Descrição de chapéu Humanos da Folha

Lenora de Barros promoveu renovação gráfica na Folha nos anos 1980

Artista visual e editora, ela modernizou a identidade visual do jornal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Se até hoje você lê no jornal o nome das editorias da Folha em letras minúsculas —“cotidiano”, “mercado”, “esporte”— a culpa é de Lenora.

Se você é daqueles que têm saudade dos tempos em que a capa de todos os cadernos trazia um quadrinho chamado Indifolha, sempre com informações curiosas, pode colocar esse prazer na conta da Lenora.

mulher branca, de cabelos pretos e curtos, está sentada à mesa em um ateliê com quadros pendurados. ela apoia os braços na mesa e sorri olhando para o lado
A artista visual Lenora de Barros, que promoveu modernização gráfica da Folha em seu período como editora de Arte, na segunda metade da década de 1980 - Eduardo Knapp - 17.dez.2014/Folhapress

A artista plástica Lenora de Barros tinha 33 anos quando chegou ao jornal, em 1986, justamente quando a Folha iniciava um profundo processo de transformação, capitaneado pelo diretor de Redação Otavio Frias Filho (1957-2018), chamado Projeto Folha.

Editorialmente, o jornal passou a pregar o apartidarismo, a liberdade de expressão, a pluralidade de opiniões e o cuidado de abrigar o contraditório.

Graficamente, as coisas ainda engatinhavam quando Lenora chegou. Na ocasião, ela já era uma artista reconhecida por suas fotos-performances, nas quais desenvolvia a linguagem verbal aliada à visual. Sua série em que exibia a própria língua sendo atacada pelas letras de uma máquina de escrever é de 1979.

língua de pessoa sorrindo lambe teclas de uma máquina de escrever
"Poema", obra de impressão jato de tinta sobre papel algodão, de Lenora de Barros - Lenora de Barros

Depois de um breve período como editora-adjunta dos cadernos semanais, ela foi convidada por Frias Filho a ocupar o posto de editora de Arte.

“Logo nos primeiros dias, corri um risco enorme. O jornal todo era feito com letras serifadas [serifas são os pequenos traços que alongam os pés das letras]. Todos os títulos, textos e as artes também. Resolvi que, nos quadros e nas tabelas, deveríamos usar letras-bastão, sem serifas, para fazer um contraste”, lembra.

“Escolhi a letra Futura. É uma letra que havia sido bastante usada pelos poetas concretos e também tinha uma forte ligação com a Bauhaus [escola de arte alemã que funcionou entre 1919 e 1933]. Acontece que resolvi fazer uma surpresa e não avisei ninguém da chefia. No dia seguinte, cheguei toda feliz ao jornal. Encontrei o Otavio no bebedouro e ele, jogando a canetinha vermelha entre os dedos, disse ‘Notei uma diferença no jornal de hoje... Acho que ficou bom. Mas, Lenora, na próxima vez que for fazer uma mudança, vamos combinar que você me apresenta antes, fazemos testes etc.’.”

Os próximos passos de Lenora foram dividir a página do jornal em módulos (“para facilitar o uso com computadores, que estavam chegando”), a cadernização (“a Ilustrada já tinha um caderno próprio, e Esporte saía de vez em quando”) e o uso do nomes dos cadernos em minúsculas, seguindo a Ilustrada (“me ocorreu por causa do poeta americano e.e.cummings, que só escrevia em caixa baixa”).

“Um dos momentos mais bacanas foi a chegada do primeiro Macintosh à Redação”, lembra Lenora.

“Toda a equipe ficou doida com aquilo, mas era semana de eleição, e a gente tinha mil coisas para fazer para ontem. Então, combinei que só abriríamos a caixa do computador depois das eleições. Mas fui para casa e, no dia seguinte, lá estava um caderno especial com a lista de endereços de todas as zonas eleitorais da cidade feita no Macintosh. E as ilustrações feitas no computador também, aquela linguagem geométrica. Foi um espanto”, conta.

“O Otavio ficou tão empolgado com o Macintosh que pediu para a gente legendar a ilustração como a ‘primeira ilustração feita em computador na América Latina’.” A máquina também abriu caminho para uma das marcas mais duradouras da Folha, a produção de infográficos, ou seja, a apresentação de informações em forma ilustrada em vez de texto.

Durou três anos essa revolução gráfica conduzida por Lenora, que integrava um projeto mais amplo de reposicionamento visual tal como imaginado por Frias Filho e pelo então editor-executivo, Matinas Suzuki Jr..

Casada com Marcos Augusto Gonçalves, que havia sido editor da Ilustrada (hoje é da Ilustríssima), Lenora topou ir com ele para a Itália, onde o jornalista seria correspondente por dois anos. “Em Milão, pude voltar a ser artista, algo de que sentia muita falta”, diz.

Na volta, em 1991, ainda foi editora de fotografia da Folha por dois anos, até que sentiu novamente falta “das exposições que não estava fazendo.”

