre civilizações não só dá as costas à história e passa ao largo da diversidade interna de cada complexo civilizacional, como fecha os olhos às múltiplas interrelações existentes entre civilizações distintas entre si.

Com essa obsessão multiculturalista por separar drasticamente as coisas, obscurecemos a história, falsificamos a realidade e cometemos erros primários.

Amartya Sen argumenta exatamente com relação à democracia, que muitos teimam em definir como “uma ideia quintessencialmente ocidental e estranha ao mundo extraocidental”.

Parte-se, aqui, da falsa crença de que a tolerância e a liberdade são características próprias e intransferíveis do Ocidente. Em resposta, Sen observa que o pensamento de Platão e o de Tomás de Aquino não era em nada menos autoritário do que o de Confúcio.

E lembra que, na mesma época em que hereges eram atirados nas fogueiras da Inquisição, o imperador indiano Akbar, o Grande Mughal, pregava a tolerância religiosa, assentando que toda pessoa tinha o direito de seguir a religião que quisesse.

Nessa batida, Sen acaba falando de raízes planetárias da democracia. Muito antes de ter qualquer impacto entre antigos povos nórdicos —ou no que é hoje a Inglaterra, a França ou a Alemanha—, a experiência democrática pioneira da Grécia repercutiu em cidades asiáticas de sua época.

Mais: a tradição de governar através do diálogo e da discussão pública é coisa encontrável historicamente em diversas partes do mundo.

No caso do Japão, cita-se a regência do príncipe budista Shotoku, promulgando uma constituição no século 7º, como primeiro passo num caminho gradual para a democracia. Sen se refere ainda à ampla tolerância vigente na Península Ibérica sob domínio muçulmano, de que foi exemplo maior o Califado de Córdoba sob Abd al-Rahman 3º.

O mundo ocidental não detém o monopólio da ideia democrática, finaliza o pensador: ao passo que as modernas formas institucionais da democracia são relativamente recentes em todos os lugares, a história da democracia, sob a forma de participação e discussão públicas, encontra-se disseminada no mundo.

Mas retomemos o fio da meada, voltando à China. O identitarismo poderá se derreter diante do brilho planetário do sol amarelo dos chineses. Caminhamos para uma horizontalização da ordem mundial, com a China no mesmo nível do Ocidente, em matéria de poder e riqueza.

O multicultural-identitarismo vai cair em si enquanto fantasia ideológica essencialmente ocidental. Vai-se ver sem o macho branco como bode expiatório do mundo. Terá à sua frente o macho amarelo, que não deve nada ao macho preto. E com uma história milenar de opressões, que o identitarismo não julga, pois nasceu exclusivamente para alvejar o “mundo branco”.

Mas vamos finalizar. As ameaças mais reais e imediatas à nossa democracia não vêm da China. Resultam do populismo autoritário de direita (a que mais de perto e perigosamente nos tensiona agora, com o ex-capitão boçal reunindo milicos, milícias e evangélicos para o golpe que não se cansa de anunciar) e do populismo autoritário de esquerda, que traz agora como novidade o projeto igualmente autoritário de uma “democracia diversitária”. No Brasil, aliás, são os próprios partidos políticos, na disputa pelo poder, que paralisam a democracia.

E aqui teremos de nos dispor, inclusive, a uma conversa muito pouco usual, embora já frequente nas reflexões de alguns pensadores e analistas políticos. Trata-se de elucidar o que talvez seja mesmo o perigo maior: a radicalização extremista da democracia pode levar à sua destruição. Tocqueville já pensava nisso. Temos de acender a luz sobre o potencial autodestrutivo da democracia.

Acho curioso que pessoas se espantem com isso: se falamos do potencial autodestrutivo da humanidade, de que as armas nucleares são os produtos mais evidentes, por que não falar de uma coisa bem menos grave, que é o potencial autodestrutivo da democracia?

De uma parte, o receio em relação a esse ponto vem do fato de que podemos tomar o rumo de uma fragilização inédita das instituições sociais, como já vemos nos casos do sistema educacional e da negação absolutamente prematura da nação.

De outra, decorre da percepção de que a obsessão estatística do multicultural-identitarismo não deixa de descender, perversamente, do sonho igualitarista da Revolução Francesa. Quer levar o ideal do século 18 à perfeição, mas por um caminho que julgo totalmente equivocado, o do representacionismo estatístico.

Seja como for, o dado real, na conjuntura que estamos atravessando, é que o Estado identitário começa a se desenhar, diante de nossos olhos, como uma subvariante ou variante nova da organização estatal corporativa herdada do fascismo italiano.

Bem vistas as coisas, depois da maré do “politicamente correto”, o representacionismo diversitário quer implantar, no campo da política, uma espécie de representacionismo estatístico. Uma ditadura censitária —ou a ditadura do demograficamente correto.

Tudo na base da cota. Na verdade, só não se fala de cota a propósito da seleção brasileira de futebol, pois nesse caso o objetivo é ganhar o jogo. Não há lugar para comemorações negativas, nem para institucionalizações da compaixão.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.