Descrição de chapéu Humanos da Folha

Sarcástico e culto, Bonalume cobriu ciência e conflitos pelo mundo por mais de 30 anos

Bona, como era conhecido, viajou por dezenas de países, do Timor Leste ao Haiti, como repórter da Folha

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Luiz Antônio del Tedesco
São Paulo

“Ele era irreverente o tempo todo. E brilhante.” 
Maurício Tuffani, amigo, ex-colega de Folha, atualmente editor do site Direto da Ciência e que ganhou do repórter, numa noitada no bar Empanadas, o apelido de TooFunny.

“O temperamento caótico não ajudava, mas era certamente componente inseparável de sua exuberância intelectual.” 
Marcelo Leite, repórter especial da Folha, que foi seu editor em Ciência.​

Ricardo Bonalume Neto em São Paulo em 2017
Ricardo Bonalume Neto em São Paulo em maio de 2017 - Gabriel Alves/Folhapress

“Um cara muito provocador; talvez seja esse um dos principais adjetivos para descrevê-lo.” 
Rafael Garcia, amigo, repórter do jornal O Globo.

“Foi, de longe, a pessoa mais culta que eu conheci.” 
Anita Galvão, sua viúva, com quem se casou em 2010 e viveu nos seus últimos oito anos.

*

Ricardo Bonalume Neto, o Bona, era marcante, não passava despercebido por ninguém (e, principalmente, era impossível alguém passar despercebido por ele).

A Folha foi praticamente seu único empregador. Logo após se formar, trabalhou por seis meses em um jornal de bairro e, em seguida, entrou para a Folha.

Sarcástico, zombador, autoirônico, estava sempre a postos para provocações. “Quando íamos encontrá-lo, ele já vinha com aquela cara de que trazia na ponta da língua uma gracinha ou piada para fazer com a gente”, conta Rafael Garcia.

Sua primeira reportagem foi publicada na Ilustrada em janeiro de 1985: “Gatos e gatas embelezam o festival” tratava do público presente à primeira edição do Rock in Rio.

Mas a Ilustrada não seria sua maior vitrine. Bonalume destacou-se cobrindo as áreas de ciência e internacional, principalmente os conflitos mundo afora, assunto que era sua paixão.

A serviço da Folha, viajou quase o mundo todo: Haiti (quatro vezes), Timor Leste (duas vezes), Etiópia, Zaire/Congo, Galápagos, a Europa quase toda...

Já em setembro de 1987, pouco mais de dois anos após entrar para a Folha, acompanhou embarcado uma expedição que reconstituiu, com 11 navios que eram réplicas dos originais, a primeira viagem que colonizadores ingleses fizeram à Austrália 200 anos antes. Para manter a veracidade do feito, os veleiros tinham o tipo exato de vela usado à época. A expedição, iniciada em Portsmouth (Inglaterra), acabou dois meses depois, em Sydney. Bona embarcou quando os barcos passaram por Salvador.

Uma de suas mais importantes coberturas na África aconteceu em 1997. Em maio daquele ano, o hirsuto repórter —como ele próprio se adjetivava— viajou ao então Zaire (atual República Democrática do Congo) para acompanhar a revolução encabeçada por Laurent-Désiré Kabila que derrubaria o ditador Mobutu Sese Seko, no comando do país desde 1965.

Bonalume com zairenses/congoleses quando cobriu a rebelião em 1997
Bonalume com zairenses/congoleses quando cobriu a rebelião em 1997 - Arquivo pessoal

A cobertura foi tensa, com Bonalume em meio a tiroteios e mortes. Ao voltar à Redação, marcou-se uma reunião com os jornalistas da casa para que o repórter-navegador relatasse a sua experiência naquele evento histórico.

O repórter especial Fábio Zanini, à época repórter da Agência Folha, relata como foi aquela palestra: “O Bona narrou a viagem, os tiroteios, as mortes... No meio da fala, abriu uma caixa e disse que iria mostrar uns ‘souvenires’ que trouxera de lá. E sacou dali umas cápsulas de balas douradas e pontiagudas, enormes, do tamanho da palma de uma mão. Resgatara aquilo do chão em frente ao palácio do ditador Mobutu. E disse rindo que agradecia por não ter sido atingido por nenhuma delas”.

Ao lado de tantas outras centenas de peças que foi recolhendo em suas viagens, essas cápsulas fazem parte do museu-biblioteca que é a sua casa, na Vila Madalena. Só de livros são mais de 8.000, organizados em dois andares.

“Eu moro não numa casa com biblioteca, mas numa biblioteca que foi transformada em casa”, diz Anita Galvão.

