Por que o aborto desperta a fúria patriarcal, segundo Debora Diniz

Antropóloga fala sobre perspectivas do feminismo e critica contraposição de pautas identitárias a lutas por justiça social

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A antropóloga Debora Diniz, professora da UnB (Universidade de Brasília) e atualmente pesquisadora visitante da Universidade Brown, em Rhode Island, nos Estados Unidos, é a convidada desta semana do Ilustríssima Conversa.

Diniz, uma das mais premiadas pesquisadoras brasileiras nas áreas de gênero e direitos reprodutivos, defende que o aborto deve ser tratado como um problema de saúde pública.

Em sua avaliação, uma das tarefas do feminismo é transformar as perguntas que cercam esse tema: em vez de questionar quando a vida humana começa, ela diz, é preciso, em uma democracia laica, se perguntar por que mulheres podem ser presas por abortar.

Depois de defender a descriminalização do aborto em uma audiência pública no Supremo Tribunal Federal, em 2018, Diniz passou a receber ameaças de morte e teve que deixar o Brasil.

Retrato da antropóloga Debora Diniz - Acervo pessoal

Na conversa com o repórter Eduardo Sombini, a antropóloga disse que o aborto desperta a fúria em uma sociedade patriarcal porque controlar a reprodução das mulheres permite controlar a reprodução social como um todo e apontou que é preciso desafiar o vocabulário político que separa pautas identitárias –gênero, raça e sexualidade, por exemplo– de lutas por justiça social.

Diniz acaba de lançar "Esperança Feminista" pela Rosa dos Tempos, selo da Record. O livro foi escrito em coautoria com Ivone Gebara, doutora em filosofia e em ciências religiosas, freira, feminista e defensora do direito ao aborto. Na obra, as autoras apresentam 12 verbos que, para elas, revelam caminhos para uma política feminista.

Quem é que inventou que discutir pobreza é uma contraposição a discutir gênero e raça? As questões de justiça sempre foram –e sempre serão– desde o corpo que é vivido e que experimenta as desigualdades. Quem fez essa separação, que atravessa diferentes espectros do pensamento, foi o próprio patriarcado, o próprio racismo, separando "as políticas que são fragmentadoras", as de raça e as de gênero, das "políticas que são agregadoras", as lutas por igualdade

Debora Diniz

Antropóloga e professora da UnB (Universidade de Brasília)

O Ilustríssima Conversa está disponível nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

Já participaram do Ilustríssima Conversa Deivison Faustino, que desenvolve pesquisas sobre a obra de Frantz Fanon, Fernando Morais, biógrafo de Lula, Sergio Miceli, sociólogo que tratou de Drummond e do modernismo, Daniela Arbex, jornalista que investigou a tragédia de Brumadinho, Tatiana Roque, pesquisadora que discute as relações entre mudanças climáticas e política, Margareth Dalcolmo, que falou sobre a variante ômicron e a perspectiva de tratamento precoce real da Covid-19, Marcelo Semer, autor de livro sobre o Judiciário e a política no Brasil, Eliane Brum, que alertou sobre a necessidade de preservar a Amazônia no contexto atual de crise climática, Renan Quinalha, para quem a LGBTfobia de Bolsonaro atualiza moralismo da ditadura "hétero-militar", Simone Duarte, que defendeu que o 11 de Setembro nunca terminou no Afeganistão, Natalia Viana, que discutiu a politização das Forças Armadas, Camila Rocha, pesquisadora da nova direita brasileira, entre outros convidados.

A lista completa de episódios está disponível no índice do podcast. O feed RSS é https://folha.libsyn.com/rss.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.