'Se alguém fez teatro, foi o presidente Bolsonaro', diz Kajuru à Folha após conversa sobre CPI da Covid

Senador afirma que presidente pôde se opor à divulgação da ligação entre eles que abriu nova crise entre Poderes

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Pivô da mais recente crise envolvendo o governo federal, o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) afirmou que não cometeu nenhum crime ao gravar e divulgar o conteúdo de um telefonema mantido com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Kajuru também disse que sua ligação não foi nenhuma armadilha e que ele não estava fazendo nenhum “teatro” durante a conversa.

“Se alguém fez teatro foi o presidente Bolsonaro. Eu não fiz teatro nenhum, não. Eu fui reivindicar o meu direito de cobrar dele para ele ser justo e não colocar todo mundo [todos os senadores] na mesma vala”, afirmou à Folha.

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) durante sessão do Senado Federal - Pedro Ladeira - 14.mar.2019/Folhapress

Durante a conversa telefônica, Bolsonaro sugere ao parlamentar entrar com pedido de impeachment de ministros do Supremo, além de pedir para ampliar o escopo da CPI para investigar prefeitos e governadores.

O presidente da República também ofende o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento para instalar a CPI da Covid, e afirma que queria "sair na porrada" com ele.

Kajuru afirmou que o presidente teve chances de se opor à divulgação, mas que não o fez e apenas hoje “mudou de ideia”, muito provavelmente após ter sido alertado de que cometeu erros.

O parlamentar também ironizou o fato de o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ter afirmado que iria contra ele no Conselho de Ética.

“A gente iria juntos, cada um com o seu motivo. Eu não cometi crime nenhum. Qual crime que eu cometi? E ele?”, questiona, em referência aos pedido de abertura de procedimento contra o filho do presidente, por conta das acusações de crime de “rachadinha”.

Como o senhor viu a reclamação hoje do presidente Jair Bolsonaro a respeito do vazamento da conversa entre vocês dois? Eu vejo que ela só aconteceu hoje, porque alguém, como o Mourão, ou sei lá quem chegou nele e falou que ele não deveria ter agido como agiu na conversa comigo. Aí ele mudou de opinião. Porque, se ele estivesse realmente chateado, ele poderia ter ligado para mim ontem, ou então no nosso telefonema às 12h40, ter falado: 'Não, Kajuru, não põe isso no ar, não'.

Eu liguei rapidinho, não gravei [a segunda conversa] porque falei muito rápido. Dei dois comunicados para ele: 'Presidente, primeiro o [senador] Alessandro Vieira entrou com requerimento para estender a governadores e prefeitos a investigação, portanto o senhor não tem mais nada que falar nesse assunto. E segundo, aquela conversa nossa eu vou colocar no ar agora'. Então comuniquei e ele falou: 'Não, não, tudo bem, tchau, tchau''.

Por que o senhor ligou inicialmente para o presidente? No sábado à noite, quando telefonei para ele, foi exclusivamente para reclamar dele. Basta você ouvir a gravação. Foi para reclamar dele que ele não foi correto com outros senadores e nem comigo, ao generalizar todos os senadores que queriam fazer só uma CPI contra ele, que ele chamou de "CPI Sacana". E dizer que todos os senadores só querem fazer CPI contra ele.

Eu fui falar para ele, mas sempre reforçando isso: 'O senhor vai dar uma declaração, que eu liguei para o senhor, que eu deixei claro para o senhor, porque o senhor colocou todo o mundo no mesmo balaio'. Chegou a chamar de canalhada todo mundo. Então o que fiz foi isso. Aí ontem [domingo] eu decidi colocar no ar porque é público, eu disse no Senado, na tribuna do Senado, que toda conversa minha com político eu gravo.

Então foi isso que eu fiz com ele. Considerei que era importante [divulgar], não vi crime nenhum, porque toda vez que conversei com ele, sobre diabetes, sobre outros assuntos, eu botei no ar a nossa conversa. E ele nunca reclamou. Por quê? Porque quando era bom não reclamava.

Tem mais algo a ser divulgado? Não, a única parte que nós cortamos foi ele chamando os senadores de canalhada e xingando o Randolfe [Rodrigues], chamou de bosta. Tudo, tudo, tudo [foi divulgado]. Até porque não tinha mais nada para cortar, eu não corto entrevista de ninguém. Não sou editor de telejornal, não. Quem corta entrevista é televisão, normalmente, ou rádio.

Qual foi a motivação do senhor? Ontem [domingo] de manhã, ouvindo ela de novo, eu falei assim: 'Vou colocar no ar, porque é importante'. Porque eu pensei que isso aí esclarece de vez aos outros senadores que o Bolsonaro, pela primeira vez, disse que não é contra a CPI, porque eu fiz ele falar isso. Ele falou assim: 'Não, Kajuru, se ouvir governadores e prefeitos, tem mais é que ter CPI mesmo, pronto, acabou, não estou nem aí. Coloca tudo pra frente, impeachment, CPI, mas tem que ouvir governadores e prefeitos'.

Então, para mim, era importante a gravação ser colocada. E, como ele sabe e todos os políticos sabem, eu gravo mesmo, até porque de repente amanhã o Bolsonaro não iria fazer o que prometeu e obviamente não fez, que era ser justo com os senadores favoráveis à investigação de governadores e prefeitos, e não chamar todo mundo de canalhada.

O filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro, disse que vai levar o senhor ao Conselho de Ética. Eu pensei que seria bom ele também ir. A gente iria juntos, cada um com o seu motivo. Eu não cometi crime nenhum. Qual crime que eu cometi? E ele?

Há quem veja a conversa como um "teatro", especialmente no STF. Eu não faço parte de teatro. Que esses ministros me respeitem. Eu respeito alguns só, tanto que estou pedindo impeachment de Alexandre de Moraes e no ano passado pedi do Gilmar Mendes. Então, esse tipo de gente que está falando em off, eu ofereço meu desprezo, total. Não tenho nada que comentar uma barbaridade dessa, dita dessa forma.

Que teatro? Ouve a gravação. Da minha parte? Se alguém fez teatro foi o presidente Bolsonaro. Eu não fiz teatro nenhum, não. Eu fui reivindicar o meu direito de cobrar dele para ele ser justo e não colocar todo mundo na mesma vala. Ouça a gravação. Que teatro que tem? Eu não participo de teatro nenhum, não. Quem faz teatro é o Supremo Tribunal Federal, basta ver os julgamentos, com esses placares de 6 a 5. Ali que é teatro. Me respeitem.

O presidente está usando politicamente o episódio para reagir à CPI? Claro que sim, evidente, porque, se você pegar a gravação e fizer uma análise política dela, ela foi positiva para ele. Onde que foi negativa? Ela foi positiva para ele. Agora ele me pediu para botar o resto e eu botei. Agora tem essa parte negativa, a maneira como ele tratou os senadores, em especial o Randolfe. Foi a primeira declaração em que ele realmente disse que quer a CPI, porque antes ele estava contra a CPI. Só tinha declaração dele xingando todo o mundo.

Foi a primeira vez que ele deixou clara a opinião dele, que é a favor do pedido de impeachment de ministro. Ainda perguntou para mim: 'Você entrou com algum? Contra quem?'. Aí disse que entrei contra o Alexandre de Moraes. 'Você entrou no Supremo?'. 'Entrei no Supremo com o [Luís Roberto] Barroso. Fiz a minha obrigação', falei para ele. Porque ele não sabia disso, o presidente não sabia. A imprensa noticiou. Ele não tomou conhecimento porque não quis ou então fingiu para mim que não sabia.

Acredita que o presidente pode ter cometido crime ao articular um impeachment de ministro do STF? Ele não me instigou. Eu entrei antes de ele falar comigo. Eu disse: 'Já fiz isso, presidente'. Não foi ele que determinou, não. Eu entrei tem 60 dias.

Não, não, eu não considero isso crime. Eu considero que foi uma opinião dada a ele e ele se mostrou duvidoso: 'Ah, o Kajuru não vai entrar com pedido de impeachment, nada'. E quis falar isso para mim. Imagino isso. Mas eu não posso crer que ele não sabia, já tinha notícia na imprensa, nós conseguimos já quase 3 milhões de assinaturas. Isso é de domínio público, que eu entrei. Pode ter tentado fazer isso, mas isso comigo não cola, não. Por isso que com todo político que eu converso eu gravo, para ficar claro ou esclarecer.

Se precisar responder judicialmente pelo vazamento, pretende também acionar Bolsonaro ou Flávio na Justiça? Evidente, meus advogados estão prontos e a postos. E eu ouvi, de um promotor respeitado de Goiás, que não cometi crime nenhum. Estou de cabeça erguida. Quem veio pedir o Conselho de Ética foi quem todo mundo quer abrir processo no Conselho de Ética. Foi por isso que eu ri.

Entenda o telefonema

Quando ocorreu a conversa entre Kajuru e Bolsonaro? Quem ligou pra quem? Segundo Kajuru, a conversa aconteceu na noite de sábado (10), quando ele telefonou para o presidente.

Kajuru avisou antes a Bolsonaro que a gravação da conversa seria divulgada? No domingo (11), às 12h40, Kajuru disse ter comunicado a Bolsonaro que, dali a 20 minutos, divulgaria em suas redes sociais a conversa da noite anterior. O senador afirmou à Folha que esta segunda conversa durou menos de um minuto e não foi gravada.

Já Bolsonaro tem outra versão. "O que está em voga hoje em dia é que eu fui gravado numa conversa telefônica, a que ponto chegamos no Brasil aqui. Gravado", disse Bolsonaro. "Não é vazar. É te gravar. A gravação é só com autorização judicial. Agora, gravar o presidente e divulgar. E outra, só para controle, falei mais coisas naquela conversa lá. Pode divulgar tudo da minha parte, tá?".

Filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) afirmou que irá representar contra Kajuru no Conselho de Ética do Senado pela divulgação do áudio da conversa.

Veja trechos da fala de Bolsonaro a Kajuru, com comentários

“Se mudar [o foco da CPI], [nota] 10 pra você, porque nós não temos nada a esconder.”

“Tem que mudar o objetivo da CPI. Ela tem que ser ampla. Aí você faz um excelente trabalho para o Brasil.”

"A CPI hoje é para investigar omissões do presidente Jair Bolsonaro, ponto final. Quer fazer uma investigação completa? Se não mudar o objetivo da CPI, ela vai vir só pra cima de mim.”

Desde sábado, quando visitou a periferia de Brasília, Bolsonaro passou a pressionar para que a CPI investigue também prefeitos e governadores, e não apenas as ações e omissões do governo federal. Na conversa com Kajuru, o presidente repete esse argumento algumas vezes.

“O que precisa fazer pra ser uma CPI útil para o Brasil: mudar a amplitude dela. Bota governadores e prefeitos. Presidente da República, governadores e prefeitos.”

"Se não mudar [a amplitude], a CPI vai simplesmente ouvir o [ex-ministro da Saúde] Pazuello, ouvir gente nossa, para fazer um relatório sacana.”

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) protocolou no sábado (10) um pedido de aditamento da CPI da Covid para ampliar o escopo, com a intenção de incluir nas investigações atos praticados por agentes políticos e administrativos de estados e municípios na gestão de recursos federais.

"Para não deixar margem de dúvida, já está apresentado, foi protocolado, e a gente vira esta página e o governo vai ter de inventar outra desculpa [para não apoiar a CPI]", disse. Após a instalação da CPI, o pedido precisa ser aprovado por maioria simples.

“A gente fica fazendo do limão uma limonada. Por enquanto, é um limão que tá aí. Dá para ser uma limonada. Acho que você já fez alguma coisa, tem que peticionar o Supremo pra botar em pauta o impeachment também [dos ministros do Supremo].”

Já na noite de quinta-feira (8), horas após a decisão do ministro do STF Luís Roberto Barroso, Bolsonaro disse que a corte interfere nos outros Poderes ao mandar abrir a CPI da Covid. O presidente citou ainda pedidos de impeachment de ministros do Supremo que estão no Senado e, na visão dele, deveriam ser apreciados.

Um dia depois, na sexta-feira (9), a apoiadores, voltou a cobrar a abertura de pedidos de impeachment contra magistrados. "Se tiver moral, um pingo de moral, ministro Barroso, mande abrir o processo de impeachment contra alguns dos seus companheiros do Supremo Tribunal Federal", afirmou.

No telefonema, Kajuru responde ao presidente que já entrou com procedimento para investigar o ministro so STF Alexandre de Moraes, ao que o presidente responde “tudo bem”. “Tenho que começar pelo Alexandre de Moraes porque o do Alexandre de Moraes meu já está lá engavetado pelo Pacheco. Só falta ele liberar”, diz o senador.

“Nós estamos afinados, nós dois. É CPI ampla e investigar ministros do Supremo. Dez para você.”

“Sabe o que eu acho que vai acontecer? O que vai acontecer eles vão [inaudível] tudo. Não tem CPI não tem investigação de ministro do Supremo. Eu sou a favor de botar tudo pra frente.”

Reportagem da Folha desta segunda-feira (12) mostrou que o governo Bolsonaro passou a defender abertamente a ampliação da CPI da Covid. Com a medida, a comissão no Senado poderia investigar também a ação de governadores e prefeitos na pandemia.

A estratégia, segundo senadores e auxiliares de Bolsonaro, é jogar mais pressão sobre congressistas para que eles retirem assinaturas do pedido de criação da comissão.

O Palácio do Planalto avalia que a perspectiva de uma CPI que, além do governo federal, mire prefeitos e governadores pode ser suficiente para reduzir os apoios à instalação da CPI no Senado, uma vez que senadores são ligados politicamente às administrações nos estados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.