Na contramão de Doria, Covas troca secretários e acena ao campo progressista

Prefeito chamou articulador do Carnaval de rua para Cultura e contempla alas do PSDB

Artur Rodrigues
São Paulo

O prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB) nomeará mais três secretários e fez sinalizações ao campo progressista e também a áreas do PSDB que perderam espaço, de olho na reeleição em 2020.

Covas se posiciona na tentativa de ocupar o espaço que o ex-governador Márcio França (PSB) ocupou durante as eleições de 2018. Ao mesmo tempo, sinaliza para alas do tucanato que foram escanteadas pelo governador João Doria (PSDB). O governador, por outro lado, se aproximou do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e se diz antiesquerda. 

 

O prefeito calcula que o campo à direita terá concorrentes de peso, ligados à onda bolsonarista, e tenta ocupar o espaço do ex-governador que, apesar da derrota na tentativa de se reeleger, venceu Doria na capital paulista. Covas não foi à posse de Doria no governo estadual, mas dias depois ambos fizeram agenda juntos em que o governador classificou a parceria de ambos como indissolúvel

A principal troca feita por Covas é a de André Sturm, na Cultura, pelo produtor cultural Alê Youssef. Dessa maneira, sai um secretário suspeito de irregularidades e com relação turbulenta com movimentos sociais e entra um dos principais articuladores do carnaval de rua paulistano. 

O novo secretário Alê Youssef na festa de um ano da Casa do Baixo Augusta - Marcus Leoni/Folhapress

A mudança é acompanhada também da entrada do deputado estadual Carlos Bezerra (PSDB), ligado aos direitos humanos e da ala mais à esquerda do tucanato —ele não conseguiu se eleger deputado federal e deixará a Assembleia Legislativa em março, quando termina o mandato. A presença de Bezerra na gestão municipal também é um aceno a Geraldo Alckmin (PSDB), próximo do deputado. 


O deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB) deve assumir o cargo de secretário executivo voltado ao relacionamento com o governo federal. Ele tentou uma vaga no Senado, sem sucesso. Ex-líder do PSDB na Câmara, Tripoli é ativista na área ambiental, em um momento que a gestão do presidente Bolsonaro tem relação turbulenta com a área. 

Antes disso, Covas havia nomeado para a Educação o ex-titular da pasta da mesma área na gestão França, João Cury Neto. Ele havia sido expulso expulso do PSDB por aliados de João Doria. A troca de Alexandre Schneider por Cury visava atrair França, virtual concorrente do prefeito na disputa. 

França tentou a reeleição ao governo no ano passado, mas foi derrotado por Doria em disputa acirrada de segundo turno. O aceno foi bem visto pelo ex-governador.

A vinda de Mauro Ricardo, nome ligado ao senador José Serra (PSDB), para a secretaria de Governo é mais uma aproximação de Covas do tucanato tradicional. 

Covas também fez gesto em direção a Doria, ao nomear seu braço direito no governo, o assessor pessoal Wilson Pedroso, como membro do conselho de administração da estatal São Paulo Obras. Pela participação em uma reunião mensal, o salário é de R$ 6 mil. 

O salário atual de Pedroso no governo estadual ainda não foi atualizado no site da Transparência. Antes de atuar no governo, ele foi chefe de gabinete de Doria na prefeitura e atuou na campanha.

CULTURA

À Folha, Sturm disse que já havia feito o pedido de sua exoneração antes das eleições de 2018, mas permaneceu na cadeira a pedido de Covas até ser comunicado da demissão nesta segunda. "Trabalhar com governo é algo muito desgastante, há muita burocracia", diz. 

André Sturm é alvo de uma investigação do Ministério Público do Estado de São Paulo, que abriu inquérito para apurar se houve improbidade administrativa do secretário no rompimento do contrato entre a prefeitura e o Instituto Odeon, organização que administrava o Theatro Municipal paulistano.

Sturm assumiu a pasta vindo da direção do Museu da Imagem e do Som, cujo público havia ampliado de 40 mil (em 2009) para 446 mil (2016), com populares mostras interativas. Também ficou marcado por seu trabalho à frente do Cine Belas Artes.

Mas sua gestão foi marcada por uma série de desgastes. Logo que assumiu, há dois anos, viu um contingenciamento de 43,5% no orçamento da pasta, e seguidos protestos da classe artística.

No Carnaval daquele ano, houve uma marcha contra a organização da festa, a cargo da Secretaria Municipal de Cultura, e a dispersão pela PM com bombas de efeito moral na praça Roosevelt.

Quatro meses depois, divulgou-se áudio em que Sturm ameaçava "quebrar a cara" de um gestor cultural durante reunião na zona leste. Logo na semana seguinte, um grupo de 70 manifestantes invadiu o 11º andar do edifício onde funciona a secretaria, um ato em que se pedia a saída de Sturm da pasta.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.