Descrição de chapéu Humanos da Folha

Fotógrafo da Folha escondeu filme para retratar sessão de eletrochoque em manicômio

Trabalho de Luiz Carlos Murauskas mostrou crueldade no Manicômio Judiciário do Juqueri

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O pai, um fotógrafo amador, e as revistas que via em plena ditadura, foram as fontes inspiradoras para Luiz Carlos Murauskas, o Luizão. O então jovem de 12 anos, nascido na capital paulista, ficava incomodado com o fato de que muitas vezes o texto não batia com a fotografia.

“Por isso sempre me preocupei em fazer fotografias que não precisassem de texto. Elas, por si só, refletiam o que eu pensava e o que eu queria transmitir.”

Várias pessoas seguram uma mulher em um colchão, enquanto eletrodos são colocados em suas têmporas
Paciente é preparada para sessão de eletrochoque no hospital psiquiátrico Juqueri, em Franco da Rocha (SP) - Luiz Carlos Murauskas/Folhapress

Aos 15 anos começou a fotografar com um grupo de amigos do colégio e a “colocar na cabeça um pouco de política, com informações de colegas mais velhos que tinham participação política. Esse foi meu norte para seguir na carreira. Fiz algumas fotos para jornais pequenos até chegar à Folha, em 1966, onde comecei a fazer plantões no laboratório, de madrugada.”

Foi em uma tentativa de roubo no Masp quando arrombaram uma porta lateral, de madrugada, no final dos anos 1960, que tirou Murauskas do laboratório e o levou às ruas. Como não havia fotógrafo disponível no momento, pegou uma câmera e foi para o local do crime e suas fotos ganharam destaque na edição do dia seguinte.

Além das pautas cotidianas, Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Paulo Maluf, Gilberto Kassab e Lula foram alguns dos “fregueses” nos seus furos fotográficos.

“Independentemente do que eu era politicamente, na fotografia eu sempre fui neutro. Na hora eu estava representando a Folha e não tinha que dar minha opinião. Minha foto não mentia.”

Quando perguntado como ele definia seu perfil profissional, diz emocionado: “Eu sempre quis mostrar a realidade porque eu tinha na mão um grande jornal. Eu sempre mostrei a realidade do ser humano passando fome ou esquecido no mato. Tinha uma forte visão social no meu trabalho, tanto com o leitor quanto com quem eu estava fotografando. Minhas fotos mostravam a miséria, a falta de saúde e educação. São coisas que eu queria mostrar para que o leitor soubesse.”

Nesse contexto, um de seus trabalhos mexeu profundamente com um sistema de saúde e carcerário já falido, cruel e desumano, o Manicômio Judiciário do Juqueri, em Franco da Rocha.

Em setembro de 1983, Murauskas conseguiu fotografar algo inédito na imprensa. Uma sessão de eletrochoque. Ele e o repórter Alexandre Kadunc tinham como missão apurar denúncias de maus-tratos a internos no Juqueri, e conseguiram uma entrevista, com um diretor. Fotos? Só o retrato dele e nada mais.

Mulher está amordaçada e deitada em um colchão enquanto outras a seguram
Paciente é preparada para sessão de eletrochoque no hospital psiquiátrico Juqueri, em Franco da Rocha (SP). O Juqueri chegou a ter 16 mil pacientes em meados da década de 1960 - Luiz Carlos Murauskas/Folhapress

Durante a entrevista, Murauskas viu uma equipe carregando um aparelho de eletrochoque passando pelo corredor. Rápido e astuto, como sempre foi, interrompeu a conversa e perguntou ao entrevistado onde ficava o banheiro, ao mesmo tempo em que, com uma das mãos, fez sinal para o enfermeiro que carregava o equipamento parar. Diante da resposta do diretor que o banheiro ficava “no corredor”, repetiu a pergunta, simulando que não havia escutado. “No corredor”, repetiu o diretor, dessa vez em tom mais alto, de modo que o enfermeiro também ouviu a reposta.

Em seguida, completando a armação, falou ao enfermeiro: “Seu chefe pediu para eu fotografar a sessão, tá? Se tiver dúvida pergunta pra ele”. Com emoção Murauskas define o horror: “Foi triste ver aquela mulher vestindo somente um avental, deitada em um colchão no chão e sendo eletrocutada.”

A artimanha foi descoberta logo depois e Murauskas foi pressionado a entregar o filme. Deu um não usado, pois o filme verdadeiro estava bem escondido em suas meias. No dia seguinte, o escândalo estava na primeira página.

Hoje, aos 71 anos, 51 deles passados na Folha, de onde saiu em 2017, Luizão Murauskas tem seu foco voltado mais para o filho do segundo casamento, Luiz Henrique, com sete anos.

“É que eu preciso fazer um intensivão com ele, pois sei que não vou ficar muito mais tempo por aqui e a lição não pode ficar pela metade.”

Este texto faz parte do projeto Humanos da Folha, que apresenta perfis de profissionais que fizeram história no jornal.

Humanos da Folha

Conheça a história de profissionais que trabalharam no jornal

  1. Com 50 anos de carreira, Passarelli ganhou Prêmio Esso de Fotografia inédito para a Folha

  2. Fotógrafo se consagrou com imagem das Diretas-Já que foi capa da Folha

  3. 'Era elogiada por fotografar igual a homem', lembra Renata Falzoni

  4. Entre patos e formigas, obra de Ciça compõe fábula política do Brasil

  5. Fotógrafo da Folha se consagrou com imagem histórica do general Costa e Silva

  6. Morre o jornalista Celso Pinto, criador do jornal Valor Econômico, aos 67 anos

  7. Fotógrafo da Folha escondeu filme para retratar sessão de eletrochoque em manicômio

  8. Morto há uma década, Glauco unia humor ácido e carinho por personagens

  9. Editora da Ilustrada fez caderno 'da cultura e da frescura' nos anos 70

  10. História de êxito de Mauricio de Sousa começou como repórter policial na Folha

  11. Clóvis Rossi estaria indignado com a realidade brasileira, diz filha

  12. Me viam como 'patricinha', diz Joyce Pascowitch, que inovou o jeito de fazer coluna social nos anos 80

  13. Elvira Lobato revelou poço para teste de bomba atômica e império da Igreja Universal

  14. Fortuna se consagrou como 'o cartunista dos cartunistas'

  15. Com estrela de xerife, Caversan ocupou diversos cargos de edição na Folha

  16. Erika Palomino inovou na cobertura da noite paulistana

  17. Niels Andreas fotografou massacre do Carandiru e 50 anos de Israel

  18. Natali foi correspondente em Paris e uniu música e trabalho

  19. Dona Vicentina trabalhou como secretária na Folha durante mais de 5 décadas

  20. Fotógrafo se destacou nas coberturas do massacre de ianomâmis e da prisão de PC Farias

  21. Cláudio Abramo ajudou a renovar Folha nos anos turbulentos da ditadura

  22. Ilustrações de Mariza levaram o horror do cotidiano para as páginas do jornal

  23. Irreverente, Tarso de Castro criou o histórico Folhetim nos anos 1970

  24. Veemência das charges de Belmonte irritou até o regime nazista

  25. Boris assumiu Folha na fase mais tensa e conduziu travessia do jornal para o pós-ditadura

  26. Engenheiro ajudou Folha a se modernizar e atravessar transições tecnológicas

  27. Lenora de Barros promoveu renovação gráfica na Folha nos anos 1980

  28. Antônio Gaudério colecionou prêmios com fotos voltadas às questões sociais

  29. Bell Kranz levou temas considerados tabus para a Folhinha e o Folhateen

  30. Com poucos recursos, Olival Costa fundou Folha da Noite em 1921

  31. Sarcástico e culto, Bonalume cobriu ciência e conflitos pelo mundo por mais de 30 anos

  32. Coletti foi 'carrapato' de Jânio e teve prova de fogo na cobertura da visita de De Gaulle

  33. Apaixonado por cinema, seu Issa foi um precursor dos anúncios de filme no jornal

  34. João Bittar foi o editor que ajudou a levar fotógrafos da Folha para o mundo digital

  35. Pacato, Lourenço Diaféria publicou crônica que gerou crise com militares

  36. Moacyr Scliar fantasiava realidade em crônicas inspiradas em notícias da Folha

  37. Pioneiro na divulgação científica, José Reis incentivou presença de pesquisadores na mídia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.