Por ideologia, alguns tentam defender criminoso e atacar polícia, afirma leitor

PM mata homem que manteve passageiros de ônibus reféns na ponte Rio-Niterói

Ponte Rio-Niterói

Como se perde tempo no Brasil com criminosos e facínoras ("PM mata homem que manteve passageiros de ônibus reféns na ponte Rio-Niterói"). E, por pura ideologia, algumas pessoas ainda tentam defender o criminoso e atacar a polícia e as instituições. O que importa —e só o que importa— é que as vítimas estão sãs e salvas e o criminoso já está no IML.

Lucas Babosa da Silva (São Paulo, SP)

A promoção dada ao "sniper" é um estímulo para que policiais matem primeiro e depois saibam quem é. Wilson Witzel é uma ameaça ao RJ e ao país. E está fazendo essas coisas para se cacifar para a Presidência.

Geraldo da Silva (Salvador, BA)

Foi certeiro o especialista. Um "sniper" não se forma da noite para o dia, e a promoção é merecidíssima. Os trabalhadores do ônibus, vindos de lugar humilde, estão salvos. Não festejo nem choro morte.

Ana Maria Moura (Niterói, RJ)

Se a arma era de brinquedo e o sequestrador foi fuzilado, faltou ação de inteligência da polícia. Deveria primeiro entender o que estava acontecendo para depois atirar.

Eduardo Luís Figueiredo de Lima (Campo Grande, MS)

Wilson Witzel festeja a ação da PM - Antonio Lacerda/Efe

Foi feita a coisa certa, por uma pessoa treinada, mas o governador teve uma atitude desprezível ao sair comemorando a violência.

Augusto João (Sorocaba, SP)


Lava Jato

Só aqui um indivíduo sobre o qual pairam graves suspeitas de corrupção comanda o ministério mais importante do governo (Economia) e vende o patrimônio do país com a anuência da maior parte da mídia e da Justiça ("Lava Jato ignorou repasse de Guedes em denúncia contra empresa de fachada").

Joeli Aparecida Weber Camargo (Curitiba, PR)


Luciano Huck

Huck não fez nada de errado ("Empréstimo de avião foi 'transparente' e 'pago até o fim', diz Luciano Huck"). Errado é o Brasil ter juro subsidiado para quem é rico e cobrar menos juros de um avião do que para financiar a casa de uma família.

Rogério Andrade (Goiânia, GO)

O apresentador Luciano Huck - Marcus Leoni/Folhapress

É o cerne do nosso fracasso socialista burocrático: não é possível emprestar dinheiro barato para todos. Alguns conseguem, outros não.

Anderson Souza (Manaus, AM)


Desigualdade global

A manchete "Entre as democracias, Brasil lidera concentração de renda" merece reflexão. Conforme a tradição aristotélica, democracia é "o governo do povo, de todos os cidadãos, ou seja, de todos aqueles que gozam dos direitos de cidadania". Que democracia exclui pela desigualdade, subtraindo cidadania, oportunidades e direitos? A resposta está implícita na pergunta: essa não é uma democracia, mas uma oligarquia (governo de poucos).

Gustavo A. J. Amarante (São Paulo, SP)


Novo crédito imobiliário

Sobre "Caixa lança crédito imobiliário com juro a partir de 2,95% mais inflação", a medida só auxilia os bancos e vai trazer incerteza para o tomador do empréstimo. A Caixa precisa voltar a financiar 90% do valor do imóvel.

José Adelino Schifino (Goiânia, GO)


Lula

Dilma Rousseff traçou um retrato fiel da atual situação do Brasil ("Lula preso e a democracia ferida"). Pensamento semelhante têm advogados, juízes, desembargadores e procuradores da Associação de Juristas pela Democracia. O golpe permitiu que o país ficasse nas mãos de um governo espúrio e déspota, que nos levará à ruína moral, social e econômica se não for contido.

Arialdo Pacello (Piracicaba, SP)

Não adianta fazer um belo discurso e terminar com o #LulaLivre. Temos a Lei da Ficha Limpa, e ele ainda é réu em diversos processos, até mais sólidos que o do tríplex. Não é Lula quem irá nos conduzir ao futuro. Façamos justiça para com ele, mas Lula deve ir da cadeia para casa e descansar. Não suportamos mais essa polarização.

Eduardo Oliveira de Souza (Patos de Minas, MG)

Até concordo que a sra. Dilma Rousseff conteste a Lava Jato e as ações do dr. Moro, invalide a delação premiada de empresário por alegada intimidação, depois refutada pelo próprio delator, mas declarar Lula inocente é demais. O caso do tríplex é apenas um dos muitos crimes, que certamente terão muito mais provas nos tribunais.

Walter Lucio Lopes (Arujá, SP)


Amazônia

Muito boa a ideia de Hélio Schwartsman ("Vamos vender a Amazônia?"). A Amazônia é patrimônio do planeta e pertence ao território nacional por força da natureza apenas. Se não cuidamos dela, se permitimos que ela seja literalmente destruída, então que seja entregue a um país que a valorize como reserva do planeta (Alemanha, Noruega).

Maria Filomena Santos A. Passos (Ribeirão Preto, SP)


Hizbullah

O Hizbullah, também partido político e entidade beneficente e educacional, sempre agiu como resistência legítima contra invasores estrangeiros no Líbano. Foi assim com militares dos EUA e, depois, de Israel, países que, não por outra razão, passaram a chamá-lo "terrorista" e a tentar imputar-lhe culpa por atentados antijudaicos na Argentina e outras atividades escusas, o que nunca foi de seu feitio ("Governo estuda mudar status do Hizbullah para organização terrorista").

Mauro Fadul Kurban (São Paulo, SP)


Apagão de Keanu Reeves

A falta de informações aos moradores com relação ao apagão para filmagens de uma série de TV é um desrespeito da prefeitura com os munícipes ("Apagão de Keanu Reeves assusta moradores no centro paulistano"). Moro nas imediações do Beco do Batman e, com frequência, as ruas no entorno são fechadas para eventos. Nós ficamos sabendo somente no dia.

Simon Widman (São Paulo, SP)


Raul Seixas

Raul Seixas se tornou um verdadeiro mito da música brasileira. Após 30 anos de sua morte, milhares de fãs ainda gritam "toca Raul" ("Paulo Coelho diz que sucesso de Raul Seixas foi espontâneo e que persiste 30 anos após morte"). Seu jeito único e irreverente o eternizou como Maluco Beleza. Suas músicas com letras críticas e polêmicas vão se perpetuar por mais 30 anos.

Derneval José de Souza (Brasília, DF)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.