Pelas paredes estão mapas —com alfinetes marcando cada lugar em que ele esteve—, os objetos garimpados, as suas fotos nessas coberturas... Tem até o pedaço de um bombardeiro norte-americano que caiu no Amapá em 1944, durante a Segunda Guerra, e que foi encontrado em 1995. Bonalume trouxe a peça ao fazer a reportagem sobre o achado.

Para retratar a enciclopédia ambulante que era o seu marido, Anita conta da vez em que foram passar o fim de ano no litoral de São Paulo e não parava de chover. Haviam levado como divertimento um daqueles livros tipo “1.001 fatos que mudaram a história”.

“Era impressionante. A gente abria em qualquer página, qualquer uma, ‘Guerra das Rosas’, por exemplo, e ele dizia tudo o que tinha acontecido; ‘Imperador X’, e ele contava a vida toda da pessoa. Era uma diversão, ficávamos eu e meus filhos ouvindo aquilo. Era um absurdo. Ele sabia absolutamente tudo.”

Bona morreu em março de 2018, de hemorragia, durante uma cirurgia, após três meses de idas e vindas do hospital.

Ricardo Bonalume Neto

Nasceu em São Paulo (SP) em 1960 e começou a trabalhar na Folha em 1985. Morreu cedo, em março de 2018, durante uma cirurgia.

Este texto faz parte do projeto Humanos da Folha, que apresenta perfis de profissionais que fizeram história no jornal.

Humanos da Folha

Conheça a história de profissionais que trabalharam no jornal

  1. Com 50 anos de carreira, Passarelli ganhou Prêmio Esso de Fotografia inédito para a Folha

  2. Fotógrafo se consagrou com imagem das Diretas-Já que foi capa da Folha

  3. 'Era elogiada por fotografar igual a homem', lembra Renata Falzoni

  4. Entre patos e formigas, obra de Ciça compõe fábula política do Brasil

  5. Fotógrafo da Folha se consagrou com imagem histórica do general Costa e Silva

  6. Morre o jornalista Celso Pinto, criador do jornal Valor Econômico, aos 67 anos

  7. Fotógrafo da Folha escondeu filme para retratar sessão de eletrochoque em manicômio

  8. Morto há uma década, Glauco unia humor ácido e carinho por personagens

  9. Editora da Ilustrada fez caderno 'da cultura e da frescura' nos anos 70

  10. História de êxito de Mauricio de Sousa começou como repórter policial na Folha

  11. Clóvis Rossi estaria indignado com a realidade brasileira, diz filha

  12. Me viam como 'patricinha', diz Joyce Pascowitch, que inovou o jeito de fazer coluna social nos anos 80

  13. Elvira Lobato revelou poço para teste de bomba atômica e império da Igreja Universal

  14. Fortuna se consagrou como 'o cartunista dos cartunistas'

  15. Com estrela de xerife, Caversan ocupou diversos cargos de edição na Folha

  16. Erika Palomino inovou na cobertura da noite paulistana

  17. Niels Andreas fotografou massacre do Carandiru e 50 anos de Israel

  18. Natali foi correspondente em Paris e uniu música e trabalho

  19. Dona Vicentina trabalhou como secretária na Folha durante mais de 5 décadas

  20. Fotógrafo se destacou nas coberturas do massacre de ianomâmis e da prisão de PC Farias

  21. Cláudio Abramo ajudou a renovar Folha nos anos turbulentos da ditadura

  22. Ilustrações de Mariza levaram o horror do cotidiano para as páginas do jornal

  23. Irreverente, Tarso de Castro criou o histórico Folhetim nos anos 1970

  24. Veemência das charges de Belmonte irritou até o regime nazista

  25. Boris assumiu Folha na fase mais tensa e conduziu travessia do jornal para o pós-ditadura

  26. Engenheiro ajudou Folha a se modernizar e atravessar transições tecnológicas

  27. Lenora de Barros promoveu renovação gráfica na Folha nos anos 1980

  28. Antônio Gaudério colecionou prêmios com fotos voltadas às questões sociais

  29. Bell Kranz levou temas considerados tabus para a Folhinha e o Folhateen

  30. Com poucos recursos, Olival Costa fundou Folha da Noite em 1921

  31. Sarcástico e culto, Bonalume cobriu ciência e conflitos pelo mundo por mais de 30 anos

  32. Coletti foi 'carrapato' de Jânio e teve prova de fogo na cobertura da visita de De Gaulle

  33. Apaixonado por cinema, seu Issa foi um precursor dos anúncios de filme no jornal

  34. João Bittar foi o editor que ajudou a levar fotógrafos da Folha para o mundo digital

  35. Pacato, Lourenço Diaféria publicou crônica que gerou crise com militares

  36. Moacyr Scliar fantasiava realidade em crônicas inspiradas em notícias da Folha

  37. Pioneiro na divulgação científica, José Reis incentivou presença de pesquisadores na mídia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.