No final dos anos 1990, a artista fez reformas gráficas em revistas da editora Abril, mas não conseguia mais deixar de lado sua faceta artística.

“Foi um trabalho que culminou em 2016, ao ser convidada para fazer parte da exposição Mulheres Radicais, com cem artistas mulheres latino-americanas.” A mostra, que abriu em Los Angeles com uma de suas fotos na capa do catálogo, foi exibida também em Nova York e na Pinacoteca em São Paulo.

Aos 67 anos, a artista continua em obras. Acaba de lançar um livro de arte “...Umas.” (Familia Editions, 120 págs., R$ 400), com a reunião de uma série de poemas visuais que publicou no Jornal da Tarde, semanalmente, entre 1993 e 1996. Era uma coluna experimental, com o mesmo nome do livro, que misturava fotos, textos, pensamentos e ilustrações.

Em edição bilíngue em dois volumes, limitada a 500 exemplares, o livro está à venda na livraria de arte Lovely House (www.lovelyhouse.com.br).​

Lenora de Barros

Nascida em São Paulo e formada em linguística pela USP, trabalhou na Folha como editora de Arte na segunda metade dos anos 1980 e como editora de Fotografia no início da década de 1990. É hoje, aos 67 anos, uma das principais artistas visuais do país.

Este texto faz parte do projeto Humanos da Folha, que apresenta perfis de profissionais que fizeram história no jornal.

Humanos da Folha

Conheça a história de profissionais que trabalharam no jornal

  1. Com 50 anos de carreira, Passarelli ganhou Prêmio Esso de Fotografia inédito para a Folha

  2. Fotógrafo se consagrou com imagem das Diretas-Já que foi capa da Folha

  3. 'Era elogiada por fotografar igual a homem', lembra Renata Falzoni

  4. Entre patos e formigas, obra de Ciça compõe fábula política do Brasil

  5. Fotógrafo da Folha se consagrou com imagem histórica do general Costa e Silva

  6. Morre o jornalista Celso Pinto, criador do jornal Valor Econômico, aos 67 anos

  7. Fotógrafo da Folha escondeu filme para retratar sessão de eletrochoque em manicômio

  8. Morto há uma década, Glauco unia humor ácido e carinho por personagens

  9. Editora da Ilustrada fez caderno 'da cultura e da frescura' nos anos 70

  10. História de êxito de Mauricio de Sousa começou como repórter policial na Folha

  11. Clóvis Rossi estaria indignado com a realidade brasileira, diz filha

  12. Me viam como 'patricinha', diz Joyce Pascowitch, que inovou o jeito de fazer coluna social nos anos 80

  13. Elvira Lobato revelou poço para teste de bomba atômica e império da Igreja Universal

  14. Fortuna se consagrou como 'o cartunista dos cartunistas'

  15. Com estrela de xerife, Caversan ocupou diversos cargos de edição na Folha

  16. Erika Palomino inovou na cobertura da noite paulistana

  17. Niels Andreas fotografou massacre do Carandiru e 50 anos de Israel

  18. Natali foi correspondente em Paris e uniu música e trabalho

  19. Dona Vicentina trabalhou como secretária na Folha durante mais de 5 décadas

  20. Fotógrafo se destacou nas coberturas do massacre de ianomâmis e da prisão de PC Farias

  21. Cláudio Abramo ajudou a renovar Folha nos anos turbulentos da ditadura

  22. Ilustrações de Mariza levaram o horror do cotidiano para as páginas do jornal

  23. Irreverente, Tarso de Castro criou o histórico Folhetim nos anos 1970

  24. Veemência das charges de Belmonte irritou até o regime nazista

  25. Boris assumiu Folha na fase mais tensa e conduziu travessia do jornal para o pós-ditadura

  26. Engenheiro ajudou Folha a se modernizar e atravessar transições tecnológicas

  27. Lenora de Barros promoveu renovação gráfica na Folha nos anos 1980

  28. Antônio Gaudério colecionou prêmios com fotos voltadas às questões sociais

  29. Bell Kranz levou temas considerados tabus para a Folhinha e o Folhateen

  30. Com poucos recursos, Olival Costa fundou Folha da Noite em 1921

  31. Sarcástico e culto, Bonalume cobriu ciência e conflitos pelo mundo por mais de 30 anos

  32. Coletti foi 'carrapato' de Jânio e teve prova de fogo na cobertura da visita de De Gaulle

  33. Apaixonado por cinema, seu Issa foi um precursor dos anúncios de filme no jornal

  34. João Bittar foi o editor que ajudou a levar fotógrafos da Folha para o mundo digital

  35. Pacato, Lourenço Diaféria publicou crônica que gerou crise com militares

  36. Moacyr Scliar fantasiava realidade em crônicas inspiradas em notícias da Folha

  37. Pioneiro na divulgação científica, José Reis incentivou presença de pesquisadores na mídia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.