Pessoas trabalham de graça para redes sociais, afirma Eugênio Bucci

Em novo livro, professor da USP defende que negócio das big techs é extrair o olhar de usuários

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A máxima "se o produto é de graça, você é o produto" se tornou conhecida para sintetizar o modelo de negócios de gigantes da internet.

Ao usar aplicativos e redes sociais, as pessoas concordam em entregar dados pessoais, que permitem que os algoritmos conheçam, muitas vezes, seus hábitos e desejos melhor que eles mesmas.

Para Eugênio Bucci, jornalista e professor titular da Escola de Comunicações e Artes da USP, essa é só uma parte da história. Em "A Superindústria do Imaginário" (Autêntica), o convidado desta semana do Ilustríssima Conversa argumenta que o que move as big techs, além da coleta de dados pessoais, é o extrativismo do olhar dos seus usuários.

Em vez de usuário, aliás, ele prefere o termo trabalhador. Ao postar uma foto ou rolar o feed de uma rede social, diz, as pessoas estão trabalhando —sem saber disso e sem ser pagas.

Retrato de Eugênio Bucci, autor de 'A Superindústria do Imaginário' - Keiny Andrade - 19.fev.20/Folhapress

Bucci defende que, em um capitalismo movido pela produção de narrativas e imagens, olhar significa participar de mecanismos de fabricação de sentido, como a reputação de uma marca ou uma identidade pessoal.

Na conversa com o repórter Eduardo Sombini, o autor tratou do novo tipo de valor gerado nesse processo e apropriado monopolisticamente pelos conglomerados globais de tecnologia e discutiu os riscos que a superindústria do imaginário cria para a democracia.

As empresas mais valiosas da história do capitalismo são os conglomerados monopolistas globais de hoje. Eles são tão valiosos porque extraem o olhar, canalizando-o como trabalho, têm o mapa da mina dos circuitos inconscientes do desejo de cada um e encontraram uma mão de obra inesgotável e gratuita

Eugênio Bucci

professor titular da USP

O Ilustríssima Conversa está disponível nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

Já participaram do Ilustríssima Conversa Rafael Mafei, autor de livro sobre a história do impeachment no Brasil, Kauê Lopes dos Santos, que debateu a economia política de Gana, Rosa Freire D’Aguiar, organizadora de coletânea de cartas de Celso Furtado, Fábio Kerche e Marjorie Marona, que fizeram um balanço dos dois primeiros anos do governo Bolsonaro, Regina Facchini e Isadora Lins França, organizadoras de livro sobre direitos LGBTI+ no Brasil, Alessandra Devulsky, autora de livro sobre racismo e colorismo, Idelber Avelar, que discutiu a ascensão do bolsonarismo, Christian Dunker, psicanalista que reconstituiu a história da depressão, Lira Neto, que narrou a saga dos judeus sefarditas até o Recife, Roberto Simon, autor de livro sobre o apoio da ditadura brasileira ao golpe contra Allende, no Chile, e Heloisa Buarque de Hollanda, que situou as principais tendências do pensamento feminista contemporâneo, entre outros convidados.

A lista completa de episódios está disponível no índice do podcast. O feed RSS é https://folha.libsyn.com/rss.​